Serviço SAMU completa 30 anos na capital paulista com alta avaliação

93% dos atendidos avaliaram com notas de 8 a 10 os quesitos gentileza e acolhimento por parte da equipe do serviço na capital paulista

Serviço SAMU completa 30 anos na capital paulista com alta avaliação, Jornal O São Paulo
Fotos: Prefeitura de São Paulo

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), da Prefeitura de São Paulo, comemora 30 anos neste mês. Desde a criação do serviço, em 1992, foram abertas cerca de 8,6 milhões de ocorrências. Trazendo a marca do pioneirismo, o Samu da capital implementou o Serviço de Avaliação de Qualidade (SAQ), que monitora a experiência dos munícipes durante todas as etapas do atendimento, desde o primeiro contato telefônico até a chegada do paciente ao hospital. De 18 a 31 outubro, foram realizadas pelo SAQ 459 pesquisas de avaliações de ocorrências atendidas, com aceitação de participação de 97% dos munícipes. Cerca de 93% avaliaram com notas de 8 a 10 os quesitos gentileza e acolhimento por parte da equipe.

O levantamento dessa primeira etapa da avaliação revelou ainda que 91% afirmaram que foram adequadamente informados durante o atendimento e 86% confiam no atendimento do Samu. Do número total destas ocorrências, 56% eram de casos considerados graves. O Samu utiliza esta ferramenta para aperfeiçoar continuamente o serviço e garantir maior satisfação durante o chamado e até a resolução de cada caso. O SAQ é uma parceria com empresa especializada em customer experience e atendimento ao cliente.

Homenagens

Para celebrar a data, o órgão realizou na noite de sexta-feira (25), na Câmara Municipal de São Paulo, uma cerimônia para homenagear os servidores. Foram cinco categorias de condecorações para os profissionais do serviço:

Os servidores que atuam no serviço desde o início do atendimento móvel, quando a denominação ainda era atendimento pré-hospitalar (APH); aqueles com mais de 60 anos de idade, que não se deixaram abalar com as imprevisibilidades da pandemia e permaneceram no serviço; os que ostentam os maiores reconhecimentos, que serão eleitos pelos próprios colegas de trabalho; os colaboradores que acumulam os três méritos citados, e por último, será feita uma homenagem póstuma a colaboradores falecidos.

Ana Midori Harada, enfermeira pós-graduada em atendimento de urgência e emergência no pré-hospitalar, que trabalha há 22 anos na intervenção, contou como é estar nas ocorrências e suas motivações para continuar em um trabalho tão desafiador. “Desde um atendimento simples até um caso muito grave, quando é feito com dedicação, dá a sensação de missão cumprida. Não é só vestir o uniforme, é acolher, ajudar e ouvir as pessoas”, detalha.

O secretário-adjunto municipal da Saúde, Maurício Serpa, lembrou que quando fala do Samu, é uma sensação mais do que nobre, pois, entra não só na casa, mas na vida de outras pessoas. “Vocês veem situações diariamente de risco, vulnerabilidade, chuva, sol, trânsito, todas as condições. Não existe horário, não existe dia, não existe momento para ir lá e salvar uma vida, dar atenção. Cada um que entra no Samu, nunca mais volta para casa igual”, lembrou Serpa.

“Eu não vejo uma pessoa falar mal do Samu. Todo mundo, tem aquela esperança: eu vou chamar o Samu para resolver, para vir aqui, e vai levar pro hospital, fazer isso ou aquilo. […] parabéns, vocês mudaram a saúde desta cidade”, disse a presidente do Cremesp, Irene Abramovich. A presidente ainda reiterou o pioneirismo do Samu por abrir as portas para a qualificação dos médicos residentes em São Paulo.

Participaram da mesa solene durante o evento na Câmara, além do secretário-adjunto municipal da Saúde, Maurício Serpa, representando o secretário municipal da Saúde, Luiz Carlos Zamarco, a secretária-executiva de gestão hospitalar, Marilande Marcolin, a diretora do Samu, Maísa Ferreira dos Santos, a vice-presidente do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP), Hérica Chagas, a presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), Irene Abramovich, o responsável técnico médico do Samu, Maurício Augusto e o responsável técnico de enfermagem, Carlos Eduardo de Paula. Também participou da sessão solene o vereador Aurélio Nomura, representando o vereador Alessandro Kikuti.

