Há 30 anos, Irmãs Paulinas mantêm centro de promoção humana na zona Sul

Centro Irmã Tecla Merlo atende gratuitamente crianças, adolescentes, jovens, idosos e família

CPHTM

Ainda na década de 1980 e início dos anos 1990, as Irmãs Paulinas já vivenciavam a “Igreja em saída” e se propuseram a fazer trabalhos pastorais em regiões de maior vulnerabilidade, sobretudo na cidade de São Paulo.

“Havia um trabalho pastoral em São Miguel Paulista e as Irmãs também realizavam trabalhos aos fins de semana no Grajaú. Com o passar dos anos, surgiu a necessidade de um espaço para realizar a doação de cestas básicas. E, assim, a Irmã Carmita Santana começou a distribuição das cestas na Rua Dona Belmira Marin, local cedido gratuitamente por Luiz e Nilza, membros da comunidade”, contou Irmã Renilda Formigão, 54, Conselheira Provincial para o Apostolado.

Com o passar do tempo, as Irmãs constataram a necessidade de fazer um trabalho de promoção humana. Um imóvel foi adquirido para o atendimento às famílias. Com o aumento constante da demanda, as Irmãs Paulinas compraram outro terreno próximo, onde foi construído um espaço mais adequado para o atendimento de crianças e adolescentes. E assim, em 1992, nasceu o Centro de Promoção Humana Irmã Tecla Merlo (CPHTM), que ampliou as atividades e hoje atende gratuitamente os mais diversos públicos.

Uma referência na zona Sul

Situado na zona Sul de São Paulo, o CPHTM executa programas de proteção social básica voltados para o desenvolvimento da promoção humana, da cidadania e inclusão social de famílias, crianças, adolescentes e idosos que vivem em situação de vulnerabilidade ou risco pessoal e social.

“O objetivo é garantir um espaço de referência de convívio para as crianças e adolescentes, assegurando a ampliação do universo informacional e cultural, estimulando a participação na vida da comunidade e reafirmando o sentido de pertença e a compreensão da esfera em que vivem”, explicou Irmã Renilda.

O CPHTM é totalmente mantido pelas Irmãs Paulinas com recursos próprios provenientes de sua missão evangelizadora com a Comunicação, mais especificamente por meio dos recursos oriundos das livrarias e trabalhos de assessorias das Irmãs e colaboradores. “Também contamos com a ajuda de benfeitores que esporadicamente fazem doações”, disse Irmã Renilda, que destacou ainda a presença de profissionais qualificados que atuam na execução das atividades, como psicólogos, fonoaudiólogos pedagogos, psicopedagogos, orientadores de esportes, professores e assistentes sociais. A responsável é a Irmã Carmita Santana, que possui formação acadêmica na área de Serviço Social, com especialização em Antropologia Humana.

Com atividades de segunda a sexta- -feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h, o centro tem capacidade de atendimento para aproximadamente 900 pessoas.

Desenvolvimento integral

Ana Paula da Cruz, 43, é coordenadora pedagógica e atua no centro social há 23 anos. “Entrei como pedagoga, atendendo somente em sala de aula. Hoje, além da coordenação ao lado da Irmã Carmita, sou psicopedagoga, atendo crianças com dificuldades de aprendizagem e grupos de mães, pois acredito que, se não fizermos um trabalho com as famílias, não conseguiremos atingir nosso objetivo”, disse em entrevista.

A coordenadora explicou que o trabalho com crianças busca ser uma extensão da escola, ajudando-as com reforço escolar, arte, esporte e capoeira, para que se tornem cidadãos melhores.

“Não é diferente com nossos adolescentes, para os quais, além da informática que já os prepara para o mercado de trabalho, também há aulas de artes e esporte, atividades que os auxiliam no controle da ansiedade e criam um espaço em que podem ser protagonistas da própria história”, continuou.

Apaixonada pelo que faz, sobretudo no que se refere às atividades com as famílias, Ana Paula afirma que não há nada mais gratificante, profissional e humanamente, que sentir o retorno das famílias, que se engajam no centro social e possibilitam que as crianças e os adolescentes se desenvolvam integralmente, de maneira saudável e com muitas perspectivas para o futuro.

Oportunidade e gratidão

Mateus Leal Guimarães Sales, 32, passou pela obra social das Irmãs Paulinas. “O Centro de Promoção Humana Irmã Tecla Melo foi fundamental para a minha vida. Foi lá que fiz cursos e formações que mudaram minha história, que me iniciaram e despertaram minha vocação para as áreas de tecnologia e empreendedorismo, em capacitações como Office, hardware, internet e html”, disse.

Para ele, os cursos aos quais teve acesso foram o incentivo que todo adolescente precisa para iniciar sua carreira. “Com a ajuda do professor João Paulo, tive lições valiosas não só de informática, mas, também, de mercado de trabalho e negócios. A partir dali, pude dar continuidade aos estudos e me formei em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, trabalhando como desenvolvedor”, explicou.

“Posteriormente, por indicação da Irmã Carmita, que sempre me apoiou muito, trabalhei por quase dez anos com as Irmãs, aperfeiçoando-me no ramo editorial. Durante este período, fiz um networking muito importante, que hoje me permite ter uma segurança financeira. Digo que foi um divisor de águas na minha vida, essencial para a minha formação pessoal e profissional”, disse Sales.

COLABORE

O CPHTM recebe doações em dinheiro por meio do PIX – 61.725.214/0036-40 (Banco Itaú – Ag. 0081 c/c 91408-7) e doação de alimentos não perecíveis, que podem ser entregues na Rua Onze, nº 32, Grajaú, Parque América – CEP 04822-270; Telefone (11) 5973-6892.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter