A preocupação do Papa com o Cáucaso: que prevaleçam o confronto pacífico e a concórdia

“Não nos habituemos à guerra, escolhamos o diálogo, única estrada para alcança a paz.” Estas foram as palavras do Santo Padre aos fiéis que participaram da celebração eucarística no grande espaço da EXPO Grounds, em Nur-Sultan, no Cazaquistão, e ao mundo inteiro abalado pelo conflito na Ucrânia e também pelos recentes confrontos entre Armênia e Azerbaijão.

A preocupação do Papa com o Cáucaso: que prevaleçam o confronto pacífico e a concórdia, Jornal O São Paulo
Papa Francisco na Armênia em 2016
Vatican Media/L’Osservatore Romano

No final da missa celebrada na Praça da Expo, em Nur-Sultan, no Cazaquistão, nesta quarta-feira (14/09), o Papa Francisco saudou e agradeceu calorosamente o povo do país.

“Irmãos e irmãs”, “autoridades civis e religiosas” do país e depois idosos, doentes, crianças e jovens: na Festa da Exaltação da Santa Cruz, o Papa recordou a todos, unidos, como “Povo Santo de Deus”, e mais uma vez reforçou o compromisso do Cazaquistão de “promover o diálogo”, um compromisso que – segundo ele – “se transforma numa invocação da paz, da paz da qual nosso mundo está sedento”.

Não nos habituemos à guerra

O olhar do Papa se amplia para “muitos lugares martirizados pela guerra”, como a “querida Ucrânia”. O Papa falou ao mundo e às consciências, impelindo a buscar realmente a paz, a não ceder ao mal ou se acostumar com ele.

Não nos habituemos à guerra, não nos resignemos à sua inevitabilidade. Socorramos quem sofre e insistamos para que se tente verdadeiramente alcançar a paz.

Paz, o único caminho

Depois, o Papa fez as seguintes perguntas:

Que terá ainda de acontecer? Quantos mortos teremos ainda de contar antes de as contraposições cederem o passo ao diálogo para bem das pessoas, dos povos e da humanidade? A única saída é a paz, e a única estrada para se chegar lá é o diálogo.

Além da Ucrânia, o Papa também manifestou preocupação pelo que está acontecendo no Cáucaso entre o Azerbaijão e a Armênia em relação à disputada região de Nagorno-Karabakh que se proclamou independente em 1991, após um conflito entre os dois países. Até o momento, há quase cem soldados morreram entre Baku e Yerevan nos confrontos fronteiriços que começaram na última terça-feira (13/09) de manhã e até agora congelados, pelo menos em parte, em um cessar-fogo acordado sob forte pressão da Comunidade Internacional.

O Papa também está informado e acompanha essas novas tensões, daí seu apelo:

Soube com preocupação que nestas horas surgiram novos focos de tensão na região do Cáucaso. Continuamos rezando para que nesses territórios o confronto pacífico e a concórdia possam prevaleçam sobre as disputas. Que o mundo aprenda a construir a paz, limitando a corrida armamentista e convertendo as enormes despesas de guerra em apoio concreto às populações.

Então, obrigado a todos os colaboradores da paz:

Obrigado a todos que acreditam nisso, obrigado a vocês e a todos que são mensageiros da paz e da unidade!

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário