Ecumênica, Campanha da Fraternidade 2021 destaca o diálogo para a busca da paz

CNBB

Pela quinta vez em sua história, a Campanha da Fraternidade será ecumênica. Sempre iniciada na Quarta-feira de Cinzas, a deste ano terá como tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor” e lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” (Ef 2,14a).

Assim como ocorreu nas edições de 2000, 2005, 2010 e 2016, a Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) é organizada pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), do qual a Igreja Católica Apostólica Romana participa.

O itinerário de reflexões no texto-base ressalta os discípulos de Emaús, para que, a exemplo deles, os cristãos aprendam que “o diálogo com Jesus faz o coração arder. E, se o coração arde em chamas pela Palavra, os pés partem em missão” (17).

O objetivo geral da CFE 2021 é que as comunidades de fé e as pessoas de boa vontade pensem, avaliem e identifiquem caminhos “para superar as polarizações e violências por meio do diálogo amoroso”, e, assim, testemunhem a unidade. Tais propósitos estão em sintonia com os caminhos que o Papa Francisco indica na encíclica Fratelli tutti para a construção de um mundo melhor: a fraternidade e a amizade social, assumidas como compromissos por todas as pessoas e instituições.

O texto-base da CFE 2021 aponta que Jesus Cristo nunca orientou seus discípulos a inimizades ou perseguições, mas, sim, para que promovam o diálogo (cf. 9), a fim de edificar novas relações humanas e sociais. Tais relações devem ser alicerçadas na caridade que leva cada um a assumir atitudes de compaixão, empatia e boa convivência com o próximo, o que só é possível quando as pessoas se abrem à conversão e autorreflexão, algo propício para o período da Quaresma, “40 dias dedicados à oração, ao jejum, à partilha do pão e à conversão pela revisão de nossas práticas e posturas diante da vida, do planeta e das pessoas” (13).

UM OLHAR PARA OS FATOS MAIS RECENTES

O primeiro convite da CFE 2021 é que o cristão olhe para os problemas atuais, como os decorrentes da pandemia de COVID-19, e observe se as alternativas e saídas propostas são coerentes com a Boa-Nova do Evangelho.

Diante das muitas indagações e incertezas que surgem nesse processo, as respostas “dependerão da percepção que temos do que está acontecendo no nosso interior, no planeta Terra e em nossos relacionamentos. Para compreendermos a realidade, precisamos, como os discípulos no caminho de Emaús, dialogar sobre os acontecimentos de nosso tempo, acolher diferentes percepções e assim superar o que nos divide” (38).

O texto-base menciona, ainda, alguns muros construídos historicamente no Brasil e que impedem a fraternidade e o diálogo: o racismo, as desigualdades econômicas, a dificuldade de conviver com opiniões diferentes e o desrespeito e ataque às instituições (cf. 42). Também se faz menção à intolerância religiosa, que é impulsionada para justificar a prática da violência (cf. 90).

DIALOGAR PARA SUPERAR OS MUROS

Na segunda parte do texto-base, são recordadas as origens das comunidades cristãs e dos valores da fé. Quem assumia a mensagem do Evangelho se comprometia com um novo modo e sentido da vida, que não se orientava mais pela violência, pelas exclusões e discriminações. A opção pelo Evangelho trazia consigo a busca pela compreensão mútua e um processo de conversão, que resultava na construção de “um mundo de comunhão na gratuidade do amor de Deus, que acolhe e perdoa” (102).

Ao longo da expansão do Cristianismo, o apóstolo Paulo orientou as primeiras comunidades a viver a unidade cristã (cf. 109), tendo como princípio que “Jesus Cristo é o centro da fé e unifica a comunidade, apesar das diferenças, pois convoca à experiência do amor que nos une… [para que] experimentemos os sinais do Reino de Deus entre nós: o amor, a benevolência, o perdão, a liberdade e a graça (Ef 1,3-8)”, (112).

O lema da CFE 2021 – “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unida- de” (Ef 2,14a) – reforça que a fé cristã não deve ser motivo para divisões e conflitos, mas, sim, para a convivência e o diálogo (cf. 114).

Em Cristo, está a esperança para o estabelecimento definitivo da fraternidade e da paz (cf. 120). “O Evangelho da graça e da misericórdia revela-se como a força de Deus, que derruba os muros do preconceito que separam os judeus dos gentios. Graças ao fim das divisões, as pessoas podem sentar-se em torno de uma mesa comum e partilhar juntas o pão! O apóstolo Paulo ressalta (Gl 2,11-21) que a fé em Jesus Cristo não coaduna com a ideia de que haja sequer a possibilidade de algum grupo agir com superioridade em relação a outro” (125). Nesse sentido, a paz que brota da fé em Cristo permite superar a inimizade e o ódio e promover a unidade (cf. 131).

Nessa perspectiva, a experiência ecumênica “nos possibilita conviver e aprender com irmãos e irmãs de diferentes confissões, com isso criamos pontes entre as confessionalidades” (135). “Em Cristo, a Boa-Nova de paz é oferecida para todas as pessoas, a fim de se construir uma nova humanidade, que não esteja dividida nem orientada pela violência, mas animada e alicerçada no amor, na graça de Deus e na unidade que se realiza pelo Espírito Santo (Ef 2,18)” (136). Os cristãos, como herdeiros do Mistério revelado, devem estar inegrados na construção do Reino de Deus, a partir dos dons que Ele concedeu a cada pessoa, “para que a casa comum seja um ambiente seguro e feliz para todos os seres vivos” (138).

BOAS PRÁTICAS DE CAMINHADA ECUMÊNICA

A terceira parte do texto-base fala de algumas boas práticas de caminhada ecumênica no Brasil, coordenadas pelo Conic, como a Semana de Oração pela Unidade Cristã– em que as Igrejas cristãs, com suas diferentes especificidades, unidas em oração, celebram os dons do Espírito Santo; e a realização de missões ecumênicas, geralmente em territórios de conflito.

“Essas boas práticas nos ensinam que a evangelização e a missão são constitutivas do testemunho das Igrejas. Proclamar a Palavra de Deus e dar testemunho ao mundo é essencial para todos os cristãos e cristãs. No entanto, esta proclamação pre- cisa estar profundamente alicerçada nos princípios evangélicos, com pleno respeito e amor ao próximo e à criação”, consta em um dos trechos.

CELEBRAR

Por fim, é apresentado o roteiro para uma celebração ecumênica – presencial ou on-line – com vistas ao fortalecimento do diálogo ecumênico e da paz entre os povos, culturas e Igrejas. Um dos destaques é a proposta de que se confeccione um muro penitencial, alusivo à CFE 2021, que motiva “a vencer os muros que nos se- param e a construir redes que possam nos unir como comunidades, povo de Deus”.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter