Bispos colombianos repudiam descriminalização do aborto no país

Corte Constitucional da Colômbia decidiu que praticantes de aborto até a 24a semana de gestação não serão penalizados

Bispos colombianos repudiam descriminalização do aborto no país, Jornal O São Paulo
Nicci Coertze-Kruger /Pixabay

“O aborto é um ato imoral e uma prática violenta contrária a vida”. É o que enfatiza a Conferência Episcopal da Colômbia diante da decisão tomada na segunda-feira, 21, pela Corte Constitucional do país de somente punir a prática do aborto quando for realizada após a 24a semana de gestação.

No comunicado, os bispos expressam sua perplexidade e profunda dor pela decisão, observam que não se pode minimizar que toda gravidez implica na existência de outro ser humano, diferente de sua mãe, um ser indefeso e vulnerável, e que tem o direito de ter parte em uma família.

“Defender que os direitos à vida e a receber a proteção do Estado, amparados pela Constituição (cf. Art. 2. 5. 9) não são cobertos desde o momento de sua concepção é uma afronta à dignidade humana. Igualmente, proteger o suposto direito de suprimir uma vida humana inocente coloca em risco o fundamento de nossa ordem social e do Estado de Direito. O aborto é um ato imoral e uma prática violenta contra a vida”, consta em outro trecho do comunicado.

Os bispos, ao mencionar o artigo 95 da Constituição da Colômbia, asseguram que o problema do aborto não pode se limitar somente à gestante, mas que também chama à solidariedade da sociedade inteira.

“Queremos ser os primeiros a ajudar a encontrar a opção boa quando o aborto parecer ser a solução. O fazemos em nome Daquele que veio trazer a vida em abundância, com a esperança de que também o Estado, assim como todos os compatriotas de boa vontade, não poupem esforços para proteger e promover a vida humana, ainda que em circunstâncias mais complexas”, concluem os bispos.

A mensagem intitulada “Recorramos todos à solidariedade criativa em favor da vida” é assinada pelo presidente da Conferência Episcopal da Colômbia (CEC), Dom Luís José Rueda Aparicio, Arcebispo de Bogotá; pelo Vice-presidente da CEC, Dom Omar Alberto Sánchez Cubillos, Arcebispo de Popayán; e pelo secretário-geral, Dom Luis Manuel Alí Herrera, Bispo Auxiliar de Bogotá.

LEIA A ÍNTEGRA DA MENSAGEM

Fonte: Conferência Episcopal da Colômbia (CEC)

Deixe um comentário