‘Parto feliz, tranquilo, sereno, e já com saudades’, afirma Dom Eduardo ao se despedir da Arquidiocese

Bispo assumirá a Diocese de Ourinhos (SP) em 3 de julho

Dom Eduardo é saudado por Cardeal Scherer, clero e fiéis da Arquidiocese, em missa de despedida, na Catedral da Sé (foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Com uma missa na Catedral da Sé, no domingo, 20, o clero e os fiéis da Arquidiocese de São Paulo celebraram ação de graças pelo ministério de Dom Eduardo Vieira dos Santos como Bispo Auxiliar.

Nomeado pelo Papa Francisco como Bispo Diocesano de Ourinhos (SP), em 19 de maio, Dom Eduardo se despede da Igreja em São Paulo, onde foi Bispo Auxiliar desde 2015. Dentre os ofícios realizados nesse período, atuou como Vigário Episcopal para a Região Sé. Ele tomará posse do novo ofício no dia 3 de julho.

No início da celebração, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano, manifestou seu agradecimento a Dom Eduardo pelo trabalho realizado na Arquidiocese, à qual, antes de ser eleito Bispo, já pertencia como sacerdote.

“Hoje, queremos agradecer a Deus pelo sacerdócio e pelo episcopado que Dom Eduardo exerceu em nossa Arquidiocese. Deus sabe o bem que Dom Eduardo realizou e o recompensará por isso”, afirmou Dom Odilo. 

Em nome da Igreja em São Paulo, o Arcebispo desejou que Deus inspire, ilumine e fortaleça Dom Eduardo na nova missão de Bispo Diocesano de Ourinhos. O Cardeal enfatizou, ainda, a importância dos bispos auxiliares para a Arquidiocese: “Sem eles, seria muito difícil desempenhar a missão nesta grande e querida Arquidiocese”.

Gratidão 

Na homilia, Dom Eduardo manifestou sua gratidão à Arquidiocese de São Paulo, que, há 33 anos, o acolheu. “Cheguei a esta grande cidade trazendo uma certeza: queria ser padre”, contou, recordando o início de seu processo formativo na Congregação da Santa Cruz.

O Bispo nomeado de Ourinhos agradeceu ao Cardeal Scherer sua “paternidade” para com ele. De igual modo, manifestou gratidão aos demais bispos auxiliares, “irmãos” que o ajudaram a caminhar e a cumprir seus deveres. Ao agradecer aos padres, recordou, de modo especial, aqueles que o auxiliaram na formação sacerdotal. “Obrigado pela paciência e pelo carinho”, afirmou.

Dirigindo-se aos diáconos, seminaristas, religiosos e leigos, Dom Eduardo sublinhou que estes o ajudaram na sua vida de fé e no testemunho de cristão. O Bispo recordou, em particular, a sua família, que, em todas as ocasiões o apoiou e esteve ao seu lado, sobretudo nos momentos mais difíceis.

Ir para outra margem

Tomando como exemplo o trecho do Evangelho do dia, no qual Jesus chama os discípulos a irem para a outra margem do mar de Tiberíades, Dom Eduardo afirmou:

“Hoje, sou enviado para a Diocese de Ourinhos. Vivo o desafio de sair dos limites já conhecidos e seguros, para ir para a outra margem, para outros lugares. É a universalidade da missão. Parto feliz, tranquilo, sereno, e já com saudades, pois, aprendi a amar e a querer bem a cidade de São Paulo, a Igreja que aqui está”.

Ao recordar o seu lema episcopal “Alegrai-vos no Senhor”, Dom Eduardo salientou que buscou testemunhar com sua vida e ministério a alegria do Evangelho da qual tanto fala o Papa Francisco. “Continuem, irmãos e irmãs, a se alegrarem sempre no Senhor”, completou.

Zelo pastoral 

No fim da missa, o Padre Aparecido Silva, Vigário-Geral Adjunto da Região Episcopal Sé, dirigiu o agradecimento a Dom Eduardo, em nome do clero, religiosos e leigos.  

Padre  Aparecido expressou a “mistura de sentimentos” diante da despedida do Bispo Auxiliar. “Por um lado, sentimos a tristeza por nos deixar; por outro, a alegria de vê-lo assumir uma diocese. Essa é a missão que a Igreja, sacramento de Cristo, confiou ao senhor, que a abraçou com alegria”, disse.

O Vigário-Geral reiterou a gratidão a Dom Eduardo por sua dedicação, disponibilidade e zelo pastoral ao atender os padres em suas necessidades, principalmente os enfermos.

(Foto: Luciney Martins/O SÃO PAULO)

Estímulo e esperança

Padre Aparecido salientou, ainda, a atenção dada por Dom Eduardo às pastorais e organizações eclesiais da Região, com destaque para as pastorais sociais, especialmente neste período de pandemia.

O Sacerdote ressaltou a presença constante do Bispo na vida das paróquias e do povo, “sempre levando o estímulo  e a esperança no caminhar, assim como seu olhar solidário para as comunidades que passavam por dificuldades financeiras”, acrescentou o Sacerdote.

Reconhecendo que a vida e agenda de um bispo são muito exigentes, o Vigário-Geral sublinhou a capacidade com que Dom Eduardo encaminhava todas as situações com serenidade e “amor de pai”.

Proximidade

“Com muita sensibilidade, sempre esteve atento e à frente da administração da Região Episcopal Sé em prol da evangelização, dando atenção maior aos pobres. Sempre atento aos desafios da Arquidiocese, motivava-nos ao espírito de comunhão entre o clero e em todas as instâncias”, prosseguiu o Sacerdote.

Padre Aparecido assinalou, ainda, que a “cultura do encontro” sempre foi uma marca do ministério de Dom Eduardo. “É nesse contexto que se promove o diálogo, a solidariedade e a abertura a todos, chamando-nos a desenvolver uma verdadeira e própria arte da proximidade”, completou.

Por fim, o Sacerdote desejou felicidade a Dom Eduardo, ao presbitério e a todos na Diocese de Ourinhos.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter