O amor dos pais na formação dos filhos

Em contato com diversos casais que buscam orientação para formar melhor seus filhos, observo uma inversão de prioridades no ambiente familiar. Essa inversão acontece com a melhor das intenções: dar atenção aos filhos e supri-los de condições para bom estudo, cuidados com a saúde etc.

Apesar da boa intenção, há um enorme engano. Nada é mais importante para os filhos do que o amor sólido entre os pais.

A família nasce da vontade livre de duas pessoas, em sua manifestação feminina e masculina, de se unirem em uma só carne – doando-se e entregando-se um ao outro com o objetivo de fazer o outro feliz. Desse pacto, nasce uma unidade – o casal. Somente no casamento existe a realidade do amor integral da pessoa, quando há a entrega do corpo, alma e espírito, nada ficando reservado a si mesmo.

Desse amor integral, justamente pela complementaridade corporal, abre-se a possibilidade de gerar novas vidas. Um amor tão grande, tão completo, tão imenso, que frutifica na possibilidade de trazer ao mundo novas pessoas, de acolhê-las e formá-las. Deus quis dotar de tal importância essa união que nos permitiu por meio dela sermos partícipes em Sua criação. 

Sendo assim, o que gera e sustenta a vida desses pequenos “frutos” é o amor dos pais. Vamos a uma metáfora que pode nos ajudar: uma árvore somente produzirá frutos de qualidade se estiver saudável, bem cuidada, regada. Caso contrário, poucos frutos nascerão e menos ainda poderão ser aproveitados.

Exatamente assim acontece na família. O amor do casal sustenta e nutre a vida da família: dá segurança aos filhos, transmite valores importantes, ensina a amar com dedicação, oferece um ambiente saudável em que é bom estar e permanecer.

Quando se prioriza o amor aos filhos e se deixa de lado o parceiro de viagem, inicia-se, sem que se perceba, uma pequena trinca na estrutura do lar. Os pequenos descuidos de um para com o outro começam a aparecer, o cansaço da rotina de trabalho e de cuidado com os filhos vai tornando a relação conjugal mais custosa. E, diante disso, quando menos se espera, o que se vive na casa não é mais o clima de amor e parceria, mas, sim, estabelece-se uma sociedade em que tudo é dividido e cobrado: as tarefas com a casa, o acompanhamento escolar dos filhos, as contas e compras. 

Por isso mesmo, o amor conjugal precisa ser cultivado, cuidado e alimentado cotidianamente. As dificuldades, desavenças e desafios aparecerão ao longo da vida. Mas, se o amor estiver alimentado, com maior ou menor dificuldade, encontrará uma saída e se tornará ainda mais forte; afinal, sabemos que os momentos de dificuldade são também os momentos de crescimento. 

Vamos então a algumas dicas para alimentar o amor conjugal:

  1. Marquem ao menos um momento da semana para que possam namorar, estar a dois. Pode ser em casa depois que os filhos dormem, uma caminhada no fim de semana, ouvir uma música em casa e namorar… Criem alternativas de acordo com a vida real – o ótimo é inimigo do bom e, muitas vezes, não se faz nada esperando fazer o “ideal”;
  2. Vejam frequentemente as fotos do namoro, do casamento, de passeios e momentos gostosos que já viveram;
  3. Criem o hábito de trocar pequenas mensagens, bilhetes, declarações de amor, saudades etc.;
  4. Organizem a rotina dos filhos para poder ter tempo juntos diariamente. Crianças dormindo cedo crescem e se desenvolvem melhor; além disso permitem aos pais momentos de conversa e convívio a dois;
  5. Dediquem-se a descobrir o que agrada ao outro: filmes, passeios, guloseimas, gestos, presentes – o interesse pelo outro, além de ser um gesto de amor, aguça a criatividade na busca de fazê-lo feliz;
  6. Demonstrem seu amor e preocupação um para com o outro aos seus filhos: eles se sentirão amados e felizes;
  7. Nunca falem mal um do outro aos filhos. Corrijam-se, quando necessário, a sós. Isso é demonstração de respeito; 
  8. Lembrem-se de que são uma equipe na formação dos filhos – trata-se de uma missão que assumiram a dois. Quanto mais se sentirem amados um pelo outro, mais preparados estarão para assumir a missão em conjunto;
  9. Amadureçam – o casamento exige maturidade, sair de si, de seus próprios desejos e prazeres e caminhar em direção a objetivos grandes: formar pessoas é algo enorme perto de viver momentos de prazer e conforto. Fomos feitos para muito, não vamos desperdiçar nosso potencial por tão pouco; 
  10.  Acreditem no casamento, comecem e recomecem todos os dias. Renovem o sim e dediquem-se, vale o empenho.

A vida é feita das mais diferentes circunstâncias ao longo do tempo, e é exatamente assim que vamos construindo nossa biografia, formando nossa personalidade e forjando nosso caráter.

Essa caminhada de crescimento no amor vai transbordar em benefícios na vida dos filhos, podem ter certeza. Não é fácil, mas como bem disse Santa Teresa: “É justo que muito custe o que muito vale”. A família é o maior empreendimento das nossas vidas e, assim, todo o esforço é pouco para defendê-la. 

Simone Ribeiro Cabral Fuzaro é fonoaudióloga e educadora. Mantém o site: www.simonefuzaro.com.br. Instagram: @sifuzaro

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter