Inaugurada nova sede do Celam, na Colômbia

Inaugurada nova sede do Celam, na Colômbia
Foto: Celam

Na manhã da terça-feira, 12, foram abençoadas e inauguradas as novas instalações do Conselho Episcopal Latino-Americano e Caribenho (Celam), em Bogotá, na Colômbia.

O evento contou com a presença dos presidentes e secretários das 22 conferências episcopais do continente, representantes de diversas organizações eclesiais e delegados da Santa Sé.

O ato foi liderado pela diretoria do Celam: Dom Miguel Cabrejos Vidarte, Arcebispo de Trujillo (Perú) e presidente do organismo eclesial; Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo e 1º Vice-Presidente; Dom Miguel Cabrejos, presidente; Monsenhor Jorge Lozano, secretário geral; Cardeal Odilo Scherer, Primeiro Vice-Presidente; Cardeal Leopoldo Brenes, Arcebispo de Manágua, na Nicarágua, e 2º Vice-Presidente; e Dom Rogelio Cabrera López, Arcebispo de Monterrey (México) e Presidente do Conselho para Assuntos Econômicos.

Dom Luis Mariano Montemayor, Núncio Apostólico na Colômbia, transmitiu a saudação do Papa Francisco aos bispos do Celam, que agradeceram aos membros d presidência do organismo pelo esforço para tornar realidade esse trabalho, que remonta o ano de 2012.

“Peço-lhes que enviem minhas cordiais saudações aos Bispos da América Latina e do Caribe, também aos sacerdotes, religiosos, leigos e leigas colaboradores, bem como a todos os convidados que participam do evento”, leu o Núncio, em nome do Santo Padre.

LEIA TAMBÉM:
Papa a bispos do Celam: nova sede esteja a serviço de quem vive nas periferias da vida

Gratidão

Durante a coletiva de imprensa, Dom Miguel Cabrejos, por sua vez, explicou que “esta nova sede do Celam será destinada ao trabalho e serviço em favor da evangelização de todos os povos de nossa América Latina e Caribe e ao serviço da Povo santo de Deus, especialmente os mais pobres e vulneráveis ​​de nossa amada América Latina”.

O Presidente do Celam agradeceu também ao Cardeal Carlos Aguiar, Arcebispo Primaz do México, e ao Cardeal Rubén Salazar, Arcebispo Emérito de Bogotá, bem como à atual presidência que acompanhou todo o trabalho, em especial, os cardeais Scherer e Brenes.

Dom Miguel agradeceu também a Dom Juan Carlos Cárdenas, Bispo de Pasto; Monsenhor Rogelio Cabrera, Arcebispo de Monterrey, Dom Jorge Lozano, Arcebispo de Cuyo; ao Padre Pedro Brassesco, secretário adjunto, ao Padre David Jasso, secretário adjunto, ao Padre Adolfo Vera, administrador da sede e a o arquiteto Germán Gómezpor “ter assumido este desafio, que hoje temos a alegria de aceitar”.

Eucaristia

O ponto alto da inauguração da nova sede do Celam foi a missa presidida na capela que integra as instalações, presidida Por Dom Miguel Cabrejos e que teve com um dos concelebrantes o Cardeal Michael Czerny, Prefeito do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, e o Cardeal Pedro Barreto, Presidente da Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama).

Na homilia, o Presidente do Celam recordou uma pergunta surgida na Assembleia Geral do organismo realizada em Honduras, em 2019: “Quais são os novos desafios para a nossa Igreja à luz da V Conferência de Aparecida, dos sinais destes nossos tempos e do magistério do Papa Francisco?”. Diante disso, respondeu Dom Miguel, o caminho é optar por “uma comunidade evangelizadora e, no caminho, escutando o clamor dos pobres, ajude-nos a concretizar nossa opção discipular-missionária, em uma nova perspectiva histórica”.

Inaugurada nova sede do Celam, na Colômbia
Foto: Celam

Escuta ativa

“Precisamos também de uma conversão à experiência sinodal, que exige a disponibilidade de todos para fortalecer a cultura do diálogo, da escuta mútua, do discernimento espiritual, do consenso e da comunhão para encontrar espaços e caminhos de decisão conjunta, como narram os Atos dos Apóstolos”., acrescentou Presidente do Celam, destacando que tal conversão “implica entender que a sinodalidade se expressa na circularidade dinâmica do consenso dos fiéis, da colegialidade episcopal e do primado do Bispo de Roma”. Para isso, completou, “a Igreja é chamada a uma escuta ativa de todos os sujeitos que juntos formam o povo de Deus”.

Por fim, Dom Miguel sublinhou que a sinodalidade “é a dimensão dinâmica, a dimensão histórica da comunhão eclesial, fundada pela comunhão trinitária, que valorizando simultaneamente o sensus fidei [sentido da fé] de todo o povo santo fiel de Deus, a colegialidade apostólica e a unidade com o sucessor de Pedro, deve a conversão e reforma da Igreja em todos os níveis”.

Fonte: Celam

Deixe um comentário