Butantan entrega mais 2,2 milhões de doses de vacina contra a COVID-19

Com o lote, 52,2 milhões de doses foram repassadas ao Ministério da Saúde desde janeiro deste ano

Fiocruz

O Instituto Butantan realizou na sexta-feira, 18, a entrega de mais 2,2 milhões de doses da vacina CoronaVac.

O imunizante contra a COVID-19 vai ser distribuído pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) para ser usado em todo o País. A previsão é que até o final de setembro o instituto tenha disponibilizado 100 milhões de doses da vacina ao PNI.

A entrega desse lote é referente ao processamento de 3 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA), recebidos da China no último dia 25 de maio. A matéria-prima permitiu a produção de 5 milhões de doses.

O Butantan espera receber até o fim deste mês mais uma remessa com 6 mil litros de IFA para poder envazar mais 10 milhões de doses.

Ritmo de vacinação

De acordo com levantamentos de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde, até às 21h da quinta-feira, 17, um total de 60.381.020 pessoas já receberam a 1a dose da vacina contra a COVID-19, o que representa 28,51% da população brasileira

Já a 2a dose foi aplicada em 24.085.577 pessoas (11,37% da população), num total de mais de 84.466.597 pessoas em todos os estados e no Distrito Federal.

A imunização em São Paulo

Até às 21h da quinta-feira, 17, um total de 14.815.077 pessoas já tinham recebido a 1a dose da vacina contra a COVID-19 no estado de São Paulo. Já a 2a dose foi aplicada em 5.988.026 milhões de pessoas no território paulista.

LEIA TAMBÉM

Prefeitura de SP fixa data de vacinação contra a COVID-19 para todos os maiores de 18 anos

A vacinação também continua para os grupos com as seguintes comorbidades:

– Insuficiência cardíaca
– Cor-pulmonale e hipertensão pulmon
– Cardiopatia hipertensiva
– Síndrome coronariana
– Valvopatias
– Miocardiopatias e pericardiopatias
– Doença da aorta, dos grandes vasos e fístolas arteriovenosas
– Arritmias cardíacas
– Cardiopatias congênitas no adulto
– Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
– Diabete mellitus
– Pneumopatias crônicas graves
– Hipertensão arterial resistente
– Hipertensão arterial estágio 3
– Hipertensão estágios 1 e 2 com lesão de órgãos alvos
– Doença cerebrovascular
– Doença renal crônica
– Imunossuprimidos
– Anemia falciforme
– Obesidade mórbida’

(Com informações de Agência Brasil)  

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter