2a sessão da assembleia sinodal arquidiocesana trata sobre a realidade cultural, social, política e econômica da cidade

A Arquidiocese de São Paulo realizou na manhã do sábado, 2, na Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (Fapcom), na zona Sul, a 2º sessão da assembleia sinodal arquidiocesana, na qual se buscou olhar para as realidades cultural, social, econômica e política da cidade, com reflexões acerca das questões que mais interpelam a comunhão, conversão e renovação missionária da Igreja em São Paulo. 

2a sessão da assembleia sinodal arquidiocesana trata sobre a realidade cultural, social, política e econômica da cidade, Jornal O São Paulo
Dom Odilo conduz os trabalhos da 2º sessão da assembleia sinodal arquidiocesana
Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Os trabalhos foram iniciados com uma celebração presidida por Dom Carlos Lema Garcia, Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Vigário Episcopal para a Educação e a Universidade. 

Refletindo sobre a leitura da Palavra, em que o profeta Jonas é mandado por Deus a Nínive (cf. Jn 1,1-3; 3,1-10) com a missão de converter a todos dessa cidade pagã, Dom Carlos lembrou que também em São Paulo há muitos a serem evangelizados, o que requer que cada um dos católicos – que pelo Batismo são chamados à santidade e ao apostolado missionário – se comprometam com as ações da Igreja e o testemunho cotidiano da fé: “Os cristãos são o fermento no meio da massa. Assim, temos de dar o exemplo pessoal, falando de Deus às pessoas, e, também, animando todos os leigos que participam das nossas paróquias a fazer essa evangelização nos espaços em que estão regularmente ”. 

Também o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano e Presidente da assembleia sinodal arquidiocesana, enfatizou que todos são chamados à missão de anunciar o Evangelho e o amor de Deus na cidade. Ele ressaltou, ainda, que o discernimento comunitário feito nas sessões da assembleia sinodal deve levar os participantes a refletir sobre a ação evangelizadora da Igreja na metrópole. 

2a sessão da assembleia sinodal arquidiocesana trata sobre a realidade cultural, social, política e econômica da cidade, Jornal O São Paulo
Rubens Rizek, secretário de governo municipal

UMA CIDADE DE CONTRASTES 

Para esta sessão da assembleia, Rubens Rizek Júnior, secretário de governo municipal, foi o convidado para apresentar um panorama sobre a cidade. 

“Em São Paulo, temos 2 milhões de pessoas vivendo em extrema pobreza, ou seja, com renda familiar abaixo de um quarto do valor do salário mínimo, mas a média salarial das pessoas ocupadas é de R$ 4 mil, e chega a R$ 5 mil para os que têm empregos formais”, ponderou em sua apresentação, na qual trouxe inúmeros indicadores sobre a pujança econômica de São Paulo, seus não menos grandiosos dados de pobreza, e as ações que a atual gestão municipal tem buscado realizar, com o apoio da sociedade civil e da Igreja. “Não abandonem o poder público. Ajudem-nos a corrigir os nossos rumos”, pediu aos participantes da assembleia, comentando, ainda, que, em locais da cidade onde a comunidade monitora as ações do poder público, os indicadores de desenvolvimento humano se mostram melhores, ainda que não haja ampla disponibilidade de recursos. 

Ao O SÃO PAULO, Rizek enfatizou o propósito da atual gestão municipal em se manter próxima da Igreja para melhorar a eficácia das políticas públicas. “A vida comunitária em torno da Igreja e as atividades pastorais trazem um efetivo termômetro da realidade social. O gestor público em uma cidade enorme como esta muitas vezes pode ter uma visão distorcida da realidade, uma percepção apenas trazida por mecanismos burocráticos. Assim, é fundamental que não haja intermediários entre o tomador da decisão pública e as pessoas, e a Igreja é um fórum muito qualificado para fazer isso, pois nela não há luta ideológica política, mas, sim, um ambiente voltado para o amparo das pessoas necessitadas, que é próprio da missão cristã”, comentou, ressaltando ainda a intenção de ampliar os canais de interlocução que a Prefeitura já mantém com as organizações da Igreja em São Paulo. 

