O Natal e a cultura como Epifania

“A síntese entre a cultura e a fé não é só uma exigência da cultura, mas também da fé… Uma fé que não se torna cultura é uma fé que não é plenamente acolhida, nem inteiramente pensada nem fielmente vivida”, nas palavras de São João Paulo II. Com tal espírito, iniciamos neste semestre que agora se encerra, a edição dos Cadernos Fé e Cultura do jornal O São Paulo. Tudo que acontece na vida dos seres humanos é cultural. Nós … Leia mais

São Francisco e a Idade Média gótica

Mais que um problema, São Francisco de Assis permanece um mistério para nós. É o santo da paz, da simplicidade, humildade e pobreza evangélica, do amor aos pobres, da alegria, da fraternidade universal. Mas, qual é a fonte de sua espiritualidade? É o encontro com Jesus Cristo pobre, humilde e crucificado. A história singular do Pobrezinho de Assis acontece como a destinação de um caminho de vida que se dá a partir desse encontro. Em que mundo espiritual esta história … Leia mais

Um inverno em Nova York

Há filmes cuja força reside na sua verossimilhança com a realidade. São filmes que o que procuramos neles é que se aproximem tanto da realidade que nos façam esquecer de que são filmes. E filmes cuja força reside precisamente em serem metáforas, símbolos, parábolas, como aquela, por exemplo, do bom samaritano do Evangelho ou, então, para não sair da filmografia, aquele inesquecível A felicidade não se compra, de Frank Capra, que ainda resiste ao tempo e que tantas famílias e … Leia mais

De São Francisco a Chesterton, uma peregrinação cristã pelo fascínio do real

O Prof. Marcos Aurélio Fernandes, da UnB, vem nos oferecendo, nestes Cadernos Fé e Cultura, uma série de artigos sobre a mística e a espiritualidade de São Francisco de Assis e do franciscanismo. Nesta edição, propôs-nos uma interessante reflexão sobre o “paradoxo de São Francisco”, remetendo-nos ao livro escrito sobre ele por Gilbert Keith Chesterton (1874-1936). Nasceu daí a ideia de fazer esta edição dedicada ao grande escritor católico inglês. Nos últimos anos, Chesterton se consolidou como um dos pensadores … Leia mais

No século XX, um divertido e sábio cristão feliz

G.K. Chesterton, o mais famoso apologista do cristianismo no século XX era um homem cheio de ideias divertidas e paradoxais. Um homem marcado pela alegria de viver, maravilhado pelo amor de Deus que se manifesta nas coisas grandes e pequenas do cotidiano. Gilberth Keith Chesterton nasceu em Kensington, Londres, em 29 de maio do ano de 1874. Foi educado em casa na primeira fase de sua formação. Geralmente antes de irem para uma escola, as crianças aprendiam a ler e … Leia mais

O convertido

Poema de G.K. CHESTERTON, escrito por ocasião de seu batismo (1922) Depois de um momento em que inclinei minha cabeçaO mundo inteiro virou e ficou de pé,E eu saí onde a velha estrada brilhava branca,Andei pelos caminhos e ouvi o que todos os homens disseram,Florestas de línguas, como folhas de outono por cair,Sem ser desagradáveis, mas estranhas e leves;Velhos enigmas e novos credos, não desrespeitososMas suaves, como os homens sorriem sobre os mortos. Os sábios têm centenas de mapas para … Leia mais

Uma palavra de esperança

Quando as nossas esperanças pelos tempos vindouros são perturbadas por dúvidas e ansiedades, quando a paz nos parece caótica, lembremo-nos de que a nossa decepção é em verdade uma ilusão. O nosso resgate é que é uma realidade. Os motivos que temos para sentir gratidão estão sempre acima das forças de que dispomos para agradecermos. As coisas novas são feitas num sopro de humildade elevada à nobreza, até mesmo de um temor que é também nobre. Nós enchemos as coisas … Leia mais

O distributismo de Chesterton

Distanciando-se tanto do capitalismo quanto do comunismo, Chesterton abraçou um pensamento político e econômico alicerçado na Doutrina Social da Igreja, numa posição que nos ajuda a entender como as opções políticas dos católicos podem superar os partidarismos e polarizações de nosso tempo. Com frequência, o escritor e jornalista inglês Gilbert Keith Chesterton (1874-1936) é tratado como “um grande frasista”. De fato, de seus escritos saíram pérolas como: “Apaixonar-se por alguém é mais poético do que apaixonar-se pela poesia” ou “Há … Leia mais

O místico e a realidade

O Cristianismo surgiu e se espalhou em um mundo muito culto e muito cínico – em um mundo muito moderno […] Vale a pena notar que as religiões quase sempre surgem dessas civilizações céticas […] É uma religião muito mística. Tem sido, no entanto, a religião da parte mais prática da humanidade. Tem muito mais paradoxos do que as filosofias orientais, mas também constrói estradas muito melhores […] O cristão, repito, coloca o mistério em sua filosofia. Esse mistério, por … Leia mais

O Cristianismo falhou?

Eu digo, e quero mesmo dizê-lo, que a Igreja Católica continua a aconselhar os homens como Jesus os aconselhou. E que houve um colapso do capitalismo por este não ter dado ouvidos ao catolicismo; exatamente como houve uma queda de Jerusalém por esta não ter dado ouvidos a Jesus […]O líder da Igreja Católica, a quem chamamos Vigário de Cristo, emitiu uma proclamação comumente chamada de Rerum novarum, na qual afirmou três coisas: 1) que a concentração existente de riqueza … Leia mais