Em mensagem, Papa fala sobre potencialidades e riscos das mídias digitais

Dirigindo-se aos participantes do Congresso Mundial da Associação Internacional Católica de Comunicação (Signis), Pontífice exorta que a sociedade ajude os jovens a usar as mídias com senso crítico

Em mensagem, Papa fala sobre potencialidades e riscos das mídias digitais
Reprodução disponível no Vatican Media em inglês

Nestes dias "marcados por novos surtos de violência e agressão", a paz também deve ser promovida no mundo digital, muitas vezes um lugar "tóxico, com discursos de ódio e fake news". É o que escreve o Papa Francisco na mensagem enviada aos participantes do congresso mundial da Associação Internacional Católica de Comunicação (Signis), confiando ao organismo essa missão a ser cumprida no âmbito virtual, mas que tem profundas repercussões na realidade atual.

O congresso está programado de 15 a 18 de agosto, em Seul, na Coreia do Sul, "uma terra cuja história de evangelização monstra o poder da palavra impressa e o papel essencial dos leigos na difusão do Evangelho". O Papa se refere a Santo André Kim Degun e seus companheiros mártires, desejando que sua história, de duzentos anos atrás, possa confirmar os participantes do encontro "em seus esforços de anunciar o Evangelho de Jesus Cristo na linguagem dos meios de comunicação contemporâneos".

UM POTENTE MEIO DE DIÁLOGO E COMUNHÃO

Não é um compromisso a ser subestimado, observa o Papa: "A revolução da mídia digital das últimas décadas mostrou ser um potente meio para promover a comunhão e o diálogo dentro de nossa família humana. De fato, durante os meses de confinamento devido à pandemia, vimos claramente como as mídias digitais podem nos unir, não apenas divulgando informações essenciais, mas também preenchendo a solidão do isolamento e, em muitos casos, unindo famílias inteiras e comunidades eclesiais na oração e no culto".

GRAVES QUESTÕES ÉTICAS

Ao mesmo tempo, o uso da mídia digital, particularmente as redes sociais, levantou uma série de "questões éticas graves" que exigem "um julgamento sábio e perspicaz por parte dos comunicadores e de todos aqueles que se preocupam com a autenticidade e qualidade das relações humanas".

Às vezes, "os sites da mídia tornaram-se locais tóxicos, com discursos de ódio e fake news", afirma o Papa Francisco, que identifica isso como um verdadeiro desafio a ser enfrentado através "da educação para os meios de comunicação e uma rede de meios de comunicação católicos e da luta contra mentiras e desinformação".

EDUCAR OS JOVENS

Esses esforços que os comunicadores da Signis são chamados a fazer recebem todo o apoio do Papa, que convida a prestar especial atenção "à necessidade de ajudar as pessoas, especialmente os jovens, a desenvolverem um senso crítico saudável, aprendendo a distinguir a verdade da mentira, o certo do errado, o bem do mal,  e valorizar a importância de trabalhar pela justiça, pela harmonia social e pelo respeito da nossa Casa comum".

INCLUSÃO DIGITAL

O Bispo de Roma também não esquece "as muitas comunidades do nosso mundo que permanecem excluídas do espaço digital": para elas também é preciso arregaçar as mangas, "tornando a inclusão digital uma prioridade" a fim de dar "uma contribuição significativa para a difusão de uma cultura de paz baseada na verdade do Evangelho".

ESCUTAR COM ‘O OUVIDO DO CORAÇÃO’

No documento, o Papa Francisco recorda sua Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2022, focada na escuta como "o primeiro e indispensável ingrediente do diálogo e da boa comunicação". Uma escuta a ser realizada com "o ouvido do coração". Aqui, esse "apostolado da escuta" pertence aos comunicadores católicos, escreve o Pontífice: "A comunicação, na verdade, não é apenas uma profissão, mas um serviço ao diálogo e à compreensão entre indivíduos e comunidades mais amplas, em busca de uma convivência serena e pacífica".

O CAMINHO SINODAL

A escuta, afirma Francisco, é "essencial" para o caminho sinodal empreendido por toda a Igreja nos últimos anos. "Escutar reciprocamente" e "crescer na consciência de participar de uma comunhão que nos precede e nos inclui", é o que deseja o Papa Francisco. Dessa forma, será possível "criar uma Igreja cada vez mais 'sinfônica', cuja unidade se expressa numa polifonia harmoniosa e sagrada", conclui o Papa.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário