Com violência no Congo, mais de 25 mil pessoas fogem para Angola

Conflitos se intensifcaram no País desde 2016

Com violência no Congo, mais de 25 mil pessoas fogem para Angola
Ocha – Otto Bakano – ONU

Mais de 25 mil pessoas, entre essas 9 mil crianças, fugiram das violências e da insegurança na província de Kasai, na República Democrática do Congo, e se refugiaram na vizinha Angola desde o mês de março de 2021.

Milhares de menores, entre os quais 200 sem família, chegaram a dois centros de acolhimento temporários em Dundo, no norte de Angola. Muitas crianças foram testemunhas de violentos ataques e outras ficaram feridas devido a projéteis ou machadadas da milícia congolesa Kamuina Nsapu.

Esses confrontos causaram mais de 400 mortos, cerca de um milhão de deslocados e milhares de refugiados. A tutela das crianças, a alimentação, o acesso à água potável e aos serviços de saúde e a prevenção de doenças estão entre as ações imediatas empreendidas pelo Unicef.

A organização está provendo o fornecimento de artigos para o tratamento da água, kits educativos e recreativos para os menores, remédios contra a malária e as doenças diarreicas, cortinas, cobertores e materiais informativos, como opúsculos, para a prevenção de doenças.

A origem do conflito deriva de uma onda de violência ocorrida em julho de 2016 em Kasai Central, que se estendeu para áreas próximas, quando o Governo não reconheceu a autoridade do líder da região, Kamuina Nsapu. Em agosto, Kamuina Nsapu foi morto pelo exército, e diante da negação de restituir o corpo de seu líder, os seus seguidores começaram a atacar civis, militares e instituições estatais.

Em abril, o Governo entregou o corpo de Nsapu à sua família, que ao mesmo tempo nomeou seu sucessor, Kabeya Jacques Ntumba Mupala, na tentativa de frear a violência, mas esta infelizmente continua.

Fonte: Agência Fides

Deixe um comentário