Deve-se aceitar a união entre pessoas do mesmo sexo?

Recebi a seguinte pergunta da Jesuíta, da Freguesia do Ó: “Padre, está certo o casamento de homem com homem ou mulher com mulher?”.

Jesuíta, claro que não está certo. Nossa fé nos afirma que Deus criou o homem e a mulher um para o outro, para que, numa comunhão de amor, eles formem uma família, gerem filhos e garantam a cada vida que nascer dos dois o acolhimento, o amor, a formação, os direitos todos da pessoa. Então, minha querida irmã, jamais a Igreja aceitará uma união homoafetiva, por ser uma união que pode ser aberta ao amor, mas não à vida.

Entretanto, ao nos ensinar esta verdade, Jesuíta, a Igreja não deixa de ser a mãe afetuosa de todas as pessoas, inclusive daqueles que têm uma opção sexual diferente. Seria um contratestemunho da Igreja, que se afirma como mãe, não gritar contra a discriminação, contra a violência. Pior ainda quando essa discriminação se afigura em assassinatos e mortes, afinal, somos filhos do Deus da vida. 

Os casos de rejeição e perseguição têm aumentado. E muitos discípulos de Jesus não querem entender que nenhuma pessoa deixa de ser pessoa ou é destituída de sua dignidade por sua sexualidade. Enquanto eu pensava nesta resposta a você, eu me lembrei do apóstolo Filipe evangelizando um eunuco (cf. At 8,26-39). E preste atenção que foi um anjo que enviou Filipe até ele. Pense nisso, minha querida irmã.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter