Morre a Irmã Mathilde de São José, monja carmelita

Irmã Mathilde de São José (Reprodução da Internet)

A comunidade das monjas carmelitas do Mosteiro Santa Teresa, em Mirandópolis, zona sul de São Paulo, despediu-se da Irmã Mathilde de São José nesta quarta-feira, 21. A religiosa de 85 anos faleceu nesta madrugada, após longa enfermidade.

Nascida em 5 de fevereiro de 1938, em Ituverava (SP), Mathilde ingressou na clausura do Carmelo da capital paulista em 1965, de onde nunca mais saiu. Mesmo de saúde frágil e delicada, perseverou na vida religiosa na Ordem da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo (Carmelitas Descalças), ramos camelitano oriundo da reforma realizada por Santa Teresa de Jesus, no século XVI.

A missa de corpo presente foi celebrada na capela do Mosteiro, na mesma data, presidida por Dom Carlos Lema Garcia, Bispo Auxiliar de São Paulo, que representou o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, participava da reunião do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF). Também estavam presentes na celebração diversos padres, familiares e amigos da religiosa.

REFERÊNCIA

Na mensagem lida no início da missa, em nome da comunidade monástica, foi ressaltado o empenho de Irmã Mathilde para a renovação interna do mosteiro, sabendo acolher as jovens vocacionadas com amizade e profundo interesse. Apaixonada pelo carisma carmelitano, a religiosa dedicou especial atenção à formação e à vida fraterna, sobretudo no período em que foi priora e mestre de noviças no mosteiro.

“Essa característica lhe valeu um reconhecimento muito grande, sendo profundamente amada por nós, levando em conta sua grandeza de alma e coração”, manifestaram as monjas, sublinhando o testemunho da religiosa ao enfrentar sua enfermidade nos últimos anos. “Presa a um leito de sofrimento e sacrifício, [Irmã Mathilde] exalou entre nós o espírito de forte guerreira, dando exemplo até o fim de generosidade, sabedoria e amor”, completou a mensagem.

Funeral de Irmã Mathilde, na capela do Mosteiro Santa Teresa (Foto: Fernando Geronazzo)

AMOR À EUCARISTIA

Na homilia, Dom Carlos destacou que Irmã Mathilde era uma mulher de fé e de amor à Eucaristia. “Deus costuma levar as pessoas quando estão mais preparadas. Com as mãos cheias de frutos e boas obras. A Irmã Mathilde sempre apoiou sua vida na fé, viveu perto de Deus, recebendo a Comunhão diariamente”, acrescentou.

O Bispo Auxiliar enfatizou, ainda, que a carmelita viveu sua vocação religiosa com fidelidade até o último momento. “Nos últimos 9 anos, esteve muito limitada em razão dos efeitos de uma cirurgia malsucedida. Somente andava de cadeira de rodas e necessitava de ajuda constante”, observou Dom Carlos, relatando que, nos últimos três anos, teve a oportunidade de atendê-la diversas vezes e afirmou que nunca ouviu dela uma queixa sequer sobre sua condição. “Ao contrário, sempre manifestava a sua gratidão pelo casinho e a paciência com que as irmãs a acompanhavam”.

Dom Carlos também destacou que, Irmã Mathilde chegou ao fim da vida com repetindo as palavras que dizia desde quando ingressou no Carmelo: “Jesus, eu te amo”.

Após a missa, o corpo de Irmã Mathilde foi levado ao cemitério do Santíssimo Sacramento, no Sumaré, onde foi sepultado na mesma data. Da grade da clausura, as demais monjas saudaram pela última vez de sua irmã de comunidade, manifestando a gratidão pelo dom de sua vida e vocação.

guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Hélio de Assis
Hélio de Assis
7 meses atrás

🙏Nossa gratidão Irmã Mathilde por tudo que a senhora fez pela minha Família Hélio de Assis, Lis Fátima Santos de Sá Assis, Leandro Henrique de Assis e Lis Andressa de Assis!💓