Papa: Para Deus, nada é casual. A graça divina transforma a nossa vida

O Papa Francisco realizou sua última catequese antes da pausa de verão. De fato, durante todo o mês de julho estão suspensas as audiências públicas do Santo Padre

Vatican Media

“Paulo, verdadeiro apóstolo” foi o tema da segunda catequese do Papa dedicada à Carta aos Gálatas.

Na quarta-feira passada, ao inaugurar o novo ciclo, o Pontífice comentou as dificuldades enfrentadas pelo discípulo na obra de evangelização na Galácia. A sua intenção é muito clara: é necessário reafirmar a novidade do Evangelho, que os Gálatas receberam da sua pregação, a fim de construir a verdadeira identidade sobre a qual basear a própria existência.

De perseguidor a anunciador

Em primeiro lugar, Paulo sente-se obrigado a recordar que é um verdadeiro apóstolo não por causa do seu mérito, mas devido à chamada de Deus. Ele próprio conta a história da sua vocação e conversão, que coincidiu com o aparecimento do Cristo Ressuscitado durante a viagem a Damasco (cf. At 9, 1-9).

Paulo evidencia assim a verdade da sua vocação através do contraste flagrante que tinha sido criado na sua vida: de perseguidor dos cristãos porque não observavam as tradições e a lei, tinha sido chamado a tornar-se apóstolo para anunciar o Evangelho de Jesus Cristo. “Vemos que Paulo é livre: é livre para anunciar o Evangelho e também é livre para confessar os seus pecados. ‘Eu era assim’: é a verdade que dá liberdade ao coração, é a liberdade de Deus”, explicou Francisco.

Pensando nesta sua história, Paulo está cheio de admiração e gratidão. É como se quisesse dizer aos Gálatas que podia ter sido tudo menos apóstolo. No entanto, algo inesperado aconteceu: Deus revelou-lhe o seu Filho para que pudesse tornar-se o seu arauto entre os gentios (cf. Gl 1, 15-16).

Os caminhos do Senhor são imperscrutáveis 

“Quão imperscrutáveis são os caminhos do Senhor!”, disse o Papa. Tocamos esta experiência com as nossas mãos todos os dias, especialmente se pensarmos nos momentos em que o Senhor nos chamou.

Para Francisco, “nunca devemos esquecer o tempo e a forma como Deus entrou na nossa vida”: ter fixo no coração e na mente aquele encontro com a graça, quando Deus mudou a nossa existência.

“Quantas vezes, perante as grandes obras do Senhor, vem espontaneamente à mente a pergunta: como é possível que Deus se sirva de um pecador, de uma pessoa frágil e fraca, para realizar a sua vontade? E no entanto, não há nada de casual, porque tudo foi preparado no desígnio de Deus.”

Ele tece a nossa história, a Sua chamada envolve sempre uma missão à qual estamos destinados; por isso, nos é pedido que nos preparemos seriamente, sabendo que é o próprio Deus que nos envia e apoia com a Sua graça.

“Irmãos e irmãs, deixemo-nos conduzir por esta consciência: o primado da graça transforma a existência e a torna digna de ser colocada a serviço do Evangelho. O primado da graça perdoa todos os pecados, transforma os corações, transforma a vida, nos faz ver novos caminhos. Não nos esqueçamos disto. Obrigado.”

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter