Confira nossa versão impressa

As mulheres não devem ter voz na Igreja?

Hoje respondo a essa dúvida do Reginaldo de Assis, de São Roque (SP): “Gostaria de entender melhor um trecho da Bíblia que encontramos na 1ª Carta aos Coríntios 14,34: “As mulheres estejam caladas nas assembleias, não lhes é permitido falar, mas estejam submissas como também ordena a Lei”.

Reginaldo, neste trecho bíblico, o apóstolo Paulo manda que as mulheres fiquem caladas nas assembleias, não permite que tomem a palavra e as exorta a serem submissas como ordena a Lei. E, quando quiserem se instruir sobre alguma questão, perguntem a seus maridos em casa. É inconveniente para a mulher falar na assembleia…

Sabe, meu irmão, é bom lembrar que, em todo o capítulo 14, o apóstolo fala sobre duas manifestações que se davam nas assembleias e encontros de oração da comunidade de Corinto: a glossolalia – ou dom de línguas – e a profecia. A glossolalia consiste em produzir sons ininteligíveis e palavras incoerentes numa espécie de transe. Este fenômeno ainda acontece em assembleias carismáticas hoje, e a Igreja, como fez Paulo, pede que seja evitado. Somente quem tem o dom de interpretar esses sons pode explicá-los, diz o apóstolo. Como eles pouco significavam para quem os ouvia e eram de pouca valia para a comunidade, o apóstolo naquele tempo e os bispos de hoje dão preferência à profecia, que consiste em discursos inspirados e compreensíveis. 

Como na glossolalia as mulheres mais sensíveis e mais emotivas eram as que mais se manifestavam, o apóstolo simplesmente pede que se calem. E, como para ele as mulheres tinham que ser submissas aos maridos, ele as proíbe de profetizar também e que se instruam com os respectivos maridos. Quando Paulo fala que as mulheres devem ser submissas, conforme a Lei, ele está citando o livro do Gênesis, em que Deus, após o pecado dos nossos primeiros pais, diz à mulher: “Multiplicarei os sofrimentos de teu parto; darás à luz com dores, teus desejos te impelirão para o teu marido e tu estarás sob o seu domínio” (Gn 3,16)

Fica claro que Paulo, mais do que discriminar as mulheres, quer acabar com os abusos das orações em comum naquela comunidade. E, como para ele a mulher estava sob as ordens do marido, eram os maridos que mandavam, o apóstolo corta radicalmente a participação das mulheres e manda que elas resolvam suas dúvidas com eles.

Hoje, cresceu a consciência da importância da mulher na vida da Igreja, inclusive seguindo a prática do próprio Jesus. A figura de Nossa Senhora na história de nossa salvação valoriza a mulher esposa, mãe, catequista, missionária. Graças a Deus, não é mesmo? Um abraço, Reginaldo. Deus abençoe você e sua família.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Câmara lança campanha de 21 dias pelo fim da violência contra a mulher

Além da violência física contra a mulher, deputadas destacam importância de se combater violência política e psicológica A Secretaria da Mulher e a Primeira-Secretaria...

Dom Odilo à TV Canção Nova: ‘Que Deus continue iluminando e fortaleça este trabalho’

Arcebispo Metropolitano presidiu missa na comemoração dos 20 anos da emissora na capital paulista Na noite da segunda-feira, 23, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo...

Em live, Cardeal Scherer refletirá sobre a encíclica Fratelli tutti

Nesta quarta-feira, 25, às 20h30, a Arquidiocese de São Paulo realizará mais uma edição do Diálogos com a Cidade, totalmente on-line, em virtude da...

Jovens se conectam a Assis para pensar em uma economia a serviço da vida

Mais de 2 mil jovens, de 115 países, participaram, entre os dias 19 e 21, do encontro internacional “Economia de Francisco”, atendendo ao convite...

Papa Francisco aos jovens: ‘Não fiquem fora de onde se produz o presente e o futuro!’

Em mensagem aos participantes de ‘Economia de Francisco’, o Papa defende uma nova abordagem econômica que inclua os pobres “Ou vocês se envolvem ou a...

Newsletter