Confira nossa versão impressa

Papa faz novo convite ao Pacto Educativo Global

Papa faz novo convite ao Pacto Educativo Global

Por meio de uma mensagem em vídeo, publicada nesta quinta-feira, 15, o Papa Francisco relançou a campanha “Pacto Educativo Global”, programada para acontecer em maio, mas, devido à pandemia de COVID-19, teve que ser adiado.

Na mensagem divulgada durante um evento organizado na Pontifícia Universidade Lateranense, e Roma, Francisco atualizou o convite feito a toda a sociedade civil em 12 de setembro de 2019 para “dar vida a um projeto educativo, investindo as nossas melhores energias”.

Catástrofe educativa

O próprio Papa revela que quando idealizou esse novo projeto, nunca imaginou a situação que viria a se criar com o coronavírus, que acentuou a disparidade de oportunidades educacionais e tecnológicas, a ponto de constituir-se uma “catástrofe educativa”.

Talvez a expressão seja forte, afirma o Pontífice, mas se fala de catástrofe porque cerca de dez milhões de crianças poderiam ser obrigadas a abandonar a escola por causa da crise econômica gerada pelo coronavírus. A crise, portanto, é muito mais profunda, pois é geral, uma vez que está em crise “a nossa forma de compreender a realidade e de nos relacionarmos entre nós”.

O Santo Padre ressalta que neste momento, entra em jogo o poder transformador da educação: “educar é sempre um ato de esperança que convida à comparticipação transformando a lógica estéril e paralisadora da indiferença numa lógica diferente, capaz de acolher a nossa pertença comum”.

Educar é um ato de amor

Para Francisco, é necessário renovar o percurso formativo para construir novos paradigmas, capazes de responder aos desafios e emergências do mundo atual, pois a educação – diz ainda o Papa – “é um dos caminhos mais eficazes para humanizar o mundo e a história”.

“A educação é, sobretudo, uma questão de amor e responsabilidade que se transmite, ao longo do tempo, de geração em geração. Por conseguinte, a educação apresenta-se como o antídoto natural à cultura individualista.”

O Papa prossegue enfatizando que, o futuro da humanidade não pode ser a divisão, o empobrecimento das faculdades de pensamento e imaginação, de escuta, diálogo e compreensão mútua. Tampouco, o futuro pode favorecer “graves injustiças sociais, violações dos direitos, pobrezas profundas e descartes humanos”. Ele acrescentou, ainda, que esse futuro também não pode ser feito de jovens que sofram de depressão, toxicodependências, de meninas-noivas e de crianças-soldado ou de menores vendidos e escravizados.

Papa faz novo convite ao Pacto Educativo Global

‘Para e com’ as gerações de jovens

Portanto, quando fala de um novo Pacto Educativo Global, o Papa tem em mente um projeto  “para e com as gerações jovens, que empenhe as famílias, as comunidades, as escolas e universidades, as instituições, as religiões, os governantes, a humanidade inteira na formação de pessoas maduras”.

Isso requer audácia, afirmou o Pontífice, citando um trecho de sua nova encíclica, Fratelli tutti: “Sejamos parte ativa na reabilitação e apoio das sociedades feridas. Hoje temos à nossa frente a grande ocasião de expressar o nosso ser irmãos, de ser outros bons samaritanos que tomam sobre si a dor dos fracassos, em vez de fomentar ódios e ressentimentos”.

Investir com coragem

Na sequência, Francisco indica sete pontos dos compromissos a assumir para quem adere ao novo Pacto, como: colocar a pessoa em primeiro lugar, ouvir a voz das crianças, dos jovens e da família, investir na educação das meninas, educar ao acolhimento, encontrar novas formas de compreender a economia e a política, assim como guardar e cultivar a casa comum.

“Enfim, queridos irmãos e irmãs, queremos empenhar-nos corajosamente a dar vida, nos nossos países de origem, a um projeto educativo, investindo as nossas melhores energias e também iniciando processos criativos e transformadores em colaboração com a sociedade civil”, completa o Pontífice.

Neste processo, o Papa aponta a doutrina social da Igreja como ponto de referência, recordando que as grandes transformações não se constroem à mesa, mas com a contribuição de todos.

Após as palavras do Papa, o evento na Lateranense prosseguiu com a participação da diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, e com os promotores do evento, isto é, com os responsáveis pela Congregação para a Educação Católica, o cardeal  Giuseppe Versaldi e o arcebispo Angelo Vincenzo Zani. Também intervieram acadêmicos e estudantes.

Assista à vídeo-mensagem do Papa Francisco:

(Fonte: Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

As mulheres não devem ter voz na Igreja?

Hoje respondo a essa dúvida do Reginaldo de Assis, de São Roque (SP): “Gostaria de entender melhor um trecho da Bíblia que...

Sobre o terrorismo que destruiu templos católicos no Chile

Acordei com as cenas de uma igreja chilena ardendo em chamas. Em nome de ideologias, jovens terroristas...

Solenidade de Todos os Santos

Celebrando Todos os Santos e os Fiéis Defuntos, respectivamente, pedimos a intercessão da Igreja que já triunfa no Céu e oferecemos sufrágios...

Escolas comunitárias: um direito dos pais na educação de seus filhos

No dia 15 de outubro de 2020, o Papa Francisco enviou uma mensagem a todos os líderes mundiais envolvidos com a educação...

Comunhão dos Santos

Ao longo deste mês de outubro, o nome de Carlo Acutis – beatificado no último dia 10, em Milão, na Itália –...

Newsletter