Confira nossa versão impressa

‘Se me amais, guardareis os meus mandamentos’ (Jo 14,15)

6º DOMINGO DA PÁSCOA 17 DE MAIO DE 2020

Amar é pensar, servir, compreender, rezar por alguém. Se desejássemos o bem, mas não fizéssemos qualquer obra corporal ou espiritual – mesmo uma simples oração – pela pessoa querida, o amor estaria incompleto. São Josemaría dizia que “obras é que são amores, não boas palavras”. O mesmo é verdadeiro com relação ao Senhor! Se nada ou pouco muda em nós por causa Dele, falta-nos amor a Deus! Na medida em que amamos, mudamos hábitos, opiniões, planos e obras.

Na conversão em Damasco, a primeira palavra de São Paulo ao saber que estava diante de Jesus foi: “Senhor, o que queres que eu faça?” (At 9,6). A porta de entrada do amor é querer “fazer algo” a quem se ama! Como Nossa Senhora nas bodas; como Marta, servindo o Mestre; como Jesus, lavando os pés aos discípulos. Isso porque quem ama une a própria vontade à vontade do outro. Dois amigos, dois irmãos na fé, dois recém-casados ou um pai e um filho têm em comum o fato de que, em aspectos importantes da existência, olham numa mesma direção, possuem um mesmo desejo.

Isso não é diferente no que se refere ao amor a Deus. O caminho da santificação consiste em, cada dia mais, querer o que Deus quer! Nosso esforço diário deve ser olhar o que Ele olha, querer o que Ele quer, amar a Sua vontade! O sinal claro de que O amamos é que a nossa vontade esteja unida à Dele! Jesus deu o exemplo disso quando, no Getsêmani, sob grande agonia, rezou: “Pai, não seja feita a minha vontade, mas a tua” (Lc 22,42). E, por isso, afirma: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14,15). Se amamos, cumprimos a sua vontade! Querer o mesmo que Deus quer, porém, comporta grande diferença em relação aos amores humanos. Em primeiro lugar, porque o que Ele quer é sempre o melhor para nós. A sua vontade é a que melhor pode nos realizar. Além disso, Nosso Senhor assegura que, àqueles que obedecem aos seus mandamentos, Deus comunica “o Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber” (Jo 14,17). E o Paráclito lhe infunde mais amor e conhecimento.

Então, passa a haver um “ciclo virtuoso”. Obedecendo aos mandamentos, o Espírito Santo é dado; por meio do aumento de sua graça santificante, é dada uma maior capacidade de amar, que leva a pessoa a obedecer melhor ao Senhor… E por fim – quem diz é Jesus – “quem me ama, será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele” (Jo 14,21). Jesus se manifesta a quem lhe obedece.

Há pessoas que têm extrema dificuldade de compreender a fé, ou a doutrina moral, ou de crer nos sacramentos. Talvez o que lhes falta – além de pedir a Deus o dom da fé – é começar a buscar obedecer aos mandamentos no dia a dia. Com essa boa disposição – acompanhada de uma Confissão – virá o Espírito da Verdade. E, com Ele, virá a aceitação, a compreensão e até mesmo o fascínio pelas realidades sobrenaturais. Isso é obra do Espírito Santo! Então, o coração se lançará naturalmente a Deus: “Senhor, o que queres que eu faça?!”

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Um momento de revolta contra Deus tem perdão?

“Minha mãe sofreu um acidente e, em casa, estamos vivendo sérios problemas. Num momento de raiva, quando do acidente, eu disse que...

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à...

Postura conservadora

Recentemente, circulou a notícia de que os organizadores do Oscar, a maior premiação às produções da indústria cinematográfica, deixaram o seguinte recado:...

A encíclica Humanae vitae, de São Paulo VI, nos dias de hoje

Na encíclica Humanae vitae, publicada em 1968, São Paulo VI tratou da paternidade responsável, da abstinência da...

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de...

Newsletter