Serviço SAMU completa 30 anos na capital paulista com alta avaliação, Jornal O São Paulo

Números

O Samu recebeu somente neste ano, até o mês de outubro, mais de um milhão de ligações, e atendeu a 187 mil ocorrências. Até o dia 10 de novembro, foram atendidas 21.695 ocorrências com problemas respiratórios, 15.964 convulsões ou ataques epiléticos, 9.553 acidentes de trânsito e 5.409 acidentes vasculares cerebrais (AVCs) ou ataque isquêmico transitório (AIT). De todas as ligações recebidas pelo serviço, 25% são solicitações de urgências e emergências médicas.

Investimentos

Para melhor atender os cidadãos, o Samu mantém seus profissionais constantemente atualizados, por meio de cursos com base nos protocolos internacionais e simulados de incidente com múltiplas vítimas e treinamentos com manobras de suporte básico de vida. Contam, também, com capacitação de acordo com as melhorias tecnológicas e novos equipamentos.

Atendendo à resolução 688/22, do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), o auxiliar e técnico de enfermagem podem medicar pacientes em situações de hipoglicemia, asma grave e reação anafilática grave. Estes profissionais recebem treinamento com base nas práticas avançadas de enfermagem e fazem alguns procedimentos invasivos e aplicação de medicações acompanhados pelos médicos reguladores.

O Samu da capital paulista oferece aos seus profissionais uma exclusiva capacitação de acolhimento e qualificação, que permite ao enfermeiro aplicar durante o atendimento de ocorrência na Central de Regulação, garantindo assistência ao munícipe, mesmo via telenfermagem.

A unidade desenvolve, também, o Manual de Primeiros Socorros para Leigos, a fim de garantir orientações adequadas quanto a ação do munícipe frente a um caso de urgência e emergência, até a chegada da unidade móvel.

Qualquer cidadão pode se inscrever para receber o curso de primeiros socorros do Samu. Neste ano, um total de 742 profissionais leigos em saúde e munícipes em geral foram formados. A manifestação de interesse para inscrição deve ser feita pelo e-mail samueducacao@prefeitura.sp.gov.br.

“Os constantes aperfeiçoamentos realizados na central e a contínua melhoria das bases descentralizadas em 2020 e que trouxeram inúmero benefícios ao atendimento e ao trabalho dos profissionais do Samu, me dão muita alegria, mais força e orgulho. Temos uma central de ponta que faz a diferença no atendimento ao cidadão”, finalizou a diretora geral do Samu, Maisa Ferreira dos Santos.

Durante a cerimônia, Maisa dos Santos lembrou a sua trajetória no Serviço: “Minha vida inteira eu trabalhei buscando uma oportunidade de querer fazer alguma coisa que pudesse melhorar o serviço de saúde porque eu sou uma profissional que sempre trabalhei no SUS. […] eu gosto de colocar em prática as coisas que as pessoas precisam, e elas precisam do pré-hospitalar, mas sobretudo do sistema único de saúde, que deve ser bem cuidado, bem conduzido.”

A diretora ainda reiterou que o Samu, o Cobom e todas as outras forças têm que trabalhar integradas. “Nós devemos nos respeitar, cada um no seu papel, mas o serviço precisa ser bem executado porque a cidade de São Paulo precisa disso. E eu sou paulistana, nasci aqui, vivo aqui, eu amo essa cidade e vou dar o meu melhor para que a gente consiga fazer a assistência de saúde cada vez melhor”, disse.

Veja a lista dos homenageados no link: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/noticias/index.php?p=338497

Serviço SAMU completa 30 anos na capital paulista com alta avaliação, Jornal O São Paulo

Fonte: Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais
Pastoral da Saúde promove V Seminário sobre Políticas Públicas e em defesa do SUS

Deixe um comentário