Papa preside missa na Festa da Apresentação do Senhor e Dia Mundial da Vida Consagrada

“Contemplemos a paciência de Deus e imploremos a paciência confiante de Simeão, para que também os nossos olhos possam ver a luz da Salvação e levá-la a todo o mundo”, disse Francisco na homilia.

Vatican Media

Na festa da Apresentação do Senhor e Dia Mundial da Vida Consagrada o Papa Francisco presidiu nesta terça-feira, 2, a Santa Missa no Altar da Cátedra da Basílica Vaticana. Na sua homilia falou sobre a paciência de Deus. Iniciou com a paciência de Simeão: “Vejamos de perto a paciência de Simeão. Durante toda a vida, esteve à espera exercitando a paciência do coração (…). Caminhando com paciência, Simeão não se deixou quebrantar com o passar do tempo (…) não perdeu a esperança; com paciência, guarda a promessa, sem se deixar consumir de amargura pelo tempo passado nem por aquela melancolia resignada que surge quando se chega ao crepúsculo da vida”.

E Francisco explica que em Simeão “a expectativa do esperado traduziu-se na paciência quotidiana de quem, apesar de tudo, permaneceu vigilante até que, finalmente, os seus ‘olhos viram a Salvação’ (Lc 2, 30)”.

“Onde terá Simeão aprendido esta paciência? Recebeu-a da oração e da vida do seu povo, que sempre reconheceu, no Senhor, o Pai que mesmo em presença da recusa e da infidelidade não se cansa; antes, a sua ‘paciência suportou-os durante muitos anos’ ,para conceder sempre a possibilidade da conversão”

A paciência de Deus

Francisco continua:

“Assim, a paciência de Simeão é espelho da paciência de Deus. A partir da oração e da história de seu povo, Simeão aprendeu que Deus é paciente. E com a sua paciência, como afirma São Paulo, ‘convida à conversão’ (Rm 2, 4)”.  E esclarece explicando que há de ser sobretudo Jesus “a revelar-nos a paciência de Deus, o Pai que usa de misericórdia para conosco e chama até à última hora, que não exige a perfeição, mas a generosidade do coração”.

“O seu amor não se mede com os pesos dos nossos cálculos humanos, mas sempre nos infunde a coragem de recomeçar”

A nossa paciência

O Papa segue falando sobre “A nossa paciência” e explica:

“Não é simples tolerância das dificuldades nem suportação fatalista das adversidades. A paciência não é sinal de fraqueza: a fortaleza de ânimo torna-nos capazes de suportar a carga dos problemas pessoais e comunitários (…) impele-nos a caminhar mesmo quando nos assaltam o tédio e a preguiça”.

Três lugares onde se concretiza a paciência

Dirigindo-se particularmente aos consagrados sugere: “Gostaria de indicar três ‘lugares’ onde se concretiza a paciência”.

O primeiro é a nossa vida pessoal. Um dia respondemos o chamado do Senhor, oferecendo-nos a Ele com entusiasmo e generosidade. Ao longo do caminho, a par das consolações, tivemos também decepções e frustrações. Às vezes, o resultado esperado não corresponde ao entusiasmo do nosso trabalho”, porém adverte o Pontífice:

“Devemos ter paciência conosco e esperar, confiantes, os tempos e as modalidades de Deus: Ele é fiel às suas promessas. Lembrar-nos disto permite repensar os percursos e revigorar os nossos sonhos, sem ceder à tristeza interior e ao desânimo”

O segundo lugar onde se concretiza a paciência: a vida comunitária. As relações humanas, especialmente quando se trata de partilhar um projeto de vida e uma atividade apostólica, nem sempre são pacíficas (…), é preciso saber dar tempo ao tempo, procurar não perder a paz, esperar o momento melhor para uma clarificação na caridade e na verdade”.

“Lembremo-nos disto: o Senhor não nos chama para ser solistas, mas para fazer parte dum coro, que às vezes desafina, mas sempre deve tentar cantar em conjunto”

Paciência com o mundo

Enfim o terceiro “lugar”, a paciência com o mundo. Francisco diz que precisamos da paciência de Simeão e Ana para não entoar o lamento pelo que está errado, mas esperar com paciência a luz na obscuridade da história.

“Precisamos desta paciência, para não acabarmos prisioneiros das lamentações”

Concluindo o Santo Padre afirma:

“A paciência ajuda-nos a olhar com misericórdia para nós mesmos, as nossas comunidades e o mundo”.  E sugere uma auto conscientização: “Acolhemos nós a paciência do Espírito na nossa vida? Nas nossas comunidades, carregamo-nos mutuamente aos ombros e mostramos a alegria da vida fraterna? E, com o mundo, realizamos o nosso serviço com paciência ou julgamos com severidade? São desafios para a nossa vida consagrada: não podemos ficar parados na nostalgia do passado, nem limitar-nos a repetir sempre as mesmas coisas. Precisamos da paciência corajosa de caminhar, explorar novos caminhos, procurar aquilo que o Espírito Santo nos sugere”.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter