Líderes católicos discutem problemas na fronteira EUA-México

Encontro “Ouvindo na Fronteira” foi promovido pelo Ministério Social Católico

Migrantes que sobrevivem na fronteira dos dois países lutam diariamente para sobreviver (Unicef Mexico)

Antes de conhecer uma família de imigrantes, a Irmã Horan, da Congregação da Providência de St. Mary-of-the-Woods, ainda como estudante no ensino médio, defendia a construção de um muro na fronteira EUA-México, mas percebeu, com o tempo que isso não era o melhor a ser feito. Hoje, ela é diretora associada de educação e advocacia da Kino Border Initiative em Nogales, no Arizona, nos Estados Unidos, e do outro lado da fronteira em Nogales, no estado mexicano de Sonora.

Irmã Horan foi uma das palestrantes de uma sessão plenária, em 31 de janeiro, durante o Encontro do Ministério Social Católico, “Ouvindo na Fronteira”.

“Vi em primeira mão tantas histórias de irmãos e irmãs”, disse o Cardeal Álvaro Ramazzini Imeri, de Huehuetenango, Guatemala, outro palestrante. “Histórias de sucesso e fracassos. Histórias de dor e tristeza.”

De suas conversas com aspirantes a imigrantes atualmente presos no lado mexicano da fronteira, a Irmã Horan disse: “eles não sentem que pertencem aos lugares de onde vêm, não sentem que pertencem a Nogales e sentem que não pertencem aos Estados Unidos.”

Enquanto isso, eles têm a sensação de que “parece que todos estão entrando”, acrescentou a Irmã Horan,. “Mas eles não deixam que isso seja uma desculpa para desistir… Os migrantes expressam muita esperança.”

O padre franciscano capuchinho David Couturier, psicólogo e psicoterapeuta de formação, recordou a postura do ex-presidente Donald Trump em relação aos migrantes: “O que Donald Trump dizia sobre as crianças migrantes era um ataque ao seu desenvolvimento e dava às pessoas um novo modelo de como a infância deveria ser”, recordou lembrando que o ex-chefe da Casa Branca usava palavras como “doente”, “perigo” e “terror”.

ACOLHIDA

De acordo com o Cardeal Ramazzini, “o dever de advogar – em certo sentido, proteger e acompanhar os migrantes – encontra seu fundamento nas palavras de nosso Senhor Jesus Cristo – em Mateus 25: 35-40 – sobre convidar o estrangeiro, ou acolher o migrante”.

“Isso garante que eu possa ouvir as palavras do Senhor”, disse o cardeal.

Ouvir as palavras do Papa Francisco também é valioso, segundo o Cardeal. “O Santo Padre falou de estratégia, combinada com ação ousada, acolher os migrantes, protegê-los e promovê-los”, disse. “Esta é uma estratégia para todos os crentes em Cristo, católicos ou não católicos: acolher”.

Irmã Horan, que cresceu em Indianápolis, disse: “Sabemos que existem famílias migrantes por toda parte”. Depois de seu episódio do ensino médio sobre a construção de muros, ela se tornou uma organizadora da comunidade e descobriu que “na mesma rua onde cresci havia uma comunidade de imigrantes”.

Irmã Horan complementou: “Temos várias paróquias e escolas nos Estados Unidos que decidiram adotar uma família. Uma vez que você está em um relacionamento, você começa a fazer perguntas: ‘Por que essa família não pode entrar?’ ” Leva a perguntar também: “Que diferença posso fazer?” ela disse.

Ela contou quando havia várias famílias de imigrantes que queriam se aproximar de um porto de entrada e pedir asilo. Ela convidou os americanos a acompanhá-los em uma marcha para solicitar asilo na fronteira.

“Os Estados Unidos acabaram rejeitando todas as 25 famílias, mas essas pessoas (americanas) voltaram para suas comunidades e começaram a advogar”, disse a Irmã Horan, que entrou em sua ordem religiosa em 2014.

EM BUSCA DE AÇÕES CONCRETAS

O primeiro passo para a advocacia é “apenas conversar com as pessoas ao nosso redor. Todos nós temos amigos, familiares, colegas com quem trabalhamos”, disse ela, e ao conversar com eles, alguém ficaria “surpreso com quanta confusão existe ” sobre a política de imigração e as realidades dos imigrantes.

O Cardeal Ramazzini afirmou que os apelos devem ser feitos à consciência dos líderes empresariais que se envolvem em práticas de exploração. Na Guatemala, recordou, os trabalhadores das plantações de banana ou café ou da mineração de ouro e prata são explorados, mas os altos executivos, eles próprios guatemaltecos, são principalmente católicos.

Dado que muitas empresas guatemaltecas estão em parceria com empresas norte-americanas, os executivos norte-americanos “poderiam aplicar mais pressão para impressionar os horários éticos nos negócios guatemaltecos. E o governo dos Estados Unidos poderia continuar em sua luta contra a corrupção e a injustiça”, complementou.

Padre Couturier defendeu “uma política consistente que é desenvolvida como um compromisso legislativo não sujeito a mudanças radicais cada vez que um novo presidente chega. Não podemos deixar os imigrantes sujeitos a esse tipo de instabilidade e volatilidade”.

Se alguém olhou, acrescentou o Padre Couturier, “permitimos que nossas comunidades fronteiriças se tornassem locais de desinvestimento… Eles se tornaram alguns dos lugares mais pobres dos Estados Unidos”.

Fonte: UCA News

Deixe um comentário