Morre Padre Gilson Frank dos Reis, da Missão Belém

Atualizado em 22/08, às 9h

Padre Gilson (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

A Arquidiocese de São Paulo comunica, com pesar, o falecimento do Padre Gilson Frank dos Reis, neste sábado, 21, em decorrência de complicações da COVID-19.

Padre Gilson tinha 45 anos e foi ordenado sacerdote no dia 3 de dezembro de 2016. Incardinado no clero da Arquidiocese de São Paulo, ele pertencia à associação de fiéis Missão Belém, que realiza um trabalho pastoral voltado à população em situação de rua e com dependência química.

O Sacerdote estava hospitalizado há algumas semanas com um quadro grave de infecção do novo coronavírus, chegando a ser intubado e não resistiu.

O velório acontece neste domingo, 22, na Capela Nossa Senhora Aparecida (Rua Nelson Cruz,19 – Belém), onde, às 10h, acontece uma missa de corpo presente, que será transmitida pelas mídias digitais. Em seguida, o corpo será trasladado para o Cemitério Gethsêmani Anhanguera, onde acontecerá o sepultamento.

Ele sentiu na pele as dores dos irmãos de rua

Texto baseado em reportagem publicada no O SÃO PAULO em março de 2013

Era março de 2013. Em uma mesa na Casa de Oração do Povo da Rua, no bairro da Luz, Gilson Frank dos Reis, então com 36 anos, planejava, junto a dois outros integrantes da Missão Belém, detalhes da atividade de  evangelização que fariam horas depois junto à população em situação de rua, em especial os assolados pelo vício das drogas.

(Foto: Arquivo/Missão Belém)

Gilson, por mais de uma década, também esteve no mundo das drogas. Aos 11 anos, após a separação dos pais, tragou um cigarro pela primeira vez, e na adolescência, foi usuário de maconha, cocaína e de crack. “O crack foi a devastação da minha vida e da minha família: roubava coisas de casa, morei na rua, na Cracolândia, até que um dia alguém passou, bateu nas minhas costas e falou ‘olha, Jesus te ama’. Foi quando tive força de me levantar e procurar ajuda”, contou à reportagem do O SÃO PAULO na ocasião.

Durante nove meses, no ano de 1998, Gilson permaneceu em uma clínica de recuperação de dependentes químicos no Rio Grande do Sul. De volta a São Paulo, conseguiu emprego, tornou-se noivo, ingressou em atividades da Igreja e foi um dos fundadores de um grupo que ajudava na recuperação de jovens drogados.

Por meio de colegas da Comunidade Servos de Resgate, que também se dedica à evangelização de moradores em situação de rua, conheceu o Padre Gianpietro Carraro, quem em 2005 fundaria a Missão Belém, onde Gilson realizou acompanhamento vocacional. “Quando comecei essa caminhada com um acompanhamento mais sério, com uma espiritualidade mais forte, entendi que aquilo que eu procurei desde os meus 11 anos de idade nas drogas, eu encontrei somente em Deus”.  

Gilson deixou tudo para trás para seguir a vida missionária, ajudando que drogados se libertem do vício. “Toda vez que posso, falo da minha experiência de vida e que Deus está tirando um homem que era da Cracolândia e levando para trás do altar para ser padre. Procuro sempre enfatizar isso porque não somos diferentes: se isso aconteceu na minha vida, outros irmãos podem conseguir, porque um homem que tem objetivo chega aonde Deus quer”, relatou à reportagem.

(foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Gilson seria ordenado sacerdote três anos depois daquela entrevista, em 3 de dezembro de 2016, e manteve-se fiel ao que se propunha desde quando disse sim a Deus ao discernir pela vocação sacerdotal. “Tenho um desejo no coração de ser o sacerdote dos pobres, mostrar com a minha vida aquilo que Deus fez.”.

De sua própria experiência e das situações que vivenciara até aquele março de 2013, de pessoas que deixaram as drogas após o encontro com Deus, Gilson nutria algumas certezas sobre a fé.

“A Palavra de Deus diz que a fé é o firme fundamento de acreditar em tudo aquilo que a gente não vê, mas a fé também é o alicerce de quem quer caminhar com Deus. O homem nasceu para acreditar, tanto é que aqueles que não acreditam em Deus acreditam em algo diferente, isso é do ser do homem, aquele que não tem fé e não acredita, morre, acaba se perdendo”.

31 comentários em “Morre Padre Gilson Frank dos Reis, da Missão Belém”

  1. Mistérios de Deus. Por que um homem de Deus como o Padre Gilson sucumbe à este vírus e eu, servo inútil resisti? Deus é quem sabe. A mim só resta glorificar a Deus pela existência, vida e exemplo que nos deixa Padre Gilson e suplicar misericórdia divina à humanidade. Viva Cristo Rei!

    Responder
  2. Conheci o Gilson na missão Belém no começo da sua caminhada, quantas vezes me ajudou com palavras de fé e carinho, naquilo que eu precisava escutar em certos momentos, para poder ultrapassar barreiras que me impedia de ter uma vida tranquila e regrada, a missão Belém foi uma passagem na minha vida, que fez amadurecer e fortalecer minha fé, e saber que por mais difícil possa parecer nossos problemas, se nos entregamos de corpo, alma e espírito para o Sr. nosso Deus, e ter a Bíblia sagrada, como guia, travesseiro e conforto, nossos problemas por mais difíceis que pareça, serão suportados e superarados com dor e sacrifícios, mais com uma enorme recompensa, que é uma vida digna e de conquistas jamais esperada para quem não tem coragem de entregamos na mão do todo nosso poderoso Deus, que com a intervenção da nossa grande mãe nossa Senhora ” Maria ”
    Tudo aquilo que parece impossível, se torna realidade, um dia escutei de um missionário da missão Belém que o ditado – “pau que nasce torto não indireita ” não procede
    Disse-me ele… -” Jesus é Carpinteiro ” Ele faz de qualquer pau torto a mais linda obra, esse missionário se chamava “Gilson ”
    Que hoje é uma estrela símbolo da missão Belém lá no céu…
    Gilson que você continue intercedendo pelos pobres e nescecitados aí no céu do ladinho de Deus!!!
    Do seu grande administrador em sua vida e caminhada
    CARLOS MADUENHA

    Responder

Deixe um comentário