A Igreja recorda Santa Prisca, mártir

A Igreja recorda Santa Prisca, mártir, Jornal O São Paulo
Reprodução da Internet

Segundo uma antiga tradição, Prisca teria sido batizada, aos treze anos, por São Pedro. E, como diz seu nome romano, teria sido a “primeira” mulher do Ocidente a dar testemunho, com o martírio, da sua fé em Cristo. A protomártir romana teria sido decapitada em meados do primeiro século.  

Eis por que, após a nova reforma do calendário litúrgico, seu culto ficou restrito à basílica sobre o Aventino, que leva seu nome. Aliás, uma igreja repleta de significado para os que apreciam deter-se nas penumbras de corredores antigos, que a devoção secular torna ainda mais evolutivos.

A protomártir romana teria sido decapitada por volta da primeira metade do século I, durante a perseguição desencadeada por Cláudio contra os cristãos. Seus restos mortais teriam sido enterrados nas catacumbas de Priscila. De qualquer modo, a basílica de Santa Prisca, honrada com o título cardinalício, vem mencionada no sínodo romano de 499, atestando, dessa forma, que, desde os primeiros tempos do cristianismo, se recolhia essa devoção como humildes primícias do príncipe dos apóstolos.

Fonte: Vatican News e Pia Sociedade das Filhas de São Paulo

1 comentário em “A Igreja recorda Santa Prisca, mártir”

Deixe um comentário