Dom Odilo: ‘Não temos o sacerdócio como propriedade, mas participamos do sacerdócio de Cristo’

Arcebispo Metropolitano presidiu na manhã da Quinta-feira Santa, 14, a Missa do Crisma na Catedral da Sé

Dom Odilo: ‘Não temos o sacerdócio como propriedade, mas participamos do sacerdócio de Cristo’, Jornal O São Paulo
Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Vindos das seis regiões episcopais da Arquidiocese de São Paulo, sacerdotes e diáconos, bem como os bispos auxiliares, participaram na manhã da Quinta-feira Santa, 14, da Missa do Crisma na Catedral da Sé, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo.

Essa celebração é assim conhecida por que nela o Arcebispo abençoa os óleos usados nos sacramentos do Batismo e da Unção dos Enfermos e consagra o óleo do Crisma, utilizado nos sacramentos do Batismo e da Confirmação e nas ordenações sacerdotais e episcopais, além das dedicações de altares e templos.

No começo da missa, Dom Odilo manifestou sua alegria em ver a Catedral lotada, nesta celebração em que, por ocasião da recordação da instituição do sacerdócio, os padres, diáconos e bispos auxiliares rendem graças a Deus pela vocação ao sacerdócio e renovam as promessas sacerdotais, reavivando “a disposição em servir Jesus Cristo no seu Evangelho, no Reino de Deus e na pessoa dos irmãos e das irmãos”.

Os ritos de renovação das promessas sacerdotais e da bênção dos óleos e da consagração do Santo Crisma foram realizados após a homilia.

EMPENHO MISSIONÁRIO

Ao iniciar a homilia, Dom Odilo agradeceu aos ministros ordenados pelo empenho com que têm desenvolvido seu ministério, e pediu a todo o povo de Deus que tenham uma vida santa, como “hóstias agradáveis a Deus”.

Recordando as visitas que realizou às paróquias em diferentes locais da Arquidiocese, o Cardeal Scherer  destacou que tem encontrado uma Igreja em missão.

“Fiquei muito encantado, até emocionado, em ver a grande dedicação missionária de tantos padres que estão trabalhando com alegria, com enorme dedicação, muitas vezes com  sacrifício e abnegação em comunidades muito carentes, paróquias em construção, onde por vezes falta muito, mas não falta povo nem a alegria, porque o Reino de Deus está no meio de vocês”.

GRANDES DONS

Dom Odilo falou, ainda, sobre os grandes dons deixados por Jesus à sua Igreja e que são recordados neste dia, a começar pela Eucaristia, memorial da Paixão e morte na cruz, sacramento da nova e eterna aliança de Deus com a humanidade. “Não há momento em que a Igreja apareça tão bem como na celebração da Eucaristia”, ressaltou.

Também o sacerdócio é um “grande e indispensável dom feito por Jesus à sua Igreja. Jesus é o sacerdote por excelência, o ungido de Deus e cheio do Espírito Santo, que traz boas novas à humanidade. Ele une o céu à terra, Deus e a humanidade na sua pessoa”, ressaltou, apontando, ainda, que os padres são ministros do sacerdócio de Cristo. “Não temos o sacerdócio como propriedade, mas participamos do sacerdócio de Cristo, em vista da missão da Igreja e do bem do povo de Deus”.

O Arcebispo lembrou, ainda, que esta celebração é ocasião para que cada padre agradeça pela ordenação sacerdotal recebida e por todo bem que consegue realizar com a ajuda de Deus.  

Dom Odilo: ‘Não temos o sacerdócio como propriedade, mas participamos do sacerdócio de Cristo’, Jornal O São Paulo

PERANTE ÀS DIFICULDADES

Ainda na homilia, o Arcebispo afirmou que apesar do tempo difícil que a Igreja vive nas vocações sacerdotais e para os sacerdotes – com  grandes exigências, por vezes falta de fraternidade entre os padres, a sensação de isolamento e amargura - é preciso que o sacerdote nunca perca de vista o apreço pelo dom que recebeu de Deus. “É bênção e missão exigente. E Jesus convidou a tomar a cruz cada dia e segui-lo no caminho do discipulado”.

Diante de eventuais desmotivações e desânimos, Dom Odilo recordou três caminhos apontados pelo Papa Francisco, em um simpósio sobre o sacerdócio, realizado em fevereiro deste ano, em Roma.

Um deles é a proximidade com Cristo, por meio da oração, da acolhida de sua Palavra, da adoração da Eucarística e no serviço aos pobres.

