'Não se perturbe nem se intimide o vosso coração!'

6º DOMINGO DA PÁSCOA

Neste domingo, Nosso Senhor fala com clareza sobre o Espírito Santo, o “Defensor” (Jo 21,26), que o Pai enviaria aos discípulos depois da Ascensão, e revela-nos coisas importantes sobre sua ação na Igreja. 

É por meio da presença do divino Paráclito que Jesus e o Pai habitam as almas daqueles que creem e vivem conforme os seus ensinamentos. O Espírito Santo é o Amor pessoal de Deus que, uma vez derramado nos corações, estabelece a verdadeira comunhão dos homens com o Senhor e entre si. Por isso, Jesus promete: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada” (Jo 21,23). Sobre isto, São Paulo ensina: “Recebestes o Espírito de filhos, pelo qual podemos clamar: ‘Abba, Pai’!”  

Além disso, o Espírito Santo assiste continuamente à Igreja para que ensine a verdade sobre a fé e atua na inteligência dos fiéis para que compreendamos as realidades espirituais: “Ele vos ensinará tudo” (Jo 21,26). Após estabelecerem que a circuncisão já não seria necessária, os apóstolos dizem: “Decidimos, o Espírito Santo e nós…” (At 15,28). É preciso pedir as suas luzes para compreender melhor a doutrina da fé e os preceitos morais. Afinal, se “ninguém pode declarar: ‘Jesus é o Senhor’, a não ser pelo Espírito Santo” (1Cor 12,3), menos ainda poderemos compreender, sem Ele, a vontade de Deus para nossa vida!   

O Paráclito é aquele que nos ajuda a acessar e a purificar a memória: “Ele vos recordará tudo o que Eu vos tenho dito” (Jo 21,26). Faz-nos lembrar de nosso Pai Deus, de sua bondade, de seus benefícios; recorda-nos que temos nossa origem Nele e nos comunica a esperança na vida eterna. Por um lado, Ele desperta nossa memória para Deus e para o Céu, conferindo-nos força e determinação em meio às dificuldades da vida; por outro, leva-nos a esquecer os ressentimentos, fracassos, más inclinações e “traumas” causados por acontecimentos do passado.

Outra doce consequência da presença do Espírito Santo na alma é a paz! Podemos dizer que Cristo realizou a promessa “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo” (Jo 21,27), quando comunicou o Espírito Santo à Igreja. Jesus nos dá a paz nos dando o Consolador, que nos sustenta e encoraja mesmo quando as circunstâncias são muito adversas e o corpo e a mente parecem não poder mais. E, justamente porque somos filhos de Deus e recebemos o Espírito Santo, o Senhor nos faz esta exortação: “Não se perturbe nem se intimide o vosso coração” (Jo 21,27)!

Esta é a confiança e a alegria do cristão! Não temos medo e não nos encolhemos! Sabemos do nosso valor; não porque sejamos melhores do que os outros, mas porque somos filhos de Deus, remidos pelo Batismo, irmãos de Jesus Cristo, morada do Espírito Santo! Esses são motivos pelos quais deveríamos – no bom sentido! – nos “orgulhar”, maravilhados pela bondade e pela confiança manifestadas a nós pelo Senhor. “Não se perturbe nem se intimide o vosso coração!” 

Deixe um comentário