A importância dos hábitos na primeira infância

Como já é de conhecimento de todos, o processo de aprendizagem é fundamental na vida da pessoa. O ser humano é o animal que nasce menos pronto, ou seja, menos guiado por instintos e, por isso mesmo, precisa aprender a viver. 

Quando observamos a maioria dos animais, percebemos, com clareza, que sabem o que e como fazer. Tive a experiência de observar o parto de uma cachorrinha que adotamos aqui em casa: ela começou a ter um comportamento “estranho”, fez um enorme buraco na terra, num cantinho escondido do quintal, ficava lá bastante tempo. Quando comentamos com a veterinária, ela logo disse: “Em breve, ela dará cria”. E assim foi: nasceram os cachorrinhos e ela cuidava deles naturalmente, sem precisar de ajuda. Isso é viver de instinto – tudo está genética e biologicamente programado e o animal age em decorrência dessa programação. 

Com a criança, no entanto, não é assim: praticamente precisa aprender tudo o que diz respeito à vida: andar, comer, sentar, falar, enfim, viver. Isso é possível porque somos seres racionais. Não somos conduzidos por instintos, mas, sim, pela razão. 

Exatamente pelo fato de o ser humano ter inteligência e nascer tão pouco “pronto” é que pode chegar tão longe – a pessoa tem um enorme potencial e um caminho imprevisível a priori. Tudo dependerá de seu processo de aprendizagem, de sua estimulação familiar, de sua história de vida. 

Se quisermos levar nossos filhos ao máximo de seu potencial, precisamos começar a educá-los desde o início da vida. Ajudá-los a crescer em todos os aspectos, especialmente em inteligência, vontade e afetividade. 

Um dos modos de começar esse rico processo de educação é transmitir bons hábitos. Na primeira infância, os principais hábitos são: sono, alimentação, higiene e ordem. Na verdade, como são muito pequenos e inaptos a aprenderem racionalmente sobre o mundo, ensinamos-lhes os hábitos, fazendo com que aconteçam de modo saudável e natural na rotina dos pequenos. 

O sono e a alimentação são hábitos que se adquirem quase que em conjunto – um bebê que dorme bem, descansa o número de horas necessárias, acaba se alimentando bem e vice-versa. Por isso, é muito importante iniciarmos a educação em relação ao sono desde cedo: colocar o bebê para dormir num local adequado, sem luz, sempre no mesmo horário, cuidando para que não desperte durante a noite. Hoje em dia, é muito comum os pais adaptarem a rotina dos filhos às suas necessidades de trabalho, mas, se fizerem sempre assim, não criarão um hábito saudável para os pequenos. Outro risco dos nossos tempos é que os pais digam: “Ele não consegue dormir cedo, ele é noturno”. Outro grande erro: o bom hábito do sono precisa ser criado, independentemente do querer da criança. Mesmo que não sinta sono no horário adequado estipulado pelos pais, a criança deve ser levada para a cama sempre no mesmo horário e ser introduzida numa rotina de sono: pouca luz, uma oração, canção, história ou outro recurso que a família considere melhor, ela acabará conseguindo pegar no sono nesse horário. 

Importante: toda virtude requer repetição para ser aprendida e, assim, se configurar um hábito. É preciso que os pais sejam constantes para introduzi-lo. Se tentarem algumas vezes e desistirem, as crianças não o acolherão. Repetir, repetir e repetir – esse é o segredo para estabelecer um hábito. Não se deixem levar por choros, chantagens e resistências: eles são esperados e fazem parte da situação. O importante é que os pais tenham clareza do bem que um bom hábito traz para a vida e sejam firmes para determiná-lo. 

Igualmente importante: não se iludam acreditando que não é preciso criar os hábitos tão cedo, achando que, quando forem maiores e compreenderem melhor as coisas, as crianças os observarão. Quando crescem sem cultivar esses hábitos, torna-se muito mais difícil adquiri-los depois, por mais que entendam sua importância. Além do mais, sempre se coloca em risco o valor desses hábitos – afinal, se eram tão importantes assim, por que os pais não os transmitiram desde pequenos?

Os pais são os protagonistas, os primeiros e principais educadores dos filhos. Os valores que não forem ensinados em casa, na relação familiar cotidiana, dificilmente serão aprendidos no futuro. Vale a pena o empenho em formar bem os filhos!

Simone Ribeiro Cabral Fuzaro é fonoaudióloga e educadora. Mantém o site www.simonefuzaro.com.br. Instagram: @sifuzaro.

Colunas Relacionadas

spot_img

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter