Bispos do México e dos EUA convocam governos para trabalho conjunto em favor dos migrantes

Migrantes tentam cruzar a fronteira entre México e EUA (Reprodução: Prensa Celam)

Os bispos da fronteira entre o México e os Estados Unidos renovaram seu apelo aos governos dos dois países para que trabalhem juntos para acolher, proteger, promover e integrar a população migrante dos diversos países do continente. O objetivo é garantir o exercício de seus direitos humanos.

Em um documento conjunto, os prelados alertaram para a necessidade urgente de unir esforços com outros países para eliminar as causas que obrigam as famílias a iniciar um processo migratório em condições irregulares. Uma questão em que as soluções devem ser sustentáveis ​​ao longo do tempo.

Unir esforços

Nesse sentido, os representantes da Igreja defenderam políticas públicas baseadas em argumentos científicos que reconhecem o valor da unidade familiar, a saúde pública e sua conservação; dando atenção especial às populações que se encontram em verdadeiro estado de vulnerabilidade, como as crianças migrantes. Nesse sentido, propuseram a implementação de estruturas que promovam reformas legislativas que promovam uma cultura que acolha os migrantes sem ameaçar a soberania e a segurança dos países.

Assim, a Igreja mexicana e norte-americana reiterou seu apoio contínuo aos governos dos dois países e seus esforços para proteger e cuidar das famílias que são obrigadas a migrar de seus lugares de origem. Para alcançar este objetivo, eles se comprometeram a trabalhar a partir de organizações católicas localizadas na fronteira e nos lugares onde os migrantes são atualmente atendidos com generosidade por leigos e pessoas consagradas.

Referindo-se ao tempo litúrgico que os cristãos vivem, a Páscoa, eles foram encorajados a continuar ajudando os migrantes a carregar sua cruz, sabendo que, embora o caminho seja longo e árduo, é possível renovar a esperança viajando em unidade.

Em nome da Igreja norte-americana, o documento é assinado pelo presidente do Comitê de Migração da Conferência Episcopal dos Estados Unidos e Bispo Auxiliar de Washington, Dom Mario Dorsonville, e pelos Bispos das dioceses de El Paso, Laredo, Tucson, Brownsville, Las cruces, San Angelo e San Antonio. Por sua vez, a Igreja mexicana é representada pelo responsável pela Dimensão Episcopal da Pastoral da Mobilidade Humana e Bispo de Ciudad Juárez, Dom José Guadalupe Torres Campos, e pelos Bispos das dioceses de Nuevos Casas Grandes, Piedras Negras, Nuevo Laredo, Matamoros e Saltillo.

Projeto de Biden

No final de março, em encontro com jornalistas, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lamentou o tratamento dispensado aos menores imigrantes e confirmou seu desejo de liderar a reforma da imigração, abolindo por completo algumas das medidas impostas por seu antecessor Donald Trump que, em sua opinião, são desumanas.

O novo presidente disse que continuará a implementar medidas para que os menores sejam tratados de forma adequada e possam deixar os centros de detenção localizados na fronteira e possam se reunir com suas famílias.

De acordo com as estatísticas apresentadas por Biden, o número de menores migrantes durante seu governo aumentou 28% em comparação com o aumento de 31% ocorrido em 2019, antes que fosse declarada a pandemia de COVID-19.

A maior preocupação do governo dos Estados Unidos é que 70% dos menores que cruzam a fronteira têm entre 16 e 17 anos e estão totalmente expostos a problemas muito mais sérios como tráfico de drogas e de pessoas, entre outros.

(Fonte: Prensa Celam)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter