Confira nossa versão impressa

Os dons do Espírito Santo

SOLENIDADE DE PENTECOSTES 31 DE MAIO DE 2020

As almas santas são como um veleiro. Nesta embarcação, o emprego da inteligência e da dedicação do piloto é necessário. Sua grande força motriz, porém, é externa: o vento. É preciso, portanto, saber reconhecê-lo, para desfraldar, recolher e direcionar as velas no tempo certo. Também na vida espiritual, a grande força necessária para a santificação é Deus. A “vela”, por meio da qual Ele nos leva adiante, são os dons do Espírito Santo, pois, “o vento sopra onde quer, e ouves o seu ruído, mas não sabes para onde vai; assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito Santo” (Jo 3,8).

Os “dons” são sete disposições habituais da alma em estado de graça, que podem ser reconhecidas e cultivadas por meio da oração. Eles se encontram em plenitude na alma de Cristo: “Repousará sobre ele o Espírito do Senhor: Espírito de sabedoria e entendimento; Espírito de conselho e fortaleza; Espírito de ciência e piedade; e o preencherá o Espírito de temor do Senhor” (Is 11,2-3). Os batizados, porém, O recebem por participação. Não se trata de uma simples “ajuda” de Deus. Os sete dons predispõem-nos habitualmente a receber as inspirações do Senhor, que age por meio de nós.

O “menor” dom é o santo temor, enquanto o “maior” é a sabedoria, pois “o início da sabedoria é o temor de Deus” (Eclo 1,16). O temor leva-nos à adoração a Deus e a decidir com todas as forças evitar ofendê-Lo. Ajuda- -nos a viver a temperança e refrear os desejos desordenados. A ele se une a piedade, que nos faz ver o Senhor como um Pai amoroso e Lhe prestar um culto constante e confiante. A prática do bem e da religião, porém, seria impossível sem o dom de fortaleza, que dá coragem diante das dificuldades e paciência em meio aos sofrimentos. Graças a ele, tornamo-nos “boa terra”, que “dá frutos por meio da paciência” (Lc 8,15).

Os dons do Espírito Santo atuam também no intelecto. Por meio do conselho, julgamos corretamente nossos próprios atos e intuímos o bem a ser feito em cada situação, conforme prometeu Jesus: “Não sois vós que falais, mas o Espírito do vosso Pai” (Mt 10,20). O dom da ciência nos impele à esperança na vida eterna, pois permite enxergar todas as criaturas na sua relação com Deus-Criador. Preserva-nos da avareza, da gula e da sensualidade. O dom do entendimento atua sobre a fé, levando-nos a penetrar aguçadamente nas verdades da Escritura e do Catecismo da Igreja Católica e a aderir a tudo o que Deus revelou. A sabedoria, enfim, consiste na contemplação pacífica, saborosa e repleta de amor das coisas divinas. Trata-se de um prelúdio do Céu.

Todos estes dons provêm do amor, pois o Espírito Santo é o Amor substancial de Deus. Foram-nos dados por meio dos sacramentos e se perdem todas as vezes que cometemos um pecado mortal. São mais valiosos do que o dom de línguas ou de profecia, pois são necessários para a salvação. Na festa de Pentecostes, imploramos ao Senhor que nos dê os seus sete dons: “Dai aos fiéis que em Vós confiam os sete dons sagrados” (“Sequência”).

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Para ter a paz no coração

É possível ter paz no coração em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo? Minha mãe repetia-nos muitas vezes (tanto...

Ecologia integral

A celebração do Dia da Árvore, estipulada no Brasil para o próximo dia 21, antevéspera da primavera, nos dá a ocasião de...

Vem trabalhar na minha vinha

Para pregar o retiro do Ano Santo do Grande Jubileu de 2000, São João Paulo II convidou o Cardeal vietnamita François-Xavier Nguyên...

Newsletter