‘Reconheceram Jesus ao partir o Pão’

3º Domingo da Páscoa – 23 de abril de 2023

O encontro do Ressuscitado com os discípulos a caminho de Emaús se assemelha a alguns momentos do relacionamento de cada cristão com o Senhor. No início, os discípulos apenas “conversavam e discutiam” (Lc 24,15) entre si. O Senhor caminhava ao seu lado, mas estavam perdidos nas próprias opiniões e argumentos. Discorriam sobre como as coisas deveriam ter sido, quais os planos de Deus, ou por que Jesus teve um “fim” tão trágico… Presos a tais pensamentos, sem colocar em ação a fé e a contemplação, “estavam como que cegos, e não o reconheceram” (Lc 24,16).

Em um segundo momento, provocados intencionalmente pelo Senhor – “O que foi?” (Lc 24,19) –, eles lhe falam como a um estranho. Num monólogo, externam o que Ele já sabia perfeitamente. Contam a sua visão limitada dos fatos, as preocupações, a sua interpretação e as expectativas para o futuro… Enfim, fazem o que fazemos tantas vezes na oração, abrindo o coração a Jesus e falando-lhe de nossa vida. Ele, porém, apenas escutava, em silêncio, e eles ainda não o reconheciam.

Em seguida, na terceira etapa, é Cristo quem toma a palavra! Os discípulos não compreendiam com clareza a verdade profunda do que lhes dizia. Sentiam-se, porém, de algum modo confortados. Mais tarde, reconheceriam que lhes “ardia o coração” enquanto Jesus falava (Lc 24,32), ainda que não pudessem chegar à conclusão definitiva sobre coisa alguma. Contudo, a esperança e fé começavam a encontrar espaço em suas almas. A este ponto, pressentiam a vinda de algo grande e passaram inclusive a desejar estar com o Senhor: “Fica conosco” (Lc 24,29)!

No quarto momento, os discípulos estão à mesa com o Senhor. Embora tendo sido convidado, Jesus assume a atitude de anfitrião: “Tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía” (Lc 24,30). Eles permitem, confiando e aceitando que o Viajante, até então desconhecido, é quem deveria assumir o controle da situação. Nesse momento, finalmente, abrem-se-lhes os olhos! Reconhecem o Senhor “ao partir o pão” (Lc 24,35). Percebem que, na verdade, era Jesus quem lhes havia alcançado pelo caminho, instruído e convidado à mesa.

O “partir do Pão”, isto é, a Eucaristia, é o cume de nosso encontro com o Senhor nesta vida e o lugar em que o podemos reconhecer sob as aparências do pão e do vinho. Na Santa Missa, primeiro o Senhor nos “explica as Escrituras” (Lc 24,27), como aos discípulos de Emaús, para, enfim, abençoar o pão, partir, e dar-nos o seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade na Comunhão. Também a nós Ele se dá a conhecer e logo “desaparece” (Lc 24,31) na sagrada Hóstia.

Peçamos ao Senhor que nos aumente o amor pelo Santíssimo Sacramento! Que Ele nos dê um grande desejo da Comunhão e faça-nos ver que a Eucaristia não é apenas um símbolo, mas é Ele próprio: o Senhor vivo e ressuscitado! Que o Senhor nos conceda fé sobrenatural, para reconhecermos com amor a sua presença em nossas vidas e o seu rosto na Comunhão.

Assine nossa Newsletter

Mantenha-se informado das novidades da Igreja e do Mundo

Clique aqui para assinar!

Deixe um comentário