Mosteiro sírio devastado pelos jihadistas voltará a ser um lugar de oração e paz

Mosteiro sírio devastado pelos jihadistas voltará a ser um lugar de oração e paz
Mosteiro antes da destruição - divulgação Estado Islamico

O antigo Mosteiro de Mar Elian, localizado nos arredores da cidade síria de Quaryatayn, que em 2016 havia sido devastado e profanado por milicianos jihadistas, logo poderá voltar a ser um lugar de oração e paz para os cristãos sírios e também para seus companheiros muçulmanos. Foi anunciado, com alegria, pelo Padre Jacques Mourad, monge da comunidade de Deir Mar Musa, que foi sequestrado em Mar Elian em 21 de maio de 2015 por um comando de jihadistas do autodenominado Estado Islâmico, e viveu longos meses de prisão, primeiro em isolamento e depois junto com mais de 150 cristãos de Qaryatayn, também feitos reféns nos territórios então conquistados pelo califado negro. O renascimento do Mosteiro de Mar Elian - relata o padre Jacques - será possível graças a um acordo entre a arquieparquia sírio-católica de Homs, Hama e Nabk e a comunidade monástica de Deir Mar Musa, fundada pelo padre Paolo Dall'Oglio, o jesuíta romano cujos vestígios se perderam em 29 de julho de 2013, enquanto ele estava em Raqqa, então capital síria do Daesh.

Em sua mensagem, o Padre Mourad pede a todos que rezem para que neste momento os paroquianos de Qaryatayn possam discernir "a vontade de Deus para o futuro desta importante área geográfica da Síria, nosso país".

O plano de renascimento de Mar Elian, delineado pelo monge de Deir Mar Musa, prevê inicialmente a replantação de vinhas e olivais nos terrenos ao redor do mosteiro, juntamente com a reconstrução das paredes circundantes e portas de acesso. Em seguida, irão incentivar o retorno a Qaryatayn dos cristãos que viviam lá e foram forçados a fugir durante a guerra, apoiando a reconstrução de suas casas, a revitalização de plantações e atividades que garantiam sua independência econômica antes que tudo fosse devastado pelos conflitos. Se esta primeira fase correr bem, será feita a reconstrução propriamente dita do mosteiro e da igreja paroquial, bem como as obras de recuperação arqueológica à volta do túmulo do Santo, “o que não será fácil depois da devastação sofrida”.

A notícia do projeto de revitalização do mosteiro Qaryatayn é compartilhada pelo Padre Jacques, confiante em que suscitará alegria e consolação por conhecer o vínculo espiritual tenaz entre aquele mosteiro e a vocação da comunidade monástica de Deir Mar Musa.

Atualmente, menos de 10 mil muçulmanos vivem na área de Qaryatayn, enquanto os cristãos são apenas 26. Mas experiências semelhantes, como as de cristãos que retornaram pelo menos em parte às aldeias iraquianas da planície de Nínive - de onde fugiram frente ao avanço das milícias jihadistas - incentiva "a seguir seus passos", e não se render aos processos que estão extinguindo a presença de comunidades cristãs indígenas em países inteiros do Oriente Médio.

Nos anos anteriores ao conflito, o antigo Santuário de Mar Elian, que remonta ao século V, havia sido filiado à comunidade monástica de Deir Mar Musa e experimentou um período de florescimento, também cercado pela simpatia da população muçulmana predominante . Sob a orientação do Padre Jacques Mourad, que na época ocupava o cargo de Prior. Então, em fevereiro de 2015, o padre Jacques foi sequestrado pelos jihadistas, que assumiram o controle de toda a área no mês de agosto seguinte. Desde os primeiros dias da ocupação jihadista, a tumba de Mar Elián foi brutalmente profanada, para apagar o que, mesmo aos olhos dos afiliados do Estado Islâmico, representava o coração do complexo monástico. Mas as relíquias de Mar Elián, espalhadas ao redor do túmulo do Santo, não se perderam: em particular, os ossos do Santo foram encontrados, recolhidos e transferidos para a custódia em Homs em abril de 2016, após o fim da ocupação jihadista da área. Já então, o Padre Jacques Mourad confidenciou à Fides qual era sua esperança: “Sabemos que o antigo santuário foi arrasado, que o sítio arqueológico foi devastado, e que a nova igreja e o mosteiro foram incendiados e parcialmente bombardeados. No futuro, voltaremos a trabalhar em Mar Elián, também colocaremos as relíquias do Santo de volta no seu lugar. A vida de graça florescerá novamente em torno da memória dos santos. E será um grande sinal de bênção para toda a nossa Igreja ”.

Fonte: Agência Fides

Deixe um comentário