São Paulo apresenta plano para zerar emissões de gases estufa até 2050

PlanClima foi lançado na quinta-feira, 3, pelo prefeito da capital paulista

Agência Brasil

O prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes, lançou na quinta-feira, 3, o Plano de Ação Climática do Município de São Paulo (PlanClima SP). Desenvolvido em parceria com a rede internacional de cidades C40,  o plano pretende neutralizar as emissões de gases de efeito estufa na capital paulista até 2050.

A C40 reúne megacidades de diferentes partes do mundo que estão comprometidas a enfrentar a mudança do clima. O objetivo dessa rede é incentivar a cooperação internacional entre as grandes cidades do mundo e apoiá-las na adoção de medidas climáticas ambiciosas, tornando o mundo mais sustentável e saudável.

São Paulo aderiu ao compromisso Prazo 2020 – Carta Compromisso do Acordo de Paris, proposta pela C40, em 2018. O plano foi então elaborado e aprovado pela rede em dezembro do ano passado. Somente hoje, entretanto, ele foi apresentado para a população paulistana.

O PlanClima consiste em 43 ações prioritárias, divididas em cinco estratégias: rumo ao carbono zero em 2050 (composto de 18 ações); adaptar a cidade de hoje para o amanhã (composto por 11 ações); proteger pessoas e bens (7 ações); Mata Atlântica, precisamos de você (3 ações); e gerar trabalho e riqueza sustentáveis (4 ações).

Essas cinco estratégias pretendem mitigar as emissões, adaptar a cidade aos impactos da mudança do clima e distribuir igualitariamente para a população os benefícios e ônus dessa mudança.

Dentro da estratégia de neutralizar as emissões de carbono até 2050, a prefeitura propõe ações como a de regulamentar os critérios de eficiência energética nas edificações; tentar reduzir as distâncias entre a casa e o trabalho para diminuir a demanda por transporte; fomentar o uso de bicicleta e substituir a frota de veículos do transporte público por veículos de emissões zero. Já entre as ações para adaptar a cidade estão a requalificação dos espaços públicos para favorecer a caminhabilidade e as atividades ao ar livre; e o mapeamento das áreas inundáveis.

Nas outras três estratégias estão previstas ações como a criação de um Plano de Contingência da Seca; a atualização do Plano de Contingência de Arboviroses; o combate ao desperdício de alimentos; a promoção do plantio de árvores nativas; a proteção das nascentes e dos cursos d’água; e a inclusão de aulas de educação ambiental nas escolas da rede municipal.

Segundo a secretária executiva do Comitê de Mudanças do Clima e Ecoeconomia,  Laura Ceneviva, a maior emissão de gás na cidade de São Paulo vem do setor de transporte, principalmente, pelo uso de combustível fóssil. Em segundo, vem a energia estacionária, com destaque para emissões decorrentes do consumo de eletricidade. Em terceiro, as emissões do setor de resíduos, como o lixo.

“As ações mais urgentes que a prefeitura de São Paulo tem tomado tem relação natural com a quantidade de emissões que nós temos. O maior setor [responsável pelas emissões na cidade] é o transporte. No caso de ônibus, [temos estimulado] a gestão de trânsito que favoreça a circulação de ônibus e o uso de outros modos de circular pela cidade que não sejam motorizados. Tudo isso já está em uso na cidade”, disse Laura.

Outra ação que a prefeitura paulistana já vem desenvolvendo, informou Laura, é a compostagem, reduzindo o envio de resíduos orgânicos para os aterros.

O PlanClima pode ser consultado na internet.

(Com informações de Agência Brasil)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter