Por que na Bíblia não há menções ao casamento de Maria e José?

Eis esta curiosa dúvida da Luiza, do bairro de Santana: “Padre Cido, diz-se até hoje que o casamento de José com Maria é inspiração para os casamentos. Quando eles se casaram? Como e onde foi?”. 

Luiza, os Evangelhos foram escritos para nos falar de Jesus. Eles nos falam de José e Maria no que se refere a Jesus. De forma que o casamento de José e Maria não é essencial. Basta o que diz os Evangelhos: que, esclarecida a gravidez de Maria como obra do Espírito Santo, ele recebeu sua Maria e cuidou dela. 

Nos evangelhos apócrifos que surgiram nos primeiros séculos do Cristianismo e não são considerados inspirados, há várias suposições, entre elas a de que José seria viúvo e se casou com Maria tendo filhos do primeiro casamento. Nada disso é verídico e se trata apenas de tentativas de preencher vazios deixados pelos quatro evangelistas: Mateus, Marcos, Lucas e João. 

Lembre-se, porém, minha irmã, de que é possível concluir que José foi um pai atento com Jesus; e Maria, uma esposa e uma mãe maravilhosa para José e Jesus. Foi uma família feliz, apesar da pobreza, uma família que foi migrante no Egito. Quando Jesus começou sua vida pública, José ainda estava vivo. Mas, quando Jesus morreu, Maria estava sozinha e o discípulo que Jesus amava recebeu de Jesus a missão de cuidar dela. O certo, portanto, é que Jesus foi um bom filho para José e Maria. José um esposo carinhoso para Maria e um pai e tanto para Jesus. Com razão, nós chamamos a família de Jesus de Sagrada. Jesus quis ser igual a nós em tudo. Quis, portanto, ter sua família como qualquer um de nós tem.

Por tudo isso, me encanta a verdade que o Padre Zezinho canta em uma de suas canções chamada “Estou pensando em Deus”. Canta ele que “tudo seria diferente se o Natal não fosse um dia, se as mães fossem Maria e se os pais fossem José. E se a gente parecesse com Jesus de Nazaré”. Deus abençoe sua família, minha irmã! 

Deixe um comentário