Comunidade Eucarística Voz dos Pobres completa 25 anos de atuação pelos excluídos

A Pastoral da Comunicação da Região Lapa conversou com a Irmã Maria Madalena, que tem 11 anos de vida consagrada

Comunidade Eucarística Voz dos Pobres completa 25 anos de atuação pelos excluídos
Benigno Naveira

Fundada em 1996 por Claudio Luiz Vaz, no bairro do Butantã, a Comunidade Eucarística Voz dos Pobres completou 25 anos de atuação na quinta-feira, 22.

Em visita à Casa São José Moscati (Rua Dr. Álvaro Osório de Almeida, 315, Jardim Bonfiglioli), na sexta-feira, 23, a Pastoral da Comunicação da Região Lapa conversou com a Irmã Maria Madalena, que tem 11 anos de vida consagrada.

“Nossa comunidade é uma missão da Igreja e realiza adoração e o cuidado com as pessoas em situação de rua, atua todos os dias em favor dos pobres, os mais excluídos pela sociedade. Nosso lema é doar o amor, o mesmo amor que transborda do altar todos os dias na Santa Missa. Esse amor não julga, simplesmente ama. Vamos para as calçadas das cidades, andamos, vivemos e sofremos com eles”, detalhou.

Irmã Maria Madalena ressaltou, ainda, que a missão possui cinco casas de acolhimento – quatro masculinas e uma feminina –, para pessoas em situação de rua que não conseguem andar, usam fraldas e até para a higiene pessoal precisam de ajuda.

A Casa São José Moscati é coordenada pela Irmã Maria, e lá residem 14 acolhidos; há também a Casa João Paulo II, no bairro da Mooca, em que residem dez pessoas; a Casa Santa Clara de Assis, na Diocese de Campo Limpo, na qual vivem quatro irmãs acolhidas; a Casa Nossa Senhora La Saleti, na Diocese de Osasco, residência de oito irmãos acolhidos; e a Casa Dom Oscar Romero, em Valência, na Espanha, morada de 45 irmãos acolhidos.

A Irmã destacou, ainda, que o carisma da Missão Eucarística Voz dos Pobres é viver a santa missa, adorar o Santíssimo Sacramento e zelar por ele; cuidar dos pobres de rua e amá-los; viver e anunciar o Evangelho de Jesus aos ricos e aos pobres, anunciando as verdades e denunciando as maldades. “Este trabalho é feito todos os dias em várias regiões, em busca dos pobres, enxergando nas calçadas a cruz do Nosso Senhor Jesus Cristo sob o véu do sofrimento e da pobreza.”

O acompanhamento às pessoas em situação de rua é realizado por dez irmãs celibatárias e 11 irmãos celibatários, além do trabalho missionário de mais de 300 leigos no Brasil.

(Por Benigno Naveira – Colaborador de comunicação na Região)

Deixe um comentário