Outro é que os sacerdotes mantenham a proximidade com o bispo e os demais presbíteros, para que não se esqueçam que são membros de uma comunidade sacerdotal, que existe em torno do bispo diocesano, que mantém a comunhão e a unidade do presbitério.

Também é indispensável a proximidade com o povo, por meio dos serviços cotidianos da escuta paciente e caridosa e da atenção aos pobres e enfermos, da sensibilidade para os enlutados e os mais sofridos.

RETOMADA DO SÍNODO

Dom Odilo também falou sobre a retomada do sínodo arquidiocesano, “caminho de comunhão, conversão e renovação missionária”, desejando que seja vivido, antes de tudo pelos sacerdotes, e que “o Espírito Santo, que renova a face da terra, nos converta, renove, para sermos verdadeiramente aqueles ministros e servidores do Evangelho que Jesus quis à Igreja hoje”.

A retomada do sínodo também foi recordada pelo Cônego José Arnaldo Juliano dos Santos, que falando em nome de todo o clero, saudou o Arcebispo Metropolitano pelos muitos motivos que o Purpurado tem a comemorar em 2022: os 15 anos de cardinalato, igual quantidade de tempo como Arcebispo de São Paulo, os 20 de sua ordenação episcopal e os 46 anos de sacerdócio.

“Aqui, neste dia, rezamos pelo senhor, para que esteja caminhando conosco, principalmente neste momento muito importante da Igreja, do mundo e da nossa Igreja em São Paulo, em que, graças a Deus, realizaremos a assembleia sinodal”, disse o Padre José Arnaldo.

Antes da bênção final, o Arcebispo voltou a manifestar gratidão a Deus por ser possível celebrar a Missa Crismal com mais pessoas, mantendo-se ainda os devidos cuidados contra o contágio pelo coronavírus.

Dom Odilo deu também algumas recomendações aos sacerdotes sobre o zelo com a Eucaristia e incentivou que todos participem intensamente do Tríduo Pascal, incluindo a Vigília Pascal, e desejou que o Senhor abençoe a todos, que as pessoas rezem pelo Papa, pela paz no mundo e não se esqueçam dos pobres.

O QUE DISSERAM OS SACERDOTES

Dom Odilo: ‘Não temos o sacerdócio como propriedade, mas participamos do sacerdócio de Cristo’, Jornal O São Paulo

Para mim é uma grande alegria esta celebração. Acredito que para todos os sacerdotes aqui presentes também, por retomar, relembrar aquilo que nos comprometemos diante do altar, que é ser a presença de Cristo no meio do povo. Fazer essa renovação nos dá força, ânimo, entusiasmo, para transbordar para o povo aquilo que nós recebemos e aquilo que nós renovamos hoje diante deste altar nesta celebração profunda, tão bonita e tão significativa - Padre Paulo Gomes da Silva Júnior, da Missão Belém

Foi um momento alegre. No ano passado, não houve esta celebração na Quinta-feira Santa, então é de bastante alegria essa renovação das promessas sacerdotais. Saimos daqui prontos para transmitir ao povo essa questão de perserverar no seguimento a Cristo, que é o Caminho, a Verdade e a Vida - Padre Adriano Robson Rodrigues, da Comunidade Maranatá, na Região Santana

Para nós, sacerdotes, este é um momento único para a renovação das nossas promessas, do nosso compromisso do sacerdócio régio de Jesus Cristo. Mais do que tudo, é o serviço que nós prestamos à Igreja, à Arquidiocese. É um momento único que nós vivemos aqui hoje, alegria contagiante, os padres com grande disponibilidade, com grande fervor, renovaram seus votos, e, podemos, então, trilhar esse caminho sinodal que a Igreja tanto nos pede - Padre Geraldo Pedro dos Santos, Pároco na Paróquia Santo Eduardo e Administrador Paroquial da Paróquia São Joaquim, ambas na Região Sé

Unidos ao Arcebispo, renovamos nossa caminhada sacerdotal, e este ano de modo mais especial por ser a retomada desta celebração na Quinta-feira Santa. A nossa fala durante esta Semana Santa deve estar de acordo com essa promessa que nós renovamos hoje, de vivenciar o nosso sacerdócio para o povo, e isso é o que importa. Fazer com que o povo perceba esta presença de Deus na vida deles, ainda mais depois deste tempo tão difícil e tão conturbado - Padre Haroldo Evaristo Alves, Administrador da Área Pastoral São João Paulo II, na Região Belém

Deixe um comentário