Em SP, salões de beleza, barbearias e academias seguirão fechados

O governador de São Paulo João Doria disse nesta quarta-feira, 13, que academias e salões de beleza permanecerão fechados no estado, como medida para conter a disseminação do novo coronavírus. Apesar de decreto presidencial colocar esses tipos de estabelecimento como serviços essenciais e assim permitir a reabertura durante a quarentena, Doria argumentou que a suspensão do funcionamento segue orientação do comitê de saúde estadual.

 “O secretário de saúde de São Paulo [José Henrique Germann] e nosso comitê de saúde nos indicam que ainda não temos condições sanitárias seguras para autorizar a abertura de academias, salões de beleza e barbearias neste momento. Respeitamos todos esses profissionais, mas nosso maior respeito por esses profissionais é garantir suas vida”, disse o governador em coletiva de imprensa, no Palácio dos Bandeirantes.

Segundo o diretor do Instituto Butantan e coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, Dimas Covas, a decisão se baseou no fato, por exemplo, de que academias são ambientes de grande presença de secreções, o que facilita a infecção pelo novo coronavírus. “Com relação às academias, ela é um local onde as secreções são abundantes. E outro ponto importante: quem faz exercício físico de máscara é muito difícil de respirar. Além disso, a máscara umedece muito rápido, deteriorando a qualidade de proteção da máscara. E em terceiro, para higienizar esse ambiente, isso teria que ser feito a cada uso. E isso é muito complicado do ponto de vista sanitário”, argumentou.

Já com relação aos salões de beleza, Dimas Covas relatou que o problema principal é a proximidade entre cliente e profissional. “O contato físico é muito próximo. Ela vai tocar na pessoa [cliente]. Ela vai tocar no rosto da pessoa, nos cabelos da pessoa. Do ponto de vista de controle da infecção, essas são situações de risco”, completou.

Medidas

O governador anunciou também a liberação de R$ 30 milhões, a partir da quinta-feira, 14, para abertura de 350 novos leitos na Baixada Santista para tratamento dos casos do novo coronavírus. Desse total, 50 são de unidades de terapia intensiva (UTI).

Os leitos serão abertos nas cidades de Santos, Praia Grande e Itanhaém. Segundo o governo paulista, a Baixada Santista é hoje a segunda região do estado com mais casos de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Fica atrás apenas da região metropolitana.

O estado paulista tem, até o mais recente boletim divulgado, 51.097 casos confirmados de covid-19, e 4.118 pessoas mortas por complicações da doença . Há 3.703 pacientes internados em UTI e 5.950 em enfermarias. A ocupação de leitos de UTI em todo o estado está em torno de 68,3%, enquanto na Grande São Paulo está em torno de 87,2%.

Isolamento

Já a taxa de isolamento social em todo o estado permanece baixa, segundo padrões estipulados pelo governo. Na terça-feira, 12, ela atingiu apenas 47%, bem abaixo do valor mínimo considerado como satisfatório pelo governo paulista, de 55%.

Respiradores

Segundo o secretário de governo e vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, São Paulo fez, até este momento, três compras de respiradores e aguarda pela chegada deles para conseguir aumentar a quantidade de leitos disponíveis para tratamento do novo coronavírus.

“Temos hoje três compras realizadas, uma delas na indústria nacional feita no início da pandemia em que as entregas estão programadas para os meses de maio, junho e julho. Já chegaram lotes de respiradores e eles foram colocados imediatamente em uso. No final de semana, por exemplo, teve 20 novos respiradores para a capital”, explicou Garcia. Esse contrato teve o investimento do governo paulista de US$ 2,5 milhões.

Outra compra, segundo ele, foi feita na China. “Ela foi repactuada de 3 mil respiradores para 1.280 porque essa era a capacidade de entrega da indústria até a primeira semana de junho. Então ficamos com aquilo que era necessário no tempo da epidemia de São Paulo”. Esse contrato, segundo Garcia, que era de US$ 100 milhões, foi reduzido para US$ 44 milhões.

Já a terceira compra, explicou o secretário, é de mil respiradores chineses, mas adquiridos em Londres [Inglaterra]. Esse contrato, segundo o vice-governador, teve o investimento de US$ 20 milhões. Com isso, o total de respiradores adquiridos por São Paulo é de 2.530 respiradores, dos quais 1.150 serão entregues em São Paulo até o dia 20 de maio.

O governador João Doria ainda acrescentou que o governo paulista solicitou mais 200 respiradores ao Ministério da Saúde, ainda sem previsão de entrega.

(Com informações de Agência Brasil)

+ posts
- publicidade -
- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

- publicidade -

Últimas Notícias

Presidência do Regional Sul 1 da CNBB posiciona-se sobre a atual pandemia

(COM INFORMAÇÕES DO REGIONAL SUL 1 DA CNBB) A Presidência do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos...

‘A pandemia não deve calar nosso testemunho da fé’, diz Cardeal Scherer

Arcebispo de São Paulo presidiu missa da Solenidade da Ascensão do Senhor e dia Mundial das Comunicações Sociais, na Catedral da Sé

Principais documentos da Igreja sobre comunicação

Em 1963, o Concílio Vaticano II aprovou o Decreto Inter Mirifica, primeiro documento conciliar que trata do tema das comunicações sociais

Magistério da Igreja acompanha o desenvolvimento da comunicação social

No domingo, 24, Solenidade da Ascensão do Senhor, a Igreja também comemora o 54º Dia Mundial das...

Em meio à crise econômica, Igreja no Líbano auxilia os mais atingidos

GUSTAVO CATANIA RAMOS (ESPECIAL PARA O SÃO PAULO) Em entrevista à Asia News, Dom...

Isolamento social permanece abaixo do esperado em SP

Taxa na capital paulista ficou em 52%. Ao todo, 500 cidades já registram casos em no estado

Newsletter