Confira nossa versão impressa

A idolatria e os tempos atuais

Uma boa definição para a mentalidade da sociedade moderna é o que a Bíblia chama de idolatria, que os profetas bíblicos descrevem melhor do que ninguém: fazer um deus sob medida, algo ou alguém que construo com os meus pensamentos, atos e palavras, que venero incondicionalmente e dou um valor absoluto.

Idolatria é um jeito de viver a relação com as coisas e as pessoas. Pode ser o trabalho, os filhos, um relacionamento afetivo, o marido, a mulher, os bens quando estão acima de tudo e de todos, e tudo sacrifico para preservá-los. É colocar acima de tudo o bem-estar material, o poder, algumas pessoas. Idolatram-se as pessoas, chefes políticos ou religiosos, quando se deposita neles a esperança de que possam resolver nossos problemas. Eles são “bons” e “capazes” de nos salvar do mal.

Os profetas bíblicos nos alertam de que podemos ter uma relação idolátrica com o próprio Deus ou na forma de praticar a religião. Em sua época, os deuses idolatrados foram o bezerro de ouro que Aarão construiu a pedido do povo no êxodo, destruído por Moisés; e Baal, deus cananeu da fertilidade e abundância. Trazendo para os dias de hoje, podemos viver a mesma relação idolátrica nas nossas práticas cultuais-religiosas.

Nascido no coração do ser humano, o ídolo orienta as escolhas concretas, distorcendo a realidade, abandonando-nos a falsas ilusões, tornando tudo vazio e inconsistente (“tem olhos, mas não vê, ouvidos, mas não ouve”). Ele parece dar segurança, está à nossa mão, próximo de nós, parece ser garantia, amigo, aliado e até cúmplice. O ídolo manipula o ser humano (“correndo atrás do nada se torna ele mesmo nulidade”). Estabelece-se com ele uma relação falsa, ilusória, vazia, sem capacidade de mudar a história.

Vivemos uma relação idolátrica quando as práticas religiosas não tocam o fundo do nosso coração, sem nos “ferir” e comover, sem nos fazer mudar o modo de ver e entender a realidade. Tornam-se práticas exteriores que não convertem, não fazem mudar de posição: do ser escravo do ídolo para a liberdade na relação com as coisas, as pessoas e o próprio Deus. Cria- -se uma dissociação entre prática religiosa e vida real.

Se a idolatria é tão frequente e um modo de viver que descreve bem os tempos atuais, como sair dessa ilusão? Dizem os profetas: suplicar ao Senhor para que nos dê um coração de carne, vivo, maleável; que nos dê ouvidos para realmente escutar a Sua voz que nos fala sempre por meio da realidade, das coisas que acontecem e, especialmente, da Sua Palavra e dos sacramentos. Que nos dê olhos para ver a verdade. A relação idolátrica é rompida quando se estabelece uma relação sincera com o Senhor. Quando voltamos, de fato, nossos olhos e nosso coração para Ele. Quando suplicamos com toda a sinceridade: “Senhor, Jesus Cristo, tenha piedade de mim. Salva-me! Ensina-me! Mostra-me o caminho!”.

A relação com Deus deve substituir a relação de dependência absoluta com as coisas e as pessoas. O coração de carne que se comove na relação com Deus é o antídoto para os males atuais. Só pessoas que vivem essa relação com o Senhor sabem como se mover para combater as injustiças sociais e a desigualdade crescente, o desmoronamento da democracia, a depressão e o vazio existencial, a destruição do ambiente. Os profetas bíblicos nos advertem: não é antes a mudança das estruturas sociais, políticas ou econômicas, mas é a mudança das pessoas, que retomam um relacionamento vivo com Deus, a verdadeira solução para nossos males. Deus não deixará de responder a quem O invoca com sinceridade, dando a graça da justiça e do direito sobre a terra. Achar que podemos construí-la só com as próprias mãos é idolatria.

LEIA TAMBÉMPáscoa com coronavírus na era digital

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Um momento de revolta contra Deus tem perdão?

“Minha mãe sofreu um acidente e, em casa, estamos vivendo sérios problemas. Num momento de raiva, quando do acidente, eu disse que...

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à...

Postura conservadora

Recentemente, circulou a notícia de que os organizadores do Oscar, a maior premiação às produções da indústria cinematográfica, deixaram o seguinte recado:...

A encíclica Humanae vitae, de São Paulo VI, nos dias de hoje

Na encíclica Humanae vitae, publicada em 1968, São Paulo VI tratou da paternidade responsável, da abstinência da...

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de...

Newsletter