Salve Maria, advogada do céu!

Há poucos dias, ouvi de uma cliente que a sua ideia de advogado como o consorte do criminoso e do corrupto tinha sido desfeita. Ela me disse que o advogado é aquele que ajuda nas necessidades das pessoas. Quanta simplicidade na fala espontânea e quão gratificante foi escutar isso!

A Constituição diz que o advogado é indispensável à administração da Justiça. O mesmo diz o Estatuto dos Advogados. É que, num Estado democrático de direito, não se faz Justiça com as próprias mãos. Quem a faz valer é o Estado, que pelo uso da força, pode prender, expropriar bens, aplicar medidas socioeducativas, entre outros. Contudo, a linguagem dessa Justiça, isto é, a lei material e processual se especializou de tal modo que o cidadão comum, no mais das vezes, não tem condições de ir diretamente ao Estado pedir que a Justiça lhe seja feita, e necessita, portanto, de um profissional para fazer a intermediação entre si e o Estado, de quem pretende receber a almejada Justiça.

É preciso ter consciência de que o Direito é um meio de mitigar as desigualdades para o encontro de soluções justas. São deveres éticos do advogado, dentre outros, atuar com destemor, honestidade, veracidade, lealdade e boa-fé, para enfrentar as desigualdades, a corrupção e a imoralidade.

O fundamental, entretanto, está escondido nas entrelinhas: o advogado é quem fala e age em prol daquele que o procura. O que acolhe, auxilia, socorre, apela, argumenta, para que a pretensão de seu cliente seja ouvida e atendida.

Atualmente, há um apelo para que o advogado seja também mediador entre as partes: o que as aproxima, o que as faz dialogar e se colocar no lugar do outro, buscando soluções alternativas à lide, tão desgastante e cujo resultado nem sempre satisfaz.

Na oração da Salve Rainha, invocamos a Mãe de Jesus como nossa advogada, aquela a quem vamos gemendo e chorando pedir ajuda. Suplicamos, antes de tudo, que volva seu olhar misericordioso a nós. Ora, quem é essa advogada do céu, de quem os santos dizem coisas admiráveis? Quem é essa senhora, amada e venerada nos quatro cantos do mundo e temida até pelos demônios? Aquela que permaneceu oculta toda a sua vida, tão profunda sua humildade: “Deus Pai consentiu que jamais em sua vida ela fizesse algum milagre, pelo menos um milagre visível e retumbante”, mas “é a obra- -prima por excelência do Altíssimo”, é a “magnificência de Deus, em que Ele se escondeu”. Essa menina se tornou uma “advogada tão poderosa, que não foi jamais repelida; tão habilidosa, que conhece os segredos para ganhar o coração de Deus; tão boa e caridosa, que não se esquiva a ninguém, por pequeno e mau que seja” (“Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, de São Luís Maria Grignion de Monfort).

Na humildade, o poder; no amor, a força; no acolhimento, a conquista da confiança; na bondade, a habilidade. Essas são lições de Nossa Senhora aos advogados que pretendem ser uma ponte entre o Poder Judiciário e pessoas injustiçadas, desesperadas, desanimadas que lhes pedem socorro. Nem sempre a Justiça terrena chega a contento, porém o comprometimento, a dedicação, a seriedade e o estudo refletem essa atitude cristã na busca da Justiça ao seu assistido, sendo condição essencial à manutenção de uma relação de confiança recíproca.

Neste mês de agosto, em que se homenageia o advogado, possa Nosso Senhor Jesus iluminar, guardar e encorajar todos os que se dedicam à causa da Verdade e da Justiça, e que Nossa Senhora, Mãe de Deus, advogada nossa, guarde e livre de todo o mal aqueles que a ela se socorrem!

Colunas Relacionadas

Salve Maria, advogada do céu!

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter