‘Comunhão e partilha” manterá ajuda à formação de 395 seminaristas de 46 dioceses

Dom José Valmor Cesar Teixeira, explica que a pandemia não afetou a solidariedade na Igreja no Brasil

CNBB

A Comissão Episcopal para a Comunhão e Partilha da Conferência Nacional dos Bispos Brasil (CNBB) encontrou-se na quarta-feira, 11, em sua segunda reunião do ano com o objetivo de fazer o planejamento da liberação dos recursos em 2021.

A primeira reunião do ano aconteceu dia 4 de fevereiro e focou na avaliação do projeto em 2020. No ano passado, mesmo com o contexto da pandemia, foram arrecadados R$ 3.089.000,00, distribuídos em 10 parcelas mensais de cerca de R$ 309.000,00 à 46 dioceses do Brasil. O total permitiu apoiar a formação de cerca de 400 seminaristas na filosofia e teologia. 

Em 2021, mesmo com a pandemia, a comissão estima atender o pedido de 46 dioceses, o que vai permitir a formação de quase 395 seminaristas. O bispo de São José dos Campos (SP) e presidente da Comissão Episcopal para a Comunhão e Partilha da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom José Valmor Cesar Teixeira, explica que a pandemia não afetou a solidariedade na Igreja no Brasil e o número de dioceses atendidas deve manter-se o mesmo do ano passado.

Participaram da reunião, os membros da comissão: o bispo de São José de Campos (SP), dom José Valmor Cesar Teixeira (presidente), o bispo de Formosa (GO), dom Adair José Guimarães, o bispo de Corumbá (MS), dom João Aparecido Bergamasco e representantes da CNBB, o bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral, dom Joel Portella Amado, o subscretário-adjunto geral, padre Dirceu de Oliveira Medeiros, o ecônomo monsenhor Nereudo Freire Henrique, e o assessor político e assessor do projeto padre Paulo Renato.

Como funciona o projeto Comunhão e Partilha

O projeto “Comunhão e Partilha” foi aprovado em 2012 na 50ª Assembleia Geral da CNBB, como uma resposta concreta do episcopado brasileiro às celebrações dos 50 anos do Concílio Vaticano II. É financiado com a contribuição mensal de 1% da renda ordinária das dioceses com melhores condições financeiras para a formação de seminaristas de filosofia e teologia de dioceses com menos recursos. Proposto por cinco anos, o projeto teve seu prazo estendido por mais cinco em votação unânime pelos bispos na 55ª AG em 2017.

As dioceses que recebem a ajuda são divididas em três grupos: A, B e C. O grupo A reúne as dioceses que possuem renda de R$ 10 mil reais. Estas recebem dois salários mínimos por seminarista. Já o grupo B agrupa as dioceses que conta com renda mensal de até R$ 20 mil reais; e o grupo C é formado pelas dioceses com renda de até 30 mil reais.

Dioceses beneficiadas pelo projeto “Comunhão e Partilha”

Ano                     Dioceses            Seminaristas
2012                      36                          110
2013/2014           44                          264
*2015                   48                          333
2016                      52                          403
2017                      48                          393
2018                     49                           431
2019                     47                           447
2020                     46                          400

*2015 é uma média pois o projeto não tem os dados atualizados.

(Com informações de CNBB)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter