Confira nossa versão impressa

Riquezas da quarentena: reflexões sobre trabalho profissional e familiar

O trabalho é parte integrante da vida do homem. Desde sempre, a sociedade foi marcada pelo trabalho como forma de suprir as necessidades básicas de alimentação, vestimenta, de garantia de sobrevivência. Com o tempo, as relações de trabalho foram se modificando, se ampliando e ganhando dimensões diferentes.

Segundo São João Paulo II, “é mediante o trabalho que o homem deve procurar o pão cotidiano e contribuir para o progresso contínuo das ciências e da técnica, e, sobretudo, para a incessante elevação cultural e moral da sociedade, na qual vive em comunidade com os próprios irmãos. E com a palavra trabalho é indicada toda a atividade realizada pelo mesmo homem, tanto manual quanto intelectual, independentemente das suas características e das circunstâncias, quer dizer, toda a atividade humana que se pode e deve reconhecer como trabalho, no meio de toda aquela riqueza de atividades para as quais o homem tem capacidade e está predisposto pela própria natureza, em virtude da sua humanidade” (Encíclica Laborem exercens). Tomado do ponto de vista dessa capacidade humana peculiar, o trabalho tem uma dignidade ampla e fundamental – com ele e por meio dele, aperfeiçoamo-nos e melhoramos o mundo e a sociedade em que vivemos.

Neste momento de pandemia, em que estamos conciliando diferentes trabalhos – os profissionais e os familiares –, temos um campo fértil para reflexões importantes e que trazem à tona valores fundamentais. Não podemos negar que a sociedade moderna atribui valor e status ao homem por sua capacidade de trabalho, ou seja, quanto mais alto o cargo, mais valor tem a pessoa. Isso gera uma corrida na qual já não se identifica se o trabalho está a serviço do homem ou o homem do trabalho.

Segundo Bruna Barcelos, em sua dissertação de mestrado (2009), “a vida inteira de uma pessoa passa a girar em função do trabalho [acrescento: profissional]. Atualmente, quando uma criança nasce, ela já começa a ser preparada para o mercado de trabalho: mal aprende o português e já está fazendo cursos de línguas, computação e diversas atividades extracurriculares que a auxiliarão na busca de um futuro emprego. Assim como a linha de montagem de um produto, a vida do homem contemporâneo começa com a sua formação para o mercado de trabalho (escola e faculdade), passa por momentos de testes (estágios) e, então, ele é absorvido pelo mercado, efetivando-se em um emprego. Quando chega ao fim de sua capacidade produtiva, o homem é descartado e substituído, ficando à margem do processo (aposentadoria)”.

Não é verdade que, lendo essa definição, esvazia-se a grandeza e a dignidade do trabalho humano, pois nos vemos identificados com os produtos, e não com a capacidade criadora e transformadora que o trabalho possibilita?

Quantas e quantas famílias não estão se sentindo absolutamente perdidas no desafio de conciliar o trabalho profissional com o familiar nesta situação extrema que estamos vivendo. Afinal, a importância do trabalho profissional acaba por se agigantar na medida em que promove o sustento material e o status social. E não seria o trabalho familiar, estritamente ligado ao serviço ao outro (educativo, formativo, afetivo), de extrema importância social também? Como ensinar aos filhos a importância, a dignidade do trabalho, se ele estiver estritamente vinculado ao “ganhar o sustento”? Nós mesmos não estamos desmerecendo nosso trabalho profissional ao colocarmos como objetivo fundamental o valor financeiro que ele nos traz?

Sim, essa é uma equação difícil para todos nós, que fomos forjados nessa mentalidade moderna e utilitarista, que produz não somente mercadorias, mas também subjetividades – produz necessidades, relações, corpos e mentes…

Se queremos resgatar a grandeza e a dignidade próprias do trabalho humano, é preciso rever nossos conceitos, nossos valores e nossas condutas. Esta pandemia tem escancarado algumas verdades: o emprego passa – nele somos absolutamente substituíveis. Nossa família não – nela somos únicos, irrepetíveis, importantes pelo que somos! Nosso trabalho é muito mais do que o nosso emprego, tem um valor transformador enorme! Que nossos filhos percebam o verdadeiro valor do trabalho humano mediante nossa seriedade e dedicação com nossos afazeres profissionais e familiares, equilibrados e ricos de sentido.

Colunas relacionadas

Comentários

  1. Muito boa reflexão, porém difícil disceminar, na vida cada um é levado a uma direção o que precisamos é escolher o caminho que lá na frente não vire um arrependimento, isso porque não volta mais.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

São Pio de Pietrelcina: a mensagem de um santo do nosso tempo

A Igreja celebra, em 23 de setembro, a memória de São Pio de Pietrelcina, um santo sacerdote do nosso tempo, falecido em...

Bem-vindo, Dom Ângelo!

No dia 19 de setembro, Dom Ângelo Ademir Mezzari, nomeado pelo Papa Francisco como Bispo da sede titular de Florentino e Auxiliar...

Cinema: Em Defesa de Cristo

The Case For Christ – no Brasil, “Em Defesa de Cristo – é um filme norte-americano dirigido...

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Newsletter