O que significa a afirmação ‘Fora da Igreja não há salvação’?

Santa Se Vaticano
Basílica de São Pedro (reprodução da internet)

“Extra ecclesia nula salus” (“Fora da Igreja não há salvação”). Essa afirmação repetida por inúmeros padres da Igreja, muitas vezes, é adotada para enfatizar a separação ao invés da unidade da Igreja. O Catecismo da Igreja Católica (CIC) dedica três parágrafos (846 a 848) para explicar essa expressão, destacando que ela é formulada de maneira positiva, significando que “toda a salvação vem de Cristo-Cabeça por meio da Igreja, que é o seu corpo”. O texto cita, ainda, a constituição dogmática Lumen gentium, do Concílio Vaticano II, para explicar que a “Igreja peregrina na terra, é necessária à salvação”, e que Cristo, “único mediador e caminho da salvação”, confirmou a necessidade desta, “na qual os homens entram pelo Batismo”.

Ao mesmo tempo, o Catecismo ressalta que tal afirmação não é destinada àqueles que, “sem culpa, desconhecem Cristo e sua Igreja” e não para se dirigir àqueles que pertencem a outra tradição religiosa ou a cristãos que não estão em plena comunhão com a Igreja Católica. 

Ao citar o decreto conciliar Ad Gentes, o Catecismo salienta que aqueles que “sem culpa ignoram o Evangelho de Cristo e sua Igreja, mas buscam a Deus com o coração sincero e tentam, sob o influxo da graça, cumprir por obras a sua vontade conhecida por meio do ditame da consciência, podem conseguir a salvação eterna”. Por outro lado, o documento enfatiza que, mesmo assim, “cabe à Igreja o dever e também o direito sagrado de evangelizar todos os homens”.

LEIA TAMBÉM:
Qual é a origem da Igreja Católica?

Unidade 

Portanto, tal frase se destina àqueles que, conhecendo a fé no Cristo por meio da Igreja, renegam-na, seja pela apostasia, seja pela heresia. Essa afirmação foi feita pela primeira vez no século III, pelo Bispo Cipriano de Cartago, em seu tratado sobre a unidade da Igreja, em uma época em que os cristãos se debruçavam sobre a chamada polêmica dos lapsi (“lapsos” ou “caídos”). Eram assim chamados aqueles que rompiam com a fé por causa da perseguição e, diante de ameaças do Império, não apenas renunciavam à fé cristã como delatavam seus irmãos de comunidade.

O que significa a afirmação ‘Fora da Igreja não há salvação’?
Pintura de Jesus Bom Pastor, na Catacumba de Priscilla, em Roma

Havia uma doutrina que consentia aos bispos reconciliar os apóstatas arrependidos após adequada penitência. Porém, não existia um consenso para o caso específico dos lapsi. Essa polêmica teve como consequência dois Cismas: de um lado, o dos laxistas, que defendiam a readmissão dos apóstatas indistintamente, sem um caminho penitencial; do outro, os rigoristas, que consideravam que os lapsi não deveriam ser readmitidos de forma alguma.

Cipriano, então, exorta os fiéis a não abandonarem o único rebanho de Cristo para seguir aqueles que deste se separaram, criando comunidades próprias, e afirma ser neste único rebanho, a Igreja, que está a vida do Espírito e sua unidade, fundada no Cristo e expressa na comunhão dos e com os apóstolos, sendo os bispos os que zelam por essa unidade. “Como ninguém pode se salvar fora da arca de Noé, assim ninguém se salva fora da Igreja”, escreve o Bispo de Cartago, ressaltando que a única forma de aqueles que renegaram a fé serem salvos é sendo acolhidos novamente na Igreja que os gerou para Cristo.

Deixe um comentário