2a sessão da assembleia sinodal arquidiocesana trata sobre a realidade cultural, social, política e econômica da cidade, Jornal O São Paulo
Cônego Antônio Manzatto, perito do sínodo arquidiocesano

‘DEUS HABITA AS FRATURAS DESTA CIDADE’ 

Após a exposição do secretário, o Cônego Antonio Manzatto, um dos peritos do sínodo arquidiocesano, falou sobre algumas realidades que preocupam na cidade, como a falta de moradia para todos, a desigualdade de acesso aos serviços de saúde e educação, as precariedades nas áreas de mobilidade urbana, a degradação ambiental – “quase não há verde na cidade cinza” – e a violência crescente nos espaços públicos e nas famílias – “uma cultura de violência e ódio que se espalha rapidamente e contamina todo o ambiente social”. 

“A realidade da cidade nos interroga: ‘Por que na terra da fartura há tantos necessitados? Por que interesses particulares ainda se sobrepõem ao bem comum? Onde estão os espaços democráticos de participação? Uma Igreja sinodal precisa ouvir os clamores que brotam das fraturas desta cidade, porque são os clamores dos filhos de Deus que estão sofrendo. Como ser Igreja em saída e ajudar São Paulo a ser mais humana? Deus habita as fraturas dessa cidade”, comentou. 

2a sessão da assembleia sinodal arquidiocesana trata sobre a realidade cultural, social, política e econômica da cidade, Jornal O São Paulo
Plenária com os participantes

PERCEPÇÕES 

Antes da plenária aberta aos demais participantes, o Cardeal Scherer exortou os membros da assembleia a refletirem sobre como as realidades apresentadas interpelam as ações dos cristãos na metrópole, destacando que a Igreja não é uma bolha em meio à realidade, mas deve interagir com a cidade e suas pessoas. 

“De fato, o sínodo arquidiocesano é um chamado a nos renovarmos na mis- são, em como ser missionários, em como ‘ser Jonas’ nesta grande cidade”, disse. 

Entre os apontamentos dos participantes na plenária, houve pedidos para que a Prefeitura destine um maior percentual do orçamento às ações de assistência social; que haja atenção integral a idosos, crianças e às pessoas em situação de rua, incluindo as que vivem nas ‘cracolândias’ dispersas pela cidade, proporcionando-lhes a devida acolhida, cuidados com a saúde física e mental e oportunidades de trabalho; que haja melhorias no acesso a tecnologias nas comunidades mais carentes, bem como nos atendimentos de saúde; e ampliação de apoio às obras sociais mantidas pela Igreja em diferentes bairros. Alguns participantes também externaram a preocupação de que o agir da Igreja em favor dos mais pobres e excluídos não ocorra apenas na dimensão de suprir-lhes as necessidades materiais, mas também seja evangelizadora e missionária, permitindo que conheçam a Cristo e possam vivenciar a fé católica. 

COMISSÕES TEMÁTICAS 

Na parte final da 2º sessão da assembleia sinodal, cada participante foi convidado a se inscrever em até três das 25 comissões temáticas que irão refletir sobre âmbitos específicos da vida e ação da Arquidiocese e discernir sobre os modos como o propósito do sínodo de “caminho de comunhão, conversão e renovação missionária” deve acontecer e se traduzir em novas práticas de ação da Igreja em São Paulo. A composição final das comissões será anunciada na próxima sessão da assembleia sinodal arquidiocesana, em 6 de agosto. 

“O que podemos fazer? Como isso tudo exposto nesta manhã nos interpela como discípulos missionários de Jesus Cristo, como cidadãos católicos nesta cidade e como organizações da Igreja? Como cada leigo, cada cidadão, pode se envolver a partir da sua vocação pessoal e batismal para ajudar a cidade, para mudar essas situações? Esse discernimento, pouco a pouco, vai passar para o trabalho dos grupos nas comissões temáticas, que elaborarão propostas à luz da proposta do sínodo”, disse Dom Odilo na conclusão dos trabalhos. 

Deixe um comentário