Uma jornada de oração com todos os que creem em Deus

Que todos os que creem em Deus, independentemente da religião, se unam em oração pelo fim da pandemia de COVID-19. Este é o pedido do Papa Francisco para a quinta-feira, 14, uma jornada de “valor universal” em que se colocará em prática o espírito da “irmandade humana”.
Neste dia, os fiéis de todas as religiões são convidados “a se unir espiritualmente em um dia de oração e jejum e obras de caridade, para implorar a Deus que ajude a humanidade a superar a pandemia do coronavírus”, disse o Papa, no dia 3.

Origem da iniciativa
A proposta de um dia de oração pela humanidade partiu do Alto Comitê para a Irmandade Humana, um grupo criado pelo Papa Francisco com o Grande Imã da Mesquista de Al-Azhar, do Cairo, no Egito, Ahmed Al-Tayeb, em fevereiro de 2019, voltado à construção de pontes
entre todas as religiões, almejando a paz universal.
O documento sobre a irmandade humana, produzido na ocasião, se tornou uma referência mundial com diretrizes sobre a unidade entre os povos, especialmente nos países que vivem o extremismo e a intolerância religiosa. O grupo começou com líderes judeus, cristãos e muçulmanos, aspirando a ter escala global.
De acordo com o Cardeal Miguel Ángel Ayuso Guixot, Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, “qualquer um, independentemente da cultura, da situação econômica, da fé ou da falta de fé religiosa, sente a imensidade do grito da humanidade que
sofre”, neste momento de pandemia.
Apoio do Papa e mais
Em entrevista ao site Vatican News, o Cardeal Ayuso declarou que, embora as religiões sejam diferentes, todas elas têm elementos práticos e de oração “que nos dispõem em todo caso a um ato de amor aberto ao bem, ao outro e à aceitação”. O jejum e as obras de caridade são atos individuais e comunitários, “que exigem verdadeira responsabilização e consciência das ações a realizar”.
Além da adesão do Papa, o secretáriogeral das Nações Unidas, António Guterres, manifestou seu apoio. No Twitter, ele disse que, “em tempos difíceis, temos que nos juntar pela paz, humanidade e solidariedade. Uno-me à Sua Santidade, o Papa Francisco, e ao Grande Imã de Al-Azhar, xeque Ahmed Al-Tayeb, em seu apoio pela oração pela humanidade em 14 de maio – um momento de reflexão, esperança e fé”.

+ posts

Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pelas Faculdades Integradas Rio Branco.

Passou a integrar a equipe do Jornal O SÃO PAULO, em julho de 2017, como secretária de redação. É Pós-Graduanda (Lato Sensu) em Jornalismo Contemporâneo e Digital, pela Universidade Anhembi Morumbi.

Foi voluntária da Pastoral da Comunicação da Região Episcopal Brasilândia entre 2016 e 2017.

- publicidade -
- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

- publicidade -

Últimas Notícias

Presidência do Regional Sul 1 da CNBB posiciona-se sobre a atual pandemia

(COM INFORMAÇÕES DO REGIONAL SUL 1 DA CNBB) A Presidência do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos...

‘A pandemia não deve calar nosso testemunho da fé’, diz Cardeal Scherer

Arcebispo de São Paulo presidiu missa da Solenidade da Ascensão do Senhor e dia Mundial das Comunicações Sociais, na Catedral da Sé

Principais documentos da Igreja sobre comunicação

Em 1963, o Concílio Vaticano II aprovou o Decreto Inter Mirifica, primeiro documento conciliar que trata do tema das comunicações sociais

Magistério da Igreja acompanha o desenvolvimento da comunicação social

No domingo, 24, Solenidade da Ascensão do Senhor, a Igreja também comemora o 54º Dia Mundial das...

Em meio à crise econômica, Igreja no Líbano auxilia os mais atingidos

GUSTAVO CATANIA RAMOS (ESPECIAL PARA O SÃO PAULO) Em entrevista à Asia News, Dom...

Isolamento social permanece abaixo do esperado em SP

Taxa na capital paulista ficou em 52%. Ao todo, 500 cidades já registram casos em no estado

Newsletter