Em carta, participantes de Mutirão de Comunicação reforçam compromisso de comunicar de modo integral e ético

12ª segunda edição do Mutirão de Comunicação divulgou a Carta de Belo Horizonte, um documento que sintetiza os principais temas, questões e compromissos

CNBB

Depois de dois dias de reflexões, espiritualidade, encontro e arte, dias 23 e 24 de julho, num encontro que reuniu mais de 5.000 comunicadores católicos de todo o Brasil, a 12ª segunda edição do Mutirão de Comunicação divulgou a Carta de Belo Horizonte, um documento que sintetiza os principais temas, questões e compromissos em torno de uma perspectiva de comunicação católica e cristã no país.

A carta foi firmada pelas organizações que promoveram o Mutirão: Comunicação Episcopal Pastoral para a Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Pascom Brasil, a Signis Brasil e a Rede Católica de Rádio.

O documento reforça que os processos comunicacionais ganham cada vez mais relevância na vida social, “alçados velozmente às telas dos diversos tipos de dispositivos e plataformas”. O texto fala também dos atos de violência física e simbólica como tentativa de opressão e apagamento das diversidades e minorias.

Para superar os problemas enfrentados pelo Brasil, sobretudo os do âmbito da comunicação, a Carta de Belo Horizonte propõe um conceito de comunicação mais amplo, que passa pela “verdadeira disposição em abrir-se ao outro como condição essencial para um mundo mais fraterno.

A carta faz uma clara referência aos alertas do Papa Francisco na encíclica Fratelli Tutti: “o diálogo social autêntico inclui a capacidade de respeitar o ponto de vista do outro, admitindo a possibilidade de que nele contenha convicções e interesses legítimos (…). O debate público, se verdadeiramente der espaço a todos e não manipular nem ocultar informações, é um estímulo constante que permite alcançar de forma mais adequada a verdade ou, pelo menos exprimi-la melhor”.

As organizações convocam os cristãos católicos a uma comunicação integral como compromisso ético de atuação. “Olhar nos olhos e pelos olhos do outro, em sua diversidade e em sua condição real. Só é possível realizar esta missão fazendo-se testemunha e produzindo testemunhos empáticos que considerem e viabilizem o outro”, convida o texto. No documento, a Comissão organizadora reitera a confiança de que a comunicação seja cada vez mais indutora de uma sociedade transformada, verdadeiramente livre e fraterna.

Acesse a íntegra do documento: Carta de Belo Horizonte Mutirão de Comunicação 2021

(Com informações de CNBB)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter