Francisco em oração com migrantes: caminhar na história atraídos pelo sonho de Deus

Momento ecumênico foi a última atividade pública do Pontífice no Chipre. Ele segue para a Grécia, onde permanecerá até a segunda-feira, 6

Francisco em oração com migrantes: caminhar na história atraídos pelo sonho de Deus
Vatican Media

A oração ecumênica com os migrantes na Paróquia Santa Cruz, em Nicósia, na sexta-feira, 3, foi o último compromisso público do Papa Francisco na viagem apostólica em Chipre, iniciada na quinta-feira, 2.

“Sinto uma grande alegria por estar aqui com vocês e concluir a minha visita a Chipre com este encontro de oração", disse Francisco, agradecendo especialmente aos jovens migrantes pelos seus testemunhos.

O Pontífice afirmou que após ouvi-los, compreende-se melhor "a força profética da Palavra de Deus, que diz por meio do apóstolo Paulo: ‘Já não são estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos e membros da casa de Deus’".

“Esta é a profecia da Igreja: uma comunidade que – com todas as suas limitações humanas – encarna o sonho de Deus. Pois Deus também sonha, como você, Mariamie, que vem da República Democrática do Congo e se define ‘cheia de sonhos’. Como você, Deus sonha um mundo de paz, onde os seus filhos vivam como irmãos e irmãs”, comentou.

O ÓDIO POLUIU AS RELAÇÕES ENTRE CRISTÃOS

A seguir, Francisco disse que os testemunhos dos irmãos e irmãs migrantes "são como um ‘espelho’ para nós, comunidades cristãs”.

Thamara, que vem de Sri Lanka, disse que os migrantes não são "números, indivíduos a catalogar", mas "irmãos, amigos, fiéis, próximos uns dos outros". Maccolins, que vem dos Camarões, disse que durante sua vida, foi «ferido pelo ódio». "Ele nos lembra que o ódio poluiu também as nossas relações entre cristãos. E isto deixa marcas, marcas profundas que perduram por muito tempo. Trata-se de um veneno, do qual é difícil desintoxicar-se. É uma mentalidade distorcida que, em vez de nos fazer reconhecer como irmãos, faz-nos ver como adversários, como rivais", frisou o Papa.

CAMINHAR DO CONFLITO PARA A COMUNHÃO

Rohz, proveniente do Iraque, afirmou que é "uma pessoa em viagem". Segundo o Papa, o jovem mostra "que também nós somos comunidade a caminho, caminhamos do conflito para a comunhão.

“Neste caminho, que é longo e feito de subidas e descidas, as diferenças entre nós não nos devem causar medo, mas sim os nossos fechamentos e preconceitos, que impedem de nos encontrarmos verdadeiramente e de caminharmos juntos. Os fechamentos e os preconceitos reconstroem entre nós aquele muro de separação que Cristo derrubou, ou seja, a inimizade”.

"Jesus vem ao nosso encontro com o rosto do irmão marginalizado e descartado; com o rosto do migrante desprezado, repelido, engaiolado, mas também do migrante que está em viagem rumo a algo, rumo a uma esperança, rumo a uma convivência mais humana", disse ainda Francisco.

UMA HUMANIDADE SEM MUROS DE SEPARAÇÃO

O Papa ressaltou que Deus "nos chama também a não nos resignarmos com um mundo dividido, com comunidades cristãs divididas, mas a caminhar na história atraídos pelo sonho de Deus: uma humanidade sem muros de separação, libertada da inimizade, sem mais estrangeiros, mas apenas concidadãos".

Francisco concluiu, desejando que a ilha de Chipre, "marcada por uma dolorosa divisão", possa "se tornar com a graça de Deus um laboratório de fraternidade", onde o sonho de Deus "se traduza numa viagem diária, feita de passos concretos, do conflito à comunhão, do ódio ao amor".

Fonte: Vatican Media

Deixe um comentário