OMS vê sinais de esperança para 2023 com redução de surtos e pandemia

Diretor-geral da agência afirma que apesar de 2022 ter sido difícil, notícias são animadoras, com Covid-19, varíola M e ebola em declínio; Tedros Ghebreyesus ressalta que uma das lições mais importantes da pandemia é que todos os países precisam fortalecer seus sistemas de saúde pública.

OMS vê sinais de esperança para 2023 com redução de surtos e pandemia, Jornal O São Paulo
O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, fez um balanço global da saúde no último ano e falou das expectativas para 2023 – ONU/Evan Schneider 

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, fez um balanço global da saúde no último ano e falou das expectativas para 2023.

Ele lembrou que 2021 foi desafiador após a variante da Covid-19, Omicron, ser identificada e começar a se espalhar.

Estudos apontam que a variante Ômicron da Covid-19 afeta mais o trato respiratório superior
Estudos apontam que a variante Ômicron da Covid-19 afeta mais o trato respiratório superior – WHO

Mortes por Covid-19

O chefe da OMS lembra que, naquela época, a Covid-19 estava matando 50 mil pessoas por semana. Mas somente, na semana passada, menos de 10 mil pessoas perderam a vida. Para ele, o número ainda é alto e há muito o que fazer para evitar novos óbitos.

Tedros espera que, em algum momento de 2023, a Covid-19 deixe de ser uma emergência de saúde global. Em janeiro, o Comitê de Emergência se reunirá para decidir se declara ou não o fim da emergência. Ele explicou que o vírus veio para ficar e que todos os países devem aprender como gerenciar isso junto com outras doenças respiratórias, incluindo influenza e RSV, ambas circulando intensamente em muitos países.

Mãe de família de grupo indígena no Brasil recebe vacina da Covid-19
Mãe de família de grupo indígena no Brasil recebe vacina da Covid-19 – PAHO

Desigualdades e origem da Covid-19

Tedros Ghebreyesus citou muitas incertezas e desafios para 2023, lembrando que apenas uma em cada cinco pessoas em países de baixa renda foi vacinada.

Ele também destacou o acesso a diagnósticos e tratamentos para Covid-19 que salvam vidas, mas permanecem caros e desiguais. E mencionou a continuação de grandes lacunas na vigilância, o que é uma falha não apenas para detectar novas variantes, mas também para monitorar a propagação de outras infecções.

Para o chefe da OMS, é preciso entender melhor as origens do vírus. Segundo ele, a agência continua pedindo à China que compartilhe os dados e realize os estudos solicitados.

Aprendizados

Tedros ressaltou que uma das lições mais importantes da pandemia é que todos os países precisam fortalecer seus sistemas de saúde pública para se preparar, prevenir, detectar e responder rapidamente a surtos, epidemias e pandemias.

Ele explicou que um sistema avançado de assistência médica não é a mesma coisa que um sistema forte de saúde pública. Outra lição é a necessidade de cooperação e colaboração mais intensas, em vez da competição e confusão que marcaram a resposta global à Covid-19.

Na semana passada, os Estados-membros da OMS concordaram em desenvolver o primeiro rascunho de um acordo juridicamente vinculativo sobre prevenção, preparação e resposta a pandemias, com base nos princípios de equidade, solidariedade e soberania. As discussões começam em fevereiro.

As lesões da varíola M geralmente aparecem nas palmas das mãos.
As lesões da varíola M geralmente aparecem nas palmas das mãos. – CDC

Outras emergências de saúde

A OMS está respondendo a 53 emergências classificadas e, no ano passado, foram mais de 200 surtos. O surto global de varíola M,  como passou a ser chamada a varíola dos macacos, uma doença quase desconhecida fora da África, pegou o mundo de surpresa.

Mais de 82 mil casos foram relatados em 110 países, embora a taxa de mortalidade permaneça baixa, com 65 mortes. As notificações, por semana, caíram mais de 90% desde a declaração da emergência de saúde pública de interesse internacional, em julho.

Tedros informou que se a tendência atual continuar, é esperado que no próximo ano também possa ser declarado o fim dessa emergência.

Ebola

Da mesma forma, sem novos casos, há mais de duas semanas, e nenhum paciente em tratamento no momento, iniciou-se a contagem regressiva para o fim do surto de ebola em Uganda. Se não houver nenhum novo caso, o anúncio será feito em 10 de janeiro.

Na semana passada, o primeiro lote de vacinas candidatas chegou a Uganda, 80 dias após a declaração do surto.

O diretor-geral da agência afirma que apesar do ano difícil, as notícias são animadoras, com Covid-19, varíola M e ebola em declínio.

Homem na RD Congo recebe vacina contra ebola durante o último surto
Homem na RD Congo recebe vacina contra ebola durante o último surto – Banco Mundial/Vincent Tremeau

Desnutrição, cólera e malária

No Grande Chifre da África, uma seca severa está causando uma crise aguda de saúde e fome afetando 47 milhões de pessoas e os surtos estão aumentando.

A OMS e parceiros levam serviços básicos de saúde, fornecendo tratamento para desnutrição grave e ajudando os países a prevenir, detectar e responder a surtos.

A agência também continua respondendo a surtos de cólera em 29 países, incluindo o Haiti, que tem mais de 1,2 mil casos confirmados, mais de 14 mil suspeitos e 280 mortes. Nesta semana, o país recebeu quase 1,2 milhão de doses de vacina oral contra o cólera e as campanhas de vacinação estão em andamento.

Ameaças antigas à saúde humana

O diretor-geral da OMS lembrou que a saúde da população mundial continua ameaçada por muitas causas que não aparecem nos noticiários com tanta frequência, como o uso do tabaco, que ainda mata mais de 8 milhões de pessoas por ano. E as dietas prejudiciais, que estão levando a taxas crescentes de obesidade, diabetes, câncer, doenças cardiovasculares e muito mais.

Tedros citou ainda o progresso contra o HIV, a malária e a tuberculose que estagnou ou retrocedeu. Ele lembrou que apenas metade da população mundial tem acesso a serviços de saneamento seguro. O impacto na saúde mental durante a pandemia e o preço alto de serviços essenciais de saúde também foram mencionados.

Fonte: ONU

Leia mais
OMS divulga série de ações para melhorar a vida das pessoas com epilepsia

Deixe um comentário