Confira nossa versão impressa

‘Eu estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo’ (Mt 28,20)

SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR 24 DE MAIO DE 2020

Na Ascensão, Jesus não se afastou deste mundo. Continua vivo e presente entre nós, mas de uma maneira diversa. Os Atos dos Apóstolos narram assim esse acontecimento: “Uma nuvem o ocultou de seus olhos” (At 1,9). Ele continua conosco, porém, de modo invisível. Isso acontece primeiramente na Hóstia consagrada, na qual Jesus está, inclusive fisicamente, em corpo, sangue, alma e divindade. Além disso, no entanto, é Ele quem age nos demais sacramentos; quem fala quando a Igreja ensina o Evangelho; quem atua nas obras de caridade dos cristãos.

Dizer que Cristo “está sentado à direita do Pai” significa que o seu Corpo ressuscitado – o mesmo que recebemos na Comunhão – já entrou na glória. Ele está “bem acima de toda a autoridade, poder, potência e soberania” e possui “tudo sob os seus pés” (Ef 1,20-22). Mas não está longe! Pois prometeu: “Eis que estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20).

Paradoxalmente, na Ascensão, o Senhor “se foi” para estar ainda mais próximo. Não apenas na Galileia e na Judeia, mas, em todas as igrejas do mundo onde uma lâmpada arde ao lado do sacrário, ali está o Senhor! Em todas as missas, ali está o seu único sacrifício! Em todas as Confissões, é Ele quem diz: “Eu te absolvo”. Em cada alma em graça, Ele é o hóspede. Tudo isso sem restrições de tempo e lugar.

Seria falta de humildade não reconhecer que tudo o que há de verdadeiramente santo e bom neste mundo – como os sacramentos e a vida dos santos – é, em última análise, uma obra de Jesus Cristo. Pois o mesmo Senhor que disse “sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5), continua vivo na sua Igreja, conferindo-lhe eficácia e fidelidade. Aquela força que, segundo o Evangelho, “saía Dele e curava a todos” (Lc 6,19), levando a multidão a comprimi-lo para ao menos tocar a orla do seu manto, continua em plena eficácia. Essa ação silenciosa é o que leva a Igreja adiante.

Além disso, o Senhor subiu aos céus para que permaneçamos com Ele também depois desta vida! Na Última Ceia, Ele havia dito: “Eu vou preparar-vos um lugar” (Jo 14,2). Quando o seu corpo glorificado se sentou no trono celestial reservado ao Filho de Deus, a natureza humana adquiriu um espaço no céu. E esta nossa natureza “um pouco menor do que os anjos”, que o Verbo assumiu, foi finalmente “coroada de honra e glória” (Hb 2,7). Portanto, Ele foi porque quer que estejamos com Ele!

Obrigando-nos a crer sem ainda ter visto o Senhor, a Ascensão serve para aumentar a nossa fé. Torna a nossa esperança e a nossa caridade mais sobrenaturais, pois nos ensina a viver com o desejo direcionado para o céu. De lá, o Senhor retornará, para julgar vivos e mortos, e para nos fazer participar com Ele da vida eterna. Afinal, “a nossa pátria está nos céus, de onde também esperamos ansiosamente, como Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transfigurará nosso corpo humilhado, conformando-o ao seu corpo glorioso” (Fl 3,20s).

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Colunas

A Virgem Maria foi assunta em corpo e alma à glória celestial

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA 16 DE AGOSTO DE 2020 Para ser Mãe de Deus, Nossa Senhora recebeu...

Mulher, grande é a tua fé!

O evangelista Mateus reproduz um exemplo de fé que se dá entre Jesus e uma mulher cananeia. Na cena, Jesus está a...

‘Por que o padroeiro dos padres é o Cura d’Ars?’

A Nair de Carvalho, de Areado (MG), quer saber mais sobre a história de São João Maria Vianney, o padroeiro dos sacerdotes.

Não ardia o nosso coração?

“Não ardia nossos corações enquanto Ele falava pelo caminho?” (Lc 24,32). A frase, pronunciada pelos discípulos de Emaús, no retorno de Jerusalém...

Família: imagem do amor de Deus

Nesta semana em que fazemos no Brasil especial memória e oração pela família, convém recordarmos mais uma vez o papel da família...

Newsletter