Hoje a Igreja celebra o martírio de São João Batista

Hoje a Igreja celebra o martírio de São João Batista, Jornal O São Paulo
Reprodução da Internet

A memória do martírio de São João Batista associa-se à solenidade da sua Natividade, que se celebra em 24 de junho. João era primo de Jesus, concebido, de modo tardio, por Zacarias e Isabel, ambos descendentes de famílias sacerdotais: seu nascimento é colocado cerca de seis meses antes daquele de Cristo, segundo o episódio evangélico da Visita de Maria a Isabel. Por outro lado, a data da sua morte, ocorrida entre os anos 31 e 32, remonta à dedicação de uma pequena basílica, do século V, no lugar do seu sepulcro, em Sebaste da Samaria: de fato, parece que, naquele dia, tenha sido encontrada a sua cabeça, que o Papa Inocêncio II transladou para Roma, na igreja de São Silvestre “in Capite”. A celebração do martírio de São João Batista tem origens antigas: seu culto já existia na França, no século V, e em Roma, no século seguinte.

«Imediatamente o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, foi à prisão e cortou a cabeça de João. Depois levou a cabeça num prato, deu à moça, e esta a entregou à sua mãe. Ao saber disso, os discípulos de João foram, levaram o cadáver e o sepultaram» (Mc 6,27-29).

Motivo do martírio de João Batista

A causa principal do martírio foi uma mulher: Herodíades, atual esposa de Herodes Antipas, ex-esposa do seu irmão de criação. João foi preso por ter denunciado este casamento ilegal. Durante a festa de aniversário de Herodes, a filha de Herodíades, Salomé, dançou em homenagem ao rei, que era fascinado por ela: se ela dançasse, ele lhe permitiria pedir o que quisesse, até mesmo a metade do seu reino. Depois de consultar a mãe, ela pediu a cabeça de João Batista. Herodes não queria aceitar, mas não pôde recusar, porque lhe havia prometido.

Comentário do Papa Francisco

Quatro personagens: o Rei Herodes “corrupto e indeciso”, Herodíades, esposa do irmão de criação do rei, que “só sabia odiar”, Salomé, “a dançarina vaidosa” e o “profeta decapitado na solidão da sua cela”.

O rei

O rei Herodes, que “acreditava que João era um profeta”, “gostava de ouvi-lo” e até o “protegia”, apesar de mantê-lo na prisão. Estava indeciso porque João “o repreendeu pelo seu pecado” de adultério. Por meio do profeta, Herodes “ouvia a voz de Deus, que lhe dizia para “mudar de vida”, mas não conseguia. O rei era corrupto e, onde há corrupção, é muito difícil mudar”. Era um homem corrupto porque “procurava manter equilíbrio diplomático” entre a sua vida de adúltero, também repleta “de tantas injustiças, que praticava”, e a consciência da “santidade do profeta, que estava diante de si”. Ele não conseguia desatar este nó!

Herodíades

Herodíades era a esposa do irmão de criação do rei, que Herodes matou para se casar com ela. O Evangelho diz, apenas, que ela “odiava” João, porque ele falava claro. “Sabemos que o ódio é capaz de tudo – comenta Francisco – e tem uma grande força. O ódio é o respiro de Satanás. Sabemos que ele não sabe amar, não pode amar. Seu ‘amor’ é o ‘ódio’. Aquela mulher era possuída pelo espírito satânico do ódio”, que tudo destrói. O rei disse a Salomé: “darei tudo o que você quiser”, como Satanás.

Salomé

O terceiro personagem, para o Papa Francisco, é a filha de Herodíades: Salomé, a bailarina vaidosa, que dançava muito bem, “agradava aos convidados, e, sobretudo, ao rei”. Herodes, tão entusiasmado, prometeu à jovem que “lhe daria tudo o que quisesse”, usando as mesmas palavras que Satanás utilizou para tentar Jesus: “Tudo isso lhe darei, todo o meu reino, se me adorar”. Mas, Herodes não sabia disso!

João Batista, o Santo

Atrás destes personagens, agia Satanás: semeador de ódio na mulher, semeador de vaidade na moça, semeador de corrupção no rei.
E o “maior homem nascido de mulher” acabou sozinho, em uma cela escura da prisão, por capricho de uma bailarina vaidosa, do ódio de uma mulher diabólica e da corrupção de um rei indeciso.
Batista morreu como mártir, não um mártir da fé – porque não lhe pediram para renegá-la – mas um mártir da verdade. Ele era um homem “justo e santo” (At 3,14), condenado à morte por sua liberdade de expressão e fidelidade ao seu mandato.
João foi um mártir, que sempre deixou espaço na sua vida, cada vez mais, para dar lugar ao Messias. “O maior homem, nascido de mulher, acabou assim”! Porém, João já sabia que acabaria assim e se aniquilou: “Ele deve crescer e eu diminuir”. E o Papa acrescentou: “Diminuiu-se, a ponto de morrer”! João mostrou Jesus aos primeiros discípulos, indicando-O como a Luz do mundo! No entanto, ele morreu, lentamente, na obscuridade daquela cela, na prisão.
“A vida só terá valor na entrega de si: doá-la com amor e na verdade; doá-la aos outros, todos os dias, na família; doá-la sempre! Se alguém tomar posse da vida e guardá-la só para si, – como o rei, em sua corrupção; a mulher, possuída pelo ódio; a moça vaidosa, adolescente inconsciente – a vida morre, acaba murchando e não serve para nada” (Homilia do Papa Francisco na Casa Santa Marta, no Vaticano, 8 de fevereiro de 2019).

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário