Papa Francisco: quem quiser ver Jesus, olhe para a cruz

No Angelus deste domingo, 21, o Papa disse que os cristãos devem dar testemunho com a própria vida doada em serviço

Fonte: Vatican Media

“Ainda hoje muitas pessoas, muitas vezes sem dizer isso, de forma implícita, gostariam de ‘ver Jesus’, encontrá-lo, conhecê-lo. Disso compreendemos a grande responsabilidade de nós cristãos e de nossas comunidades. Também nós devemos responder com o testemunho de uma vida que se doa no serviço. Uma vida que toma sobre si o estilo de Deus: proximidade, compaixão, ternura e se doa no serviço. Trata-se de plantar sementes de amor, não com palavras que voam para longe, mas com exemplos concretos, simples e corajosos”. Assim disse o Papa Francisco durante o Angelus deste domingo, 21, recitado na Biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano.

“Não com condenações teóricas, mas com gestos de amor”, disse.  O Senhor, com sua graça, nos faz dar frutos, mesmo quando o terreno é árido por causa de incompreensões, dificuldades ou perseguições ou pretensões de moralismos clericais: este é um terreno árido. Precisamente na provação e na solidão, enquanto a semente morre, é o momento, enfatiza o Papa, “no qual a vida brota, para produzir frutos maduros em seu próprio tempo”.

É neste entrelaçamento de morte e vida – continuou o Papa – é possível experimentar a alegria e a verdadeira fecundidade do amor que sempre se doa no estilo de Deus.

Para todo homem que quer procurar, Jesus “é a semente escondida pronta para morrer a fim de dar muitos frutos”, afirmou o Papa Francisco, que ilustrou com estas palavras o Evangelho em que São João relata um episódio ocorrido nos últimos dias da vida de Jesus, pouco antes de Sua Paixão. Enquanto se encontra em Jerusalém para a festa da Páscoa, alguns gregos expressam o desejo de vê-lo. Eles se aproximam do apóstolo Felipe e lhe dizem: “Queremos ver Jesus”.

A CRUZ EXPRESSA O AMOR

No pedido daqueles gregos, diz o Pontífice, “podemos discernir o pedido que tantos homens e mulheres, de todos os lugares e de todas as épocas, dirigem à Igreja”. Jesus responde ao pedido dos gregos com estas palavras: “Chegou a hora de o Filho do Homem ser glorificado”. […] “Se o grão de trigo cai na terra e não morre, permanece sozinho; mas se morre, dá muito fruto”. Para conhecer e compreender Cristo, explica Francisco, deve-se olhar “o grão de trigo que morre na terra”, deve-se olhar para a cruz.

Faz-nos pensar no sinal da cruz, – continuou o Papa – que ao longo dos séculos se tornou o emblema por excelência dos cristãos. Aqueles que querem “ver Jesus” hoje, talvez vindo de países e culturas onde o Cristianismo é pouco conhecido, o que eles veem antes de tudo? Qual é o sinal mais comum que eles encontram? O crucifixo. Nas igrejas, nos lares dos cristãos, até mesmo usado em seu próprio corpo. O importante é que o sinal seja coerente com o Evangelho: a cruz não pode deixar de expressar o amor, o serviço, o dom de si sem reservas: só assim é verdadeiramente a “árvore da vida”, da vida superabundante.

“Que a Virgem Maria nos ajude a seguir Jesus, a caminhar fortes e felizes no caminho do serviço, para que o amor de Cristo possa brilhar em todas as nossas atitudes e se torne cada vez mais o estilo de nossa vida diária”, concluiu o Papa.

Fonte: Vatican News

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter