Confira nossa versão impressa

O joio e o trigo

16o. DOMINGO DO TEMPO COMUM

Embora não plenamente, o Reino dos Céus já está presente na terra. Isso se dá na Eucaristia, que é sua antecipação neste mundo; nas almas em estado de graça, nas quais habita a Santíssima Trindade; e na Igreja. Cristo vive na Igreja e, como a cabeça em relação ao corpo, guia-a de modo inseparável.

No presente estágio, porém, ainda não é possível saber exatamente quem são “os que pertencem ao Reino” e quem são “os que pertencem ao Maligno” (Mt 13,38). É verdade que as condições de pertença à Igreja são claras: crer em Jesus, ser batizado, viver conforme os seus ensinamentos e não incorrer em cisma ou heresia. Sendo impossível, porém, saber as disposições de cada homem e conhecer todas as suas obras e pensamentos, não podemos verificar quem realmente está na graça e no amor a Deus. Por enquanto, misturam-se santidade e pecado, o “trigo” e o “joio” (Mt 13,25).

As sociedades e as almas dos indivíduos vivem um constante conflito entre verdade e mentira, bem e mal, pecado e graça, salvação e condenação… O diabo – semeador da má semente (cf. Mt 13,39) – é criativo em suscitar o joio e confundir o mal com o bem: ideologias “salvadoras”; “humanismo” sem Deus; inversão de critérios morais; ideais de felicidade distorcidos; aborto e eutanásia propostos como “direito”; redução do “amor” às paixões desordenadas; dissimulação… É missão da Igreja ajudar os homens a identificar esses erros e arrancá-los de suas vidas.

O joio mais difícil de se detectar, no entanto, é a dissimulação daqueles membros da Igreja que – mais ou menos conscientemente – optam por uma vida dupla. A esses o Senhor chamou de “lobos em pele de cordeiro”. São os que, sem remorsos, vivem contrariamente aos mandamentos e às promessas de Batismo, Matrimônio, Ordenação ou Consagração. Os que aparentam “bondade”, mas levam os outros ao erro e ao pecado. Os que se sentem acima do bem e do mal, propagando suas ideias errôneas como se fossem Palavra de Deus. Aqueles que se servem da Igreja de Cristo para fins pessoais ou pecaminosos: riqueza, prazer, vaidade, calúnias, domínio sobre os demais, instrumentalização política, libertinagem…

Imiscuídos entre os membros santos do Corpo de Cristo, frequentemente é difícil identificá-los. Por essa razão, o Senhor reconhece que, em seu campo, há algumas plantas semeadas por Deus e outras pelo Maligno, e recomenda: “Deixai crescer um e outro até a colheita!” (Mt 13,30). O Juízo Final restabelecerá publicamente a justiça que não podemos realizar na terra. Nações, eventos, personalidades históricas e eclesiásticas serão julgados publicamente. Será conhecida a verdade sobre todas as obras e intenções dos indivíduos, nações e instituições.

Os maus serão desmascarados e os injustiçados receberão a justa reparação. Essa é nossa certeza! Então, os Anjos de Deus “retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; e os lançarão na fornalha de fogo”; enquanto “os justos brilharão como sol no Reino do Pai” (Mt 13,41-43).

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Colunas

Cem mil mortos de COVID-19

No sábado, dia 8 de agosto, o Brasil ultrapassou a impressionante soma de 100 mil mortos, em decorrência da COVID-19, desde o...

‘Laços de Esperança’ – Peça de Karol Wojtyla adaptada ao cinema

Laços de Esperança é uma adaptação ao cinema da peça de teatro A Loja do Ourives, escrita em 1960 por Karol Wojtyla,...

‘Por que duvidaste?’

Certa vez, Jesus dormira na barca, durante uma forte tempestade. Acordado por discípulos desesperados, repreendeu-lhes a falta de fé e conjurou os...

‘Um padre pode celebrar um casamento fora da Igreja?’

O autor da pergunta preferiu não se identificar. Inicialmente, respondo que, claro, um padre pode celebrar casamentos fora da Igreja. Entretanto, há...

Escola e família em tempos de pandemia

Esta quarentena, que a princípio seria reduzida, prolongou-se muito e estamos há aproximadamente 150 dias vivendo uma rotina completamente diferente da habitual.

Newsletter