Confira nossa versão impressa

‘O semeador saiu para semear…’

15º DOMINGO DO TEMPO COMUM 12 DE JULHO DE 2020

Na parábola do semeador, Nosso Senhor recorda a necessidade que temos de “dar frutos”. Fomos feitos para ser espiritualmente “fecundos”: ter vida santa, amar a Deus e ao próximo, servir os demais, perdoar as ofensas e ajudar outros a conhecer o Senhor. Cristo compara as almas – ou os estágios da vida de uma pessoa – à terra, que pode ser boa ou ruim. E a Palavra de Deus é comparada a uma semente que, sendo lançada por toda parte, precisa apenas encontrar um chão fértil.

O primeiro defeito do solo é ouvir a Palavra “de má vontade”. Como semente lançada pelo caminho que logo se perde, assim são os que não se interessam por Deus, pelos mandamentos e por buscar a salvação eterna. Trata-se de pessoas mundanas, como Herodes, que queria ver Jesus por mera e irreverente curiosidade, sem desejo da verdade.

O segundo defeito é a superficialidade. Como uma semente que brota em terreno pedregoso e raso – e, portanto, não tem raízes –, assim são os que chegam a vislumbrar algo a mais no Evangelho, mas logo desistem. Vivem sempre no condicional: “Eu gostaria de ter mais fé”, “Eu queria ajudar mais o próximo”… Contudo, porque não estão dispostos a “complicar” a própria vida, são inconstantes. Não se esforçam para ter vida de oração, nem querem fazer renúncias por Deus e pelo próximo. Jamais chegam a “entrar de cabeça” em nada, pois querem conciliar seus ideais com a “facilidade” e a comodidade.

O terceiro defeito é o apego às coisas deste mundo. Pode incluir pessoas que deram bons passos no amor a Deus, buscam o Senhor, descobriram o sabor da oração e chegaram a se aprofundar na doutrina cristã… Homens e mulheres que, de fora, são considerados “muito católicos”; receberam graças especiais do Senhor; fazem o bem ao próximo; ajudam na paróquia; têm um amor sincero a Jesus… Este defeito pode pertencer a pessoas “ótimas” e “acima da média”, que, no entanto, vivem como se fossem passar a eternidade neste mundo.

A saúde, a segurança econômica, as ambições profissionais e outras aspirações honestas prevalecem sobre o desejo de amar a Deus. Por isso, não chegam a dizer “sim” a uma vocação de maior entrega ou, tendo-o dito, não a abraçam até as últimas consequências. Não se abrem totalmente à vida no Matrimônio. Não se comprometem a aproximar mais pessoas da fé. Não chegam a ajudar economicamente os pobres e a Igreja como poderiam. Talvez sob a escusa da “prudência” e da “moderação”, renunciam a ter intimidade com o Senhor.

Por fim, há também a “boa terra”! Essa produzirá frutos! No entanto, para que ninguém se acomode, o Senhor avisa que a quantidade de frutos varia: “Um dá cem, outro sessenta e outro trinta”. De acordo com a capacidade dada por Deus e, de acordo com a generosidade de cada um, sempre é possível amar mais, servir mais, fazer mais apostolado… O Senhor lança a semente com largueza em todos os solos; quem se abrir generosamente colherá generosamente!

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter