Confira nossa versão impressa

‘Manso e humilde de coração’

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM 5 DE JULHO DE 2020

Antes de sua conversão, Santo Agostinho – homem erudito e com enorme talento literário – não dava importância aos Evangelhos, pois os considerava simples demais. Mais tarde, perceberia que a simplicidade é uma de suas notas mais belas e que somente uma obra tão simples poderia conter palavras de Deus. Com reverência e desejo de santidade, é possível descobrir, por trás da simplicidade do texto sagrado, uma mensagem profundíssima.

Deus é transcendente, misterioso, e poucos O conhecem a fundo. Ele, contudo, é acessível a todos, fala ao coração de todos, quer ser conhecido e amado por todos. Todos podemos encontrá-lo: basta que o busquemos de todo o coração! Por outro lado, poucos homens poderão um dia ser ricos, inteligentes, belos ou famosos… E, no entanto, infelizmente há mais ricos, belos, inteligentes e famosos do que santos.

Isso acontece porque somente podemos compreender e colocar em prática as palavras do Senhor se Ele no-las der a conhecer: “Escondeste essas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos” (Mt 11,25). A primeira coisa a fazer é desejar conhecer o Senhor, pedindo instantemente a Ele esta graça. Afinal, “a Sabedoria se deixa encontrar por aqueles que a amam. Ela mesma se dá a conhecer aos que a desejam” (Sb 6,12s).

Além do desejo sincero de conhecer a Deus e sua vontade, é preciso que sejamos humildes, pois “Deus resiste aos soberbos, mas dá a graça aos humildes” (Tg 4,6). Sem humildade, não há fé. Sem simplicidade e esquecimento de si mesmo, é impossível saborear os mistérios do Senhor e viver pacificamente na sua amizade. Por essa razão, Jesus diz: “Aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29). A humildade retira-nos um grande peso das costas! Todo pecado é fruto da soberba de preferirmos nossa vontade à de Deus. O pecado se apresenta como um “conforto” para a alma e para os sentidos, mas depois traz apenas aridez e peso.

A humildade, ao contrário, leva-nos à obediência a Deus. Esta, por vezes, parece algo “pesado”, “cansativo”, mas sempre nos traz conforto, leveza de consciência e conduz à salvação.

A humildade traz grande “leveza” também nas relações com os demais. O humilde não guarda rancores, não se irrita facilmente com o próximo, não se sente injustiçado por qualquer motivo e, mesmo em meio a ambientes adversos, consegue guardar a mansidão e a paz. Com humildade, libertamo-nos de um grande peso, pois não somos aprisionados num constante conflito ou num emaranhado de complicações; aceitamos a realidade e os outros tal como são, com o que há de bom e de mau.

Enfim, a humildade serve até mesmo para nos ajudar a gerenciar o cansaço físico e mental. Quando sentimos “não posso mais”, então é que devemos seguir adiante com humildade e confiança redobradas. O Senhor nos diz: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados, e eu vos darei descanso” (Mt 11,28)! O pecado e a soberba são um peso, mas Jesus assegura: “O meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11,30).

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

O Brasil precisa do compromisso cristão centrado no Evangelho

Diante das dificuldades que o Brasil está enfrentando, é preciso que todos os cristãos se mobilizem e exerçam a sua responsabilidade de...

Newsletter