ACN concede ajuda emergencial à Igreja na Ucrânia

Há no país 4.879 sacerdotes e religiosos e 1,350 religiosas 

ACN

Com o início da operação militar russa no território ucraniano, e a tomada de pequenas cidades no leste da Ucrânia por separatistas pró-Rússia, a fundação pontifícia Ajuda À Igreja que Sofre (ACN) se comprometeu prontamente a ajudar os 4.879 sacerdotes e religiosos e 1.350 religiosas na Ucrânia, para permitir que continuem seus programas pastorais e de ajuda.

Além disso, a fundação pontifícia fornecerá ajuda emergencial para os quatro exarcados greco-católicos e as duas dioceses latinas no leste da Ucrânia, abrangendo Kharkiv, Zaporizhya, Donetsk, Odesa e Krym.

“Principalmente agora, a ACN deve garantir a presença de padres e religiosas com seu povo, nas paróquias, com os refugiados, nos orfanatos e lares para mães solteiras e idosos que enfrentarão o desafio de sobreviver em um clima de custos crescentes como resultado da guerra”, disse Heine-Geldern.

Dom Pavlo Honcharuk, Bispo de Kharkiv, uma das dioceses do leste da Ucrânia que a ACN apoiará, afirmou que “a situação está piorando a cada dia. Vivemos agora de hora em hora. Os preços estão subindo, especialmente para bens essenciais. A situação na diocese é muito difícil. O número de fiéis diminuiu e os restantes, infelizmente, não podem manter as paróquias nem sustentar os padres. Eles mesmos vêm e pedem ajuda aos padres e irmãs”.

Com o subsídio de emergência, a ACN apoiará a permanência de todos os 57 sacerdotes e 54 religiosos e religiosas que trabalham na diocese. Essa ajuda também permitirá socorrer os que não têm nada.

A situação financeira no país se deteriorou desde o início da guerra, há oito anos, mas desde que a crise começou em janeiro, a moeda nacional, a hryvna, foi desvalorizada constantemente e continuou a declinar depois que a Rússia reconheceu as duas regiões separatistas lideradas por separatistas pró-Rússia.

“Este conflito é também uma guerra psicológica. As pessoas precisam de consolo, força e apoio. A concessão de emergência imediata da ACN, além de seu apoio atual, fortalecerá a Igreja Católica na Ucrânia em seu compromisso de permanecer presente e continuar servindo seu rebanho diante da guerra militar e econômica. Desejamos assegurar nossas orações ao povo da Ucrânia para que, pela intercessão de Nossa Senhora da Paz, eles sejam poupados da dor de mais violência e perda de vidas”, disse Thomas Heine-Geldern, presidente executivo da ACN.

Fonte: ACN

Deixe um